Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 31 de maio de 2009

Datafolha: Presidente Lula teria 54% dos votos válidos!


Segundo pesquisa Datafolha divulgada neste fim de semana, caso o Presidente Lula se candidatasse novamente para a Presidência da República, em 2010, ele seria reeleito mais uma vez, obtendo 54% dos votos válidos já no primeiro turno.

De acordo com o Datafolha, em votos válidos, o resultado seria o seguinte:

Lula - 54%
Serra - 29%
Ciro - 9%
Heloísa H. - 8%

Assim, se dependesse da vontade exclusiva do povo brasileiro, Lula continuaria na Presidência até o final de 2014.

E este é mais um motivo que me leva a acreditar na vitória da ministra Dilma em 2010, pois quem gostaria de votar em Lula, mas não poderá fazê-lo (devido à proibição de se reeleger mais de uma vez de maneira consecutiva) acabará votando em Dilma, que terá o apoio total do Presidente Lula e dará continuidade às políticas e projetos iniciados no governo deste.

Dilma Presidente 2010!!

Datafolha: Aumenta apoio para 3o. mandato de Lula; Popularidade do Presidente aumenta e Dilma reduz diferença para Serra!!


Nova pesquisa Datafolha divulgada neste fim de semana mostrou vários dados novos e importantes, incluindo:

1) O apoio popular para um possível terceiro mandato de Lula subiu de 31%, na pesquisa realizada em Novembro de 2007, para 47%, agora. Assim, é cada vez maior a popularidade da tese de um terceiro mandato para o Presidente Lula, embora este negue a intenção de disputar uma nova tentativa de reeleição em 2010 e já tenha declarado, em várias oportunidades, ser contra a mudança da Constituição para que ele, Lula, pudesse se candidatar novamente no próximo ano. Lula prefere apostar na possibilidade de vitória da ministra Dilma Rousseff, que mantém, uma trajetória fortemente ascendente em todas as pesquisas mais recentes, incluindo a atual feita pelo Datafolha, como veremos a seguir.

2) A popularidade do Presidente Lula voltou a aumentar, retornando ao patamar anterior ao início dos efeitos da crise global sobre o Brasil, que foram mais intensos no último trimestre de 2008.

Assim, o governo Lula tem, agora, 69% de ótimo/bom, contra 65% na pesquisa anterior, e 70% na pesquisa feita antes da crise global gerar consequências negativas para a economia brasileira, embora estas ocorram numa escala muito mais limitada do que aquelas que atingem economias de países como EUA, México, Japão, Alemanha, Reino Unido, onde os efeitos da crise são muito mais intensos, com um grande crescimento do desemprego, uma forte queda do PIB e grande elevação da dívida pública.

Enquanto isso, no Brasil, o aumento do desemprego foi muito limitado, sendo que a taxa, calculada pelo IBGE, foi de 8,5% em Abril/2008 e de 8,9% em Abril/2009, ficando quase estável, portanto, entre um ano e outro. E mesmo com a crise a renda real da população continua crescendo.

Além disso, o governo Lula tomou uma série de medidas para estimular a economia e combater os efeitos da crise global sobre o país, como a redução dos compulsórios, diminuição dos impostos, aumento real do salário mínimo, reajuste dos benefícios do Bolsa-Família, redução do Imposto de Renda, aumento da oferta de crédito pelos bancos públicos, a criação do programa habitacional 'Minha Casa, Minha Vida', entre outras.

Tudo isso faz com que a população brasileira perceba que o governo federal está agindo fortemente para não permitir que o Brasil seja tão afetado quanto outros países pelos efeitos da crise global.

E não se pode esquecer que foi justamente em função das medidas tomadas pelo governo Lula ao longo do seu mandato que permitiram que a economia brasileira se fortalecesse e impedisse que a mesma afundasse numa crise terrível agora.

