Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 31 de julho de 2010

Dilma Rousseff é recebida por mais de 10 mil pessoas em Curitiba!

Brizola Neto - Para ninguém dizer que eu não ajudo o Serra!


Para ninguém dizer que eu não ajudo o Serra

por Brizola Neto

A campanha de Serra na internet lançou a versão on-line dos “esquadrões serristas” que estão percorrendo o país em busca de “boatos” sobre o que ele considera mentiras a seu respeito.

Para não dizerem que eu só falo mal do “coiso”, já ofereço logo a minha contribuição sobre notícias falsas que se andam espalhando sobre o candidato tucano.

1- Serra está na frentes das pesquisas: Boato difundido por um certo instituto Datafolha, com sede na Av. Barão de Limeira, em São Paulo;

2- Serra é o pai dos genéricos: Notícia evidentemente falsa, uma vez que o próprio Serra acabou dizendo que “nem sabia que existia genérico” quando entrou no Ministério da Saúde. A fonte do boato é o programa de propaganda eleitoral do PSDB, como pode ser visto aqui ;

3- Serra defende a privatização: Boato espalhado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em entrevista ao site da revista Veja.;

4- Aécio Neves está fazendo corpo mole na campanha de Serra e se vingando da rasteira que tomou quando o ex-governador paulista vetou a realização de prévias no PSDB: A fonte desta matéria notóriamente inverídica é o jornal “A folha de São Paulo”, na sua edição de ontem;

5- O vice I. da Costa foi enfiado goela abaixo de José Serra: Mentira: Como o próprio Serra disse, da Costa é “um rapaz de quem eu gostava especialmente”, embora só o tenha encontrado uma vez antes da designação, assim mesmo numa mesa de churrascaria durante o jogo do Brasil com a Coréia do Norte. Todos sabem que a grita do DEM, as reuniões que vararam madrugadas, e o anúncio público de que o vice seria Álvaro Dias foram só brincadeirinha;

6- Os pedágios paulistas são caríssimos: Todos sabem que isso não passa de “trololó” dos petistas e do jornalista Heródoto Barbeiro, que perdeu seu emprego na TV cultura por espalhar a informação inverídica. O governador Geraldo Alckmin também é um dos boateiros, pois admitiu que é preciso rever o valor dos pedágios estaduais;

7- A cratera do metrô não foi resultado de obras male executada durante a gestão tucana: Qualquer criança sabe que ela foi destruída por um disparo de raio laser vindo de uma galáxia distante;

8- O Jardim Romano não passou quase dois meses debaixo de água: O alagamento das ruas na verdade foi uma obra performática para que os pobres pudessem ver o reflexo de sua própria situação.

9- Serra não é de esquerda: Calúnia. É uma afirmação que se desmonta com a simples constatação de que seus aliados são Paulo Maluf, Orestes Quércia, Kátia Abreu, os Bornhausen, Jair Bolsonaro, a Globo e a Folha.

10- José Serra têm chances de ganhar a eleição: Boato que qualquer Brasileiro sabe, não tem a menor possibilidade de ser verdade.

Link:

http://www.tijolaco.com/?p=21527

Campanha de Dilma resgatou o orgulho e a auto-estima dos militantes do PT!


Campanha de Dilma resgatou o orgulho e a auto-estima dos militantes do PT!

por Marcos Doniseti

Entendo que um dos principais fenômenos desta campanha presidencial é que a mesma levou a militância petista de volta às ruas, mostrando orgulhosamente a estrela, a camiseta e a bandeira do PT para que todos os vejam.

Em 2006, os militantes petistas ficaram meio que retraídos devido à toda a campanha midiática feita contra o governo Lula e o partido em função do caso do 'mensalão'.

Lula foi reeleito, é verdade, mas sem aquele entusiasmo que sempre caracterizou os militantes do partido. Parecia que Lula tinha sido reeleito mais para evitar um 'mal maior' do que por ter realizado um grande governo, embora tenha sido em seu primeiro mandato que Lula lançou as bases dos principais programas implantados no mandato atual e que é muito melhor avaliado pela população do que o primeiro.