O aumento das reservas internacionais (aumentaram de US$ 17 bilhões para US$ 205 Bilhões), a redução da dívida pública (caiu de 55,5% para 36,5% do PIB) e do déficit público (caiu de 4% para 1,5% do PIB), a mudança de foco da política de comércio exterior (que passou a priorizar o comércio com os países emergentes e não mais com os países ricos, como fazia o governo FHC) o estímulo ao aumento das exportações (elevando muito o crédito para as mesmas, por exemplo, principalmente por parte do BNDES e do Banco do Brasil), a política de aumento real para o salário mínimo (que já subiu 45% acima da inflação no governo Lula), e a ampliação e criação de programas sociais que beneficiaram muito aos mais pobres e aos miseráveis (como o Bolsa-Família, Luz Para Todos, ProUni, Farmácia Popular, Brasil Sorridente, entre outro), o aumento dos investimentos públicos, com a criação do PAC, foram medidas fundamentais para fortalecer a economia brasileira durante o governo Lula. E é isso que faz com que o Brasil resista de maneira muito mais intensa aos efeitos da crise global.

E é por isso que, hoje, em meio a pior crise financeira global dos últimos 100 anos, o Brasil empresta dinheiro para o FMI. Enquanto isso, nos tempos do medíocre governo FHC, o Brasil ia implorar, quando estourava uma crise numa Tailândia qualquer da vida, recursos da ordem de dezenas de bilhões de dólares para o FMI para não ter que decretar moratória da dívida externa.

3) A pesquisa Datafolha também mostrou a ascensão da candidatura da ministra Dilma Rousseff para a Presidência da República, que chegou a 16% das intenções de voto, contra 38% de José Serra.

Assim, a diferença caiu de 35% há um ano atrás, para 22% agora. Há um ano, Serra tinha os mesmos 38% da pesquisa atual, mas Dilma aparecia com apenas 3%. Agora, Serra ficou estável, com 38%, e Dilma subiu para 16%, ficando 1 p.p. a frente de Ciro Gomes, que aparece com 15%. E Heloísa Helena, com sua famosa verborragia demagógica e discurso pseudo-moralista da UDN dos anos 50, caiu para 10%.

Todos esses dados demonstram a elevada popularidade do Presidente Lula e de seu governo, bem como o fato de que a ministra Dilma Rousseff está, cada vez mais, fortalecendo a sua candidatura. E olha que a candidatura de Dilma sequer foi anunciada, ainda. E o Presidente Lula ainda não disse, em público, que Dilma é a sua candidata para Presidente.

Entendo que quando Dilma assumir a candidatura presidencial e o Presidente Lula disser, publicamente, que Dilma terá o seu apoio para sucedê-lo na Presidência da República, a ministra chegará à liderança das pesquisas, deixando o candidato tucano para trás.

Creio que até o final deste ano Dilma já deverá estar liderando as pesquisas ou, no mínimo, em situação de empate técnico com Serra.

E em 2010, Dilma assumirá a liderança folgada de todas as pesquisas e ganhará a eleição presidencial com cerca de 60% a 65% dos votos e já no primeiro turno. Enquanto isso, Serra ficará com 30% dos votos (isso se ele for candidato) e Ciro não será candidato e Heloísa Helena, se for candidata, terá uns 5% dos votos, no máximo.

Quem viver, verá!!

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Boas Notícias 3!!

1) Brasil "vira o jogo" e amplia exportações para a África

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u569111.shtml

2) Mais 216 mil trabalhadores irão receber parcelas adicionais do seguro-desemprego

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u569372.shtml

3) Fábrica de motores cancela redução de jornada e de salários

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u569711.shtml

4) Embraer vende 20 jatos para a Austral Líneas Aéreas

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u569731.shtml

5) Financiamento imobiliário com recursos da poupança cresce 10% no ano

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u570001.shtml

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Boas Notícias - 2!

Aqui vão mais algumas boas notícias sobre o Brasil:

1) Produção da Petrobras registra aumento de 7% no Brasil

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u568825.shtml

2) Entrada de dólares supera saída em US$ 2 bi na 1ª quinzena de maio

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u568789.shtml

3) Demanda da Petrobras impõe investimento de US$ 5 bi de parceiras, diz BNDES

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u568779.shtml

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Boas Notícias!!

A partir de agora este blog irá divulgar, periodicamente, notícias altamente positivas em relação ao Brasil, procurando mostrar que, apesar de termos inúmeros problemas sociais a serem resolvidos, o nosso país está melhorando e progredindo.

Então, lá vamos nós:

1) Investimentos estrangeiros no Brasil cresceram 30% em 2008, diz Unctad


http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u568756.shtml

2) Índice que reajusta aluguéis recua 0,14% na 2ª prévia de maio, diz FGV


http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u568670.shtml

3) Fusão da Perdigão e Sadia cria grande multinacional brasileira

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u568169.shtml

PSDB cria CPI da Petrobras e prejudica o Brasil!!


O PSDB vive reclamando que não consegue vencer eleições presidenciais e que não é bem visto por grande parcela da população, principalmente entre os mais pobres. No entanto, quando tem a oportunidade de mostrar que o partido não é elitista e tampouco é contrário aos interesses nacionais, o mesmo faz alguma coisa que entra em total contradição com a imagem popular que eles gostariam de projetar.

Um exemplo perfeito disso é a criação, principalmente devido à iniciativa dos tucanos, da CPI para investigar supostas, e não comprovadas, irregularidades na Petrobras.

Com isso, o PT e o governo Lula já iniciaram uma ofensiva contra o PSDB, afirmando que o objetivo dos tucanos é enfraquecer a Petrobras para promover, posteriormente, caso vençam a eleição presidencial de 2010, a privatização da empresa, vendendo as poucas ações que ainda permanecem nas mãos do governo federal.

E essa afirmação do Presidente Lula e do PT têm muita base na realidade, já que o governo FHC vendeu grande parte das ações da empresa na Bolsa de Nova York a um preço ridiculamente baixo, tanto isso é verdade que ações se valorizaram imensamente nos anos seguintes e nem um centavo desta valorização ficou nas mãos do governo brasileiro, sendo que a mesma foi totalmente apropriada por investidores estrangeiros privados que sequer sabem onde fica o Brasil ou qual língua falamos. Os tucanos, quando governaram o país, também tentaram mudar o nome da Petrobras para Petrobrax (gastaram milhões de Reais nisso, como se trocar um s por um x pudesse custar tão caro assim...), já como preparativo para a venda total da mesma.

Além disso, em termos de privatizações, o PSDB é campeão, já que entre 1995-2002, somente não privatizaram totalmente a Petrobras, a CEF e o BB. As demais empresas estatais foram vendidas a preço de banana, caso da Vale do Rio Doce, que foi vendida por ridículos R$ 3,3 Bilhões, sendo o valor total da mesma era, na verdade, de R$ 92 Bilhões. Em muitas privatizações o governo FHC chegou ao cúmulo de financiá-las com dinheiro público, do BNDES, que cobrava juros muito abaixo dos do mercado, sendo subsidiados, portanto. Na venda das empresas de energia elétrica, inclusive, o valor total arrecadado com a venda das empresas, R$ 24 Bilhões, foi inferior ao valor emprestado pelo BNDES, de R$ 25 Bilhões, para que grandes grupos empresariais privados, nacionais e principalmente estrangeiros (como a Light, da França, e a AES Energy, dos EUA) as adquirissem por um valor extremamente baixo.

Além disso, essa CPI da Petrobras tem, claramente, objetivos eleitoreiros, procurando enfraquecer o governo Lula a fim de poder derrotá-lo nas eleições de 2010. E também não se pode esquecer dos gigantescos interesses envolvidos quanto à extração do petróleo pré-sal. O governo Lula está finalizando a elaboração de um novo marco regulatório para o setor petrolífero e muitas empresas multinacionais sonham em explorar tal petróleo, a fim de se apropriar da maior parte dos trilhões de dólares de lucro que a extração do mesmo irá proporcionar nas próximas décadas.

Para isso, é necessário enfraquecer o governo Lula e a Petrobras, e é exatamente isso que o PSDB visa conseguir com essa famigerada e ridícula CPI, pois o partido dos tucanos defende, de forma clara, os interesses destas grandes empresas petrolíferas multinacionais.

O problema é que essa postura dos tucanos têm grande chance de ser desmascarada pelo governo Lula e pelo PT, que já estão dando início a uma campanha contra a tentativa de enfraquecer e desmoralizar a Petrobras, o que seria de grande interesse para as empresas privadas estrangeiros, a cujos interesses o PSDB defende, e que desejam controlar a extração do petróleo do pré-sal, apropriando-se dos lucros gerados pelo mesmo.