Porém, no segundo governo de Lula, os resultados econômicos e sociais altamente positivos alcançados pelo mesmo, a inexistência de um caso do tipo do 'mensalão' ou de casos de irregularidades admiistrativas aamais graves durante o mesmo, bem como o grande aumento da popularidade do Presidente Lula e do seu governo, que também obteve um crescente e significativo reconhecimento internacional, tudo isso, somado, parece ter devolvido aos militantes petistas o orgulho de se exibirem para o mundo, sem medo de ser feliz novamente, ostentando de maneira altiva os principais símbolos do partido, como a bandeira, a camiseta e, principalmente, a estrela.

E o resultado é o que tem sido visto recentemente nas principações manifestações públicas da campanha de Dilma.

São milhares de pessoas participando da campanha de rua de Dilma e do PT e isso ocorre de tal maneira que ela mal pode participar das caminhadas, pois muitas pessoas querem ver Dilma, tirar uma foto dela ou filmá-la, chegando perto da candidata e ainda ter a oportunidade de cumprimentá-la. Em função do afluxo de milhares de pessoas aos atos da campanha de Dilma é que teve que ser criado o 'Dilmamóvel'.

Abaixo, envio algumas fotos das recentes manifestações que tivemos em SP, RJ, RS e Curitiba e que mostram, claramente, que o petista está novamente orgulhoso do seu partido e do governo do Presidente Lula e está mais entusiasmado do que nunca para batalhar pela vitória de Dilma e dos candidatos aliados nesta eleição.

O militante petista voltou a deixar bem claro, para o Brasil e o mundo, que não tem medo de ser feliz.

O verdadeiro discurso do PSDB, DEM e do PPS!


Ao contrário do que se pensa, o PSDB/DEM/PPS tem projeto de governo e de sociedade, sim, mas se eles explicarem, de forma detalhada, para o povo qual é este projeto eles não ganharão eleição nem para síndico de prédio.

Assim, comecei a imaginar como seria uma campanha eleitoral com os demotucanos falando aquilo que eles realmente pensam, mostrando o seu verdadeiro projeto político para a população. Entre outras coisas, eles diriam o seguinte:

1) Queremos privatizar e terceirizar tudo, arrochar os salários, espancar professores...

2) Vamos criminalizar os movimentos sociais, doar o patrimônio do povo para o capital internacional e fazer tudo o que o FMI mandar!

3) Temos muito orgulho do governo FHC, esse injustiçado, das privatizações maravilhosas, de colocar os juros em 45% ao ano.

4) Adoramos o Daniel Dantas, a quem ajudamos a 'comprar' estatais a preço de banana, no limite da irresponsabilidade.

5) Vamos acabar com o ProUni, com o PAC, com o Bolsa-Família e vamos invadir a Venezuela, a Bolívia e o Equador.

6) Vamos acabar com o Mercosul e iremos ressuscitar a ALCA.

7) Vamos declarar guerra ao Ahmadinejad e iremos ajudar Israel e os EUA a invadirem o Irã.

O PT mudou bastante. E não mudou nada - por Mario Marona!


O PT mudou bastante. E não mudou nada

Mário Marona

Já haviam decidido que o PT militante tinha acabado. Sete anos de exercício do poder teriam causado acomodação, acrescentado barriga e roubado barbas e fartas cabeleiras dos barulhentos petistas dos anos 80. De fato, poucos barbudinhos foram vistos no 4º Congresso Nacional do partido. Eles estão grisalhos, ou simplesmente carecas. Mas uma geração escanhoada e nem por isso menos ruidosa, que às vezes faz lembrar mais um acampamento do Campus Party do que as velhas e intermináveis assembleias do século passado, se comovia entoando palavras de ordem no lançamento da candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, na manhã deste sábado.

O PT mudou muito. Se nos anos 80 sonhava em chegar ao poder, hoje sonha em permanecer nele, pelo tempo que lhe for possível. O velho ruído da militância voltou porque o partido sabe que, desta vez, não há lugar para derrotas honrosas com Lula ou vitórias consagradoras com Lula. Desta vez, não há Lula lá. O PT vai precisar da militância embandeirada nas ruas, como nos velhos tempos.

O PT não mudou tanto assim. Continua celebrando a luta interna como uma de suas mais importantes catacterísticas. Escanhoados ou calvos, os integrantes das várias tendências do partido, não importa com que novas siglas, continuam brigando por suas bandeiras históricas – todas de esquerda, naturalmente, que aqui não é lugar de tucano.