Cabe ao povo brasileiro não permitir que esse verdadeiro crime de lesa-pátria, que o PSDB está cometendo, seja levado adiante e que os lucros gerados pela extração do petróleo do pré-sal fiquem conosco, os brasileiros, e que possam ser investidos na melhoria das condições de vida da população, melhorando-se a educação e saúde públicas, contruindo-se milhões de novas moradias, melhorando o transporte coletivo, que é caótico, em saneamento básico, em cultura, esportes e lazer, permitindo ao povo brasileiro o desfrute de uma vida digna.

Fora, tucanos vende-pátrias e entreguistas!

A Petrobras e o petróleo do pré-sal são patrimônios do Brasil e do seu povo!

Fora com os vendilhões da pátria!!!

domingo, 10 de maio de 2009

O PSOL e o governo Lula!

O PSOL é um partido que se apresenta como sendo de Esquerda, mas o seu discurso e sua prática, muitas vezes, entram em choque com tal pretensão. O PSOL usa um discurso udenista e pseudo-moralista, igual ao da 'Banda de Música' da UDN (partido conservador, direitista e golpista que apoiou o Golpe de 64 e a Ditadura Militar) nos anos 50, e que se aliou ao PSDB nos ataques ao governo Lula em 2006.

A campanha presidencial de Heloísa Helena em 2006 foi totalmente apolítica, não-programática, não-ideológica e ela chegou até a renegar o programa do partido em pleno 'Jornal Nacional', quando negou a intenção, expressa no programa partidário, de promover a reforma agrária em terras produtivas.

Além disso, o PSOL nunca administrou nada, nem carrinho de pipoca. Logo, o partido não têm como provar que as suas teses e idéias são factíveis e realistas e que podem, efetivamente, ser colocadas em prática.

O PSOL, até o momento, tem demonstrado que é muito bom de discurso. Mais nada. Achar que o povo brasileiro irá dar a um partido que só sabe discursar e que nunca administrou nada a chance de governar o país é o mesmo que acreditar em cegonha, papai noel, no abominável homem das neves e na maldição do faraó, tudo ao mesmo tempo.

A respeito deste assunto, o professor universitário e blogueiro Idelber Avelar, publicou um excente texto em seu blog, o 'O Biscoito Fino e a Massa'.

Para acessar o mesmo, entrem aqui:

http://www.idelberavelar.com/archives/2009/05/acelerar_a_putrefacao_da_midia_e_a_desmoralizacao_de_gilmar_mendes_tarefas_para_uma_verdadeira_extre.php

Roubini, a crise global e o governo Lula! - por Marcos Doniseti!

Roubini, a crise global e o governo Lula! - por Marcos Doniseti!

O blog do Azenha publicou um ótimo texto de Nouriel Roubini, o economista turco-iraniano que previu o atual colapso econômico vivenciado pelo planeta, principalmente pelos países ricos. Ele diz que a origem da crise é um mega-endividamento da população dos países ricos.

Mas, faltou apenas o Roubini explicar as causas desse mega-endividamento que tivemos nos países desenvolvidos. A principal causa é a redução da renda real dos trabalhadores e da população em geral.

Praticamente todo o aumento de riqueza que ocorreu nos países ricos nos últimos 35 anos foi apropriado por uma minúscula fração da população. A renda real da quase totalidade da população diminuiu.

Com isso, a concentração de renda nos países ricos cresceu enormemente nas últimas décadas. Daí, para poder consumir cada vez mais, as pessoas se endividaram de forma absurda. E agora terão que pagar a conta das dívidas acumuladas. E isso fará com que as economias dos países ricos fiquem estagnadas por muitos anos, talvez por uma década pelo menos.

Outra causa desta crise é a transferência de setores produtivos inteiros para os países emergentes, como China, Índia e México. Isso elevou o desemprego estrutural nos países ricos e diminuiu os salários dos seus trabalhadores.

A simples ameaça das grandes empresas multinacionais de transferir suas unidades de produção para os países emergentes já era suficiente para que os trabalhadores dos países ricos aceitassem ganhar menos e trabalhar mais.A Volksvagen fez tal ameaça há alguns anos aos seus trabalhadores na Alemanha e, com isso, os convenceu a trabalhar mais ganhando o mesmo salário.