O PT, na verdade, não mudou nada. Do embate entre suas tendências resultam conceitos, teses e propostas tão modernas e progressistas quanto, muitas vezes, inaplicáveis – não pelos adversários, mas pelo próprio PT quando está no poder. Em que partido de massas seria diferente?

Não se faz política com caderno de normas. Neste caso, é bastante simples a relação das centenas de milhares de filiados, de um lado, com o governo do partido, de outro: a gente empurra vocês para frente aqui e vocês vão fazendo o máximo possível por aí. Os quase 80% de aprovação do governo indicam que até agora funcionou. E como!

Link:

http://blogdobriguilino.blogspot.com/2010/07/o-pt-mudou-bastante-e-nao-mudou-nada.html

Luis Nassif: Serra e o choque de gestão em Minas!


Serra e o choque de gestão em Minas

por Luis Nassif

Demagogo! Por que não aplicou em São Paulo? No ano passado, fui jurado em um Prêmio de Qualidade em São Paulo. Na premiação, não havia governador, vice-governador ou qualquer representante seu. Era o mais importante prêmio de gestão do Estado. E nada do governador.

Criou uma Secretário de Gestão em São Paulo, entregou-a ao deputado Sidney Beraldo, parlamentar sério, e não lhe deu nenhuma ferramenta, não permitiu um trabalho inter-secretarias. Gestão é trabalho horizontal. Caberia à Secretaria definir regras a serem adotadas nas demais. Nada foi feito.

Empresários ligados a Serra, como Paulo Cunha, do grupo Ultra, bancaram do próprio bolso projetos de gestão no estado. Indague deles o resultado. Serra jamais se importou com qualquer projeto, jamais deu força a qualquer planejamento.

Dispondo dos melhores quadros de tecnologia do país, na Unicamp e na Fapesp, loteou a Agência de Desenvolvimento para o ex-governador Geraldo Alckmin - na tentativa de impedir que se bandeasse para Aécio, depois de tê-lo escorraçado nas eleições para prefeito. Matou qualquer programa de gestão, de inovação. Dizia que não precisava de programas de gestão porque sabia "fazer e acontecer".

Montei certa vez um Seminário Sobre Gestão Pública. Era constrangedor o que se fazia em São Paulo, comparativamente aos projetos de Minas e do Espírito Santos e às tentativas do Rio de Janeiro.

E agora vem com esse trololó. Pensa que engana a quem? O movimento pela qualidade, certamente não.

José Serra defende implantação de modelo do Choque de Gestão mineiro em âmbito federal

Candidato acredita que modelo mineiro será fundamental

para melhorar a gestão de recursos públicos no País

O candidato a presidente, o ex-governador José Serra, afirmou que o Choque de Gestão implantado em Minas Gerais no Governo Aécio Neves poderá ser adotado no âmbito federal. José Serra acredita que o modelo de política administrativa, que reduziu déficits financeiros e promoveu a retomada do crescimento da economia do Estado, é fundamental para melhorar a gestão federal e a qualidade dos serviços públicos em todo o país, garantindo novos avanços nas políticas sociais.

"Precisamos melhorar muito a gestão no âmbito federal. Em Minas, o lema era gastar menos com a máquina e mais com a população. Este é um resumo do que representa uma gestão eficiente, do que vamos implantar no Brasil. Isso vai melhorar muito a produtividade e o rendimento de cada Real que se gasta em nosso país, permitindo ampliar e melhorar os serviços que são fundamentais na área da saúde, segurança, educação, inclusive no ensino profissionalizante, e na infraestrutura", afirmou.

José Serra ressaltou que o Choque de Gestão foi responsável por importantes avanços na economia de Minas, que resultaram na melhor aplicação dos recursos do Governo do Estado. Este projeto, se implantado em âmbito federal, permitirá o aumento de investimentos em áreas essenciais.

"No caso de Minas, a questão das estradas é central. As estradas federais aqui não têm sido bem mantidas, não tem sido feito aquilo que Minas precisa, que o desenvolvimento do Brasil merece. Temos que melhorar o conjunto da gestão federal para poder avançar em todas essas áreas", afirmou José Serra.