E como os salários dos trabalhadores dos países emergentes são muito inferiores ao dos países ricos, é claro que eles ainda não têm condições de consumir tanto quanto os consumidores dos países ricos. Na verdade, em países como a China e o México, a concentração de renda e as desigualdades sociais aumentaram ainda mais nas últimas décadas.

Daí, tivemos a crise e esta aconteceu porque não havia mercado consumidor suficiente para toda essa produção globalizada e isso acontecia porque a concentração e as desigualdades sociais estavam aumentando e os salários reais dos trabalhadores diminuíam sensivelmente, principalmente nos países ricos.

Logo, esta não é uma crise financeira coisa nenhuma. É uma crise clássica de superprodução provocada pelo aumento brutal da concentração de renda e das desigualdades pelo mundo afora. A diferença é que essa crise se dá numa economia global e, assim, atinge com mais intensidade um número muito maior de pessoas do que as crises anteriores (como a de 1994, que ocorreu no México), ou a dos países emergentes asiáticos (Indonésia, Malásia, Tailândia, Filipinas) que ocorreu em 1997/1998.

E curiosamente o Brasil é o país menos afetado pela crise, em todo o mundo, e justamente porque seguiu uma política diferente daquela que vigorou nos países ricos durante as últimas décadas, pois o governo Lula aumentou os investimentos públicos e na área social, aumentou o poder de compra dos salários dos trabalhadores e reduziu a concentração de renda e as desigualdades, além de ter promovido uma significativa redução da relação dívida/PIB, que caiu de 55,5% para 36% do PIB em seu governo e de ter acumulado reservas internacionais superiores a US$ 200 Bilhões.

Além disso, o governo Lula procurou diversificar os parceiros comerciais do Brasil e, com isso, hoje, a América Latina é o mercado de exportação brasileiro, deixando os EUA e a União Européia. A participação dos países emergentes aumentou sensivelmente na balança de exportações brasileiras e como eles estão sofrendo menos intensamente os efeitos da crise global, o Brasil se beneficia com isso.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Primeiro de Maio: Dia dos Trabalhadores!


Ao contrário do que a Mídia espalha por aí, hoje não é 'Dia do Trabalho' coisa nenhuma! É Dia do Trabalhador! Inclusive, muitos calendários trazem escrita a expressão 'Dia do Trabalho' quando se referem ao Primeiro de Maio. E existe uma grande diferença entre dizer 'Dia do Trabalho' e 'Dia do Trabalhador'.

Quando se diz que o Primeiro de Maio é o 'Dia do Trabalho' é como se a data em questão fosse uma espécie de homenagem ao Trabalho em si, difundindo aquela tese de que 'o Trabalho dignifica o homem' (pode até dignificar, mas desde que seja um trabalho digno).

Mas, na verdade, o 1o. de Maio é uma data que simboliza e representa a luta dos trabalhadores do mundo inteiro por condições mais dignas de vida e de trabalho. Foi o movimento sindical europeu, principalmente o francês, quem transformou o 1o. de Maio numa data de luta. Inclusive, neste dia, em todos os anos, os trabalhadores franceses faziam greves, protestos e manifestações nas quais apresentavam as suas reivindicações e discutiam os seus problemas. Enfim, era um 'Dia de Luta' dos trabalhadores. Depois, inúmeros governos pelo mundo afora transformaram a data num feriado, a fim de poder conseguir agradar e obter o apoio dos trabalhadores.

Ficaram famosos, no Brasil, por exemplo, os discursos do então Presidente Getúlio Vargas no estádio do Vasco da Gama, em São Januário, todos os anos, no dia 1o. de Maio, no qual fazia um discurso especificamente voltado para os trabalhadores e anunciava medidas que os agradavam.

Isso é muito diferente do que acontece hoje em dia, principalmente no Brasil, quando a data foi transformada num feriado totalmente esvaziado do seu conteúdo político e virou mais um feriado comum, sem nenhum signficado especial para a luta dos trabalhadores. Centrais Sindicais, como a 'Força Sindical', por exemplo, inauguraram a prática de fazer shows e distribuir prêmios aos trabalhadores presentes nos atos organizados por eles, em vez de apresentar e discutir uma pauta de reivindicações para os empresários e para o governo.