Retomada dos investimentos

Adotado em 2003, o Choque de Gestão foi um conjunto de medidas administrativas implantado pelo Governo Aécio Neves para alcançar o equilíbrio financeiro e retomar os investimentos no Estado. Coordenada pelo governador Antonio Anastasia, à época secretário de Estado de Planejamento e Gestão, a política administrativa foi iniciada com a redução do número de secretarias e dos salários do governador e a diminuição de gastos de custeio desnecessários em vários setores.

Em menos de dois anos, as medidas adotadas zeraram o déficit orçamentário do Estado de R$ 2,4 bilhões anuais e possibilitaram um ciclo de crescimento nunca antes visto na história do Estado. Com as contas em ordem, o Governo de Minas passou a planejar efetivamente todas as suas ações de governo. Em 2009, o governo do Estado teve condições de aplicar R$ 10 bilhões em investimentos em áreas essenciais, como Saúde, educação, saneamento básico, segurança, entre outras.

Reconhecimento internacional

O equilíbrio financeiro também permitiu a Minas Gerais retomar negociações com organismos internacionais de fomento e obter financiamentos para investir em áreas prioritárias de governo como infraestrutura viária e combate à pobreza.

Em abril de 2007, o então governador Aécio Neves foi convidado a apresentar, em Washington, o modelo de gestão implantado em Minas Gerais para dirigentes e técnicos do Banco Mundial (Bird) de todo o mundo, durante a Conferência de Gestão Econômica e Redução da Pobreza do Banco Mundial (World PREM Conference). Em julho deste ano, durante visita do governador Antonio Anastasia ao Bird, o Governo de Minas foi convidado a colaborar com o projeto de cooperação que o Bird pretende firmar com o Governo do México ainda este ano. O modelo de gestão de Minas foi escolhido como referência para essa parceria.

Estado para Resultados

A partir dos avanços obtidos com o Choque de Gestão, o Governo de Minas implantou um novo modelo administrativo "Estado para resultados" que passou a organizar suas ações por áreas, garantindo à população serviços públicos de alta qualidade com menores custos. Em cada área, foram estipuladas metas e firmados acordos de resultados com secretarias e órgãos estaduais estabelecendo vantagens para os servidores que alcançarem os objetivos. Atualmente, todos os 250 mil servidores estaduais recebem prêmio por produtividade com resultados satisfatórios em todas as ações de governo.

Link:

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/serra-e-o-choque-de-gestao-em-minas?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Petista cresce onde tucano faz mais campanha!


Petista cresce onde tucano faz mais campanha

Análise: José Roberto de Toledo - O Estado de S.Paulo

Apesar de José Serra (PSDB) ter concentrado sua campanha no Nordeste nas últimas semanas, a vantagem de Dilma Rousseff (PT) na região aumentou. Em comparação à pesquisa anterior do Ibope, feita um mês atrás, a diferença pró-petista cresceu de 18 para 24 pontos porcentuais no eleitorado nordestino.

Ao fazer campanha na região, Serra deixa mais claro para o eleitor nordestino que ele é o candidato de oposição ao governo Lula. Por tabela, reforça a imagem de Dilma como a preferida do presidente. Uma hipótese a ser testada é que a campanha nordestina do tucano esteja provocando o efeito oposto ao esperado. É lá que Lula é mais popular. E é lá que Serra tem sua maior rejeição.

A intensidade do resultado de Dilma no Nordeste, onde chegou ao dobro da intenção de voto de Serra, é a principal responsável pela dianteira da petista no total do País. A grande frente aberta pelo tucano no Sul é compensada parcialmente por Dilma com os pontos de frente que abriu no Norte/Centro-Oeste. No Sudeste, onde o tucano tinha uma pequena dianteira, há agora empate técnico.

O resultado desfavorável a Serra no Ibope ocorre depois de o tucano ter intensificado as críticas ao governo Lula. Por influência do seu principal marqueteiro, o tucano passou a atacar pontos específicos da gestão petista, como a política exterior e a relação do PT com movimentos sociais que têm uma imagem negativa na classe média, como o MST.

A vantagem aberta por Dilma no Ibope pode ser apenas mais uma oscilação de uma parte do eleitorado que já foi para lá e para cá muitas vezes ao longo desta campanha. Um novo balanço do pêndulo. Mas há outros sinais negativos para Serra na pesquisa.

O principal deles é que cada vez mais eleitores acham que Dilma será eleita presidente, e cada vez menos apostam no tucano: 47% creem na vitória da petista, contra apenas 32% que jogam suas fichas em Serra. É um porcentual menor do que sua intenção de voto. Os eleitores de Serra estão menos confiantes do que os de Dilma.

É JORNALISTA ESPECIALIZADO EM ESTATÍSTICAS

Link:

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100731/not_imp588576,0.php

Emir Sader: Se tudo fosse igual!


Se tudo fosse igual

Há uma tese que corre em setores políticos distintos que, pelos equívocos que contém e pelas conseqüências desastrosas que gera, deve ser analisada com precisão. É a tese de que o PT e o PSDB seriam a mesma coisa, assim como os governos do FHC e do Lula.

A tese leva a uma espécie de “terceirismo” entre a direita e a esquerda, buscando definir uma eqüidistância em relação às candidaturas da Dilma e do Serra. Em 2006 essa posição levou a que alguns setores da esquerda propusessem o voto branco ou nulo diante da alternativa de Lula ou Alckmin, como se fosse igual para o Brasil qualquer um deles que fosse eleito.

Se os governos de FHC e Lula fossem iguais, a desigualdade teria diminuído e não aumentado durante o governo de FHC. Se fossem iguais, o extraordinário apoio popular que tem Lula teria sido dado também ao governo FHC que, ao contrário, terminou seu mandato com uma imensa rejeição da população brasileira.

Se fossem iguais, a reação do Brasil diante da mais grave crise econômica internacional desde 1929 teria sido a mesma de FHC em 1999: elevar a taxa de juros a 48%, pedir novo empréstimo ao FMI, assinar a corresponde Carta de Intenções (deles), cortar recursos das políticas sociais, aumentando a recessão e o desemprego, que levou o Brasil à uma profunda e prolongada recessão, de que só saímos no governo Lula.

Enquanto que o Lula reagiu diante da crise incentivando a retomada do crescimento da economia, baixando as taxas de juros, mantendo o poder aquisitivo dos salários, intensificando as políticas sociais, e fazendo assim que superássemos rapidamente a crise.

Se fossem iguais, não teria sentido a luta contra a ALCA – Área de Livre Comércio das Américas -, que FHC propugnava e que o governo Lula inviabilizou, para fortalecer os processos de integração regional. Dizer que são governos iguais ou similares é dizer que tanto faz privilegiar alianças subordinadas com os EUA ou aliar-se prioritariamente com os países do Sul do mundo, com os Brics entre eles.

Se fossem iguais os governos FHC e Lula, o Estado mínimo a que tinha sido reduzido o Estado brasileiro seria o mesmo que o Estado indutor do crescimento e a garantia da extensão dos direitos sociais da maioria pobre da população. O desenvolvimento, suprimido do discurso de FHC, foi resgatado como objetivo estratégico pelo governo Lula, articulado intrinsecamente a políticas sociais e de distribuição de renda.

Se fossem iguais, a maioria dos trabalhadores continuaria a não ter carteira de trabalho assinado, predominando o emprego informal sobre o formal. O poder aquisitivo dos salário teria continuado a cair, ao invés de ser elevado acima da inflação.

É grave que haja setores na esquerda que não consigam distinguir essas diferenças, entre a direita e a esquerda. Perdem a capacidade de identificar onde está a direita – o inimigo fundamental do campo popular -, correndo o grave risco de fazer o jogo dela, em detrimento da força e da unidade da esquerda.

Postado por Emir Sader

Link:

Ibope: 47% dos eleitores acreditam na vitória de Dilma! Aprovação pessoal do Presidente Lula chega a 85%! 2/3 afirmam que sua renda melhorou!


Ibope indica Dilma com 39% e Serra com 34% das intenções de voto
Sucessão.

Petista, que subiu três pontos porcentuais em relação à pesquisa realizada no fim de junho, alcançou o adversário na região Sudeste e ampliou sua vantagem no Nordeste; em um eventual segundo turno, a ex-ministra venceria por 46% a 40%

Daniel Bramatti - O Estado de S.Paulo

A petista Dilma Rousseff lidera a corrida presidencial com cinco pontos porcentuais de vantagem sobre seu adversário mais próximo, José Serra (PSDB), segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo.

Dilma subiu três pontos porcentuais desde a última pesquisa Ibope, realizada no fim de junho, e tem 39% das intenções de voto. Serra oscilou dois pontos para baixo e aparece com 34%. A candidata do PV, Marina Silva, é a preferida de 7% dos eleitores.

A diferença entre Dilma e a soma dos adversários (41%) é de dois pontos, dentro da margem de erro da pesquisa. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa obter mais votos do que os concorrentes somados.

Em um eventual segundo turno entre PT e PSDB, Dilma venceria por 46% a 40% se eleição fosse hoje.

Mulheres:

A vantagem da ex-ministra da Casa Civil chega a oito pontos (27% a 19%) na pesquisa espontânea - modalidade em que os eleitores manifestam suas preferências antes de ler a lista de candidatos.

Dilma tem 11 pontos a mais que Serra no eleitorado masculino (44% a 33%), e empata com o tucano entre as mulheres (35% a 35%). No levantamento anterior, o tucano tinha uma vantagem de sete pontos no eleitorado feminino.

Na divisão geográfica do eleitorado, a petista subiu de 32% para 37% no Sudeste e passou de uma desvantagem de cinco pontos para uma situação de empate técnico. O candidato do PSDB tem 35% no Sudeste, o maior colégio eleitoral do País.

No Nordeste, Dilma tem praticamente o dobro das intenções de voto do adversário (49% a 25%). Em um mês, sua vantagem na região se ampliou de 18 para 24 pontos.

No Norte/Centro-Oeste, houve uma inversão de posições: o tucano liderava por 41% a 33% e agora perde por 40% a 33%.

O Sul foi a única área em que Serra cresceu. Com 46% na região, sua vantagem sobre a adversária passou de 7 para 15 pontos.

Na simulação de segundo turno, o Sul é a única região em que Serra ficaria à frente (50% a 38%) se a votação fosse realizada hoje. Dilma colheria seu melhor resultado no Nordeste (55% a 32%) e ficaria com quatro pontos a mais que o rival no Sudeste e no Centro-Oeste. Com a distância de quatro pontos, os candidatos podem estar empatados no limite da margem de erro - dois pontos a mais em um caso e dois pontos a menos no outro. É um resultado possível, ainda que estatisticamente improvável.

Renda e rejeição:

Na divisão do eleitorado por renda, Dilma tem vantagem maior entre os mais pobres. Ela lidera por 38% a 28% entre os eleitores cuja renda familiar é de até um salário mínimo. Na faixa de renda de cinco salários ou mais, a petista aparece com 40% e Serra, com 36%.

O tucano está à frente no quesito rejeição - 24% dos eleitores afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. No caso de Dilma, 19% dão essa resposta.

O Ibope também mediu a expectativa de vitória. Quase metade do eleitorado (47%) acha que a petista será a sucessora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para 32%, o vencedor será Serra.

Governo:

O índice de aprovação ao governo Lula é de 77% - soma do eleitorado que considera a administração boa ou ótima. No Nordeste, 86% dos entrevistados veem o governo como ótimo ou bom.

Já o desempenho pessoal de Lula é aprovado por 85%. A nota média atribuída ao governo, em uma escada de zero a dez, foi de 7,9.

Quase um quarto dos entrevistados disseram ao Ibope que seu poder de compra "melhorou muito" nos últimos dois anos. Outros 43% responderam que "melhorou um pouco".

Em relação a quanto se paga de imposto no Brasil, 31% afirmaram que a situação piorou muito ou pouco, enquanto 26% disseram que houve melhora.

Em relação à saúde pública, 38% apontaram melhoras nos últimos dois anos. Para 32%, os serviços pioraram.

Agência Carta Maior/Ibope: Dilma lidera no Sudeste, Nordeste, Norte e no Centro-Oeste!


IBOPE: DILMA LIDERA NO SUDESTE, NO NORDESTE, NO NORTE E NO CENTRO-OESTE

da Agência Carta Maior

Exceto num país chamado 'Datafolha', Serra desce a ladeira e inspira rejeição no eleitorado brasileiro.

A tentativa de ocupar a vaga de Álvaro Uribe e trazer o belicismo de extrema-direita para a disputa política nacional não deu certo.

A exemplo do Vox Populi, o IBOPE desta 6º feira (Dilma 39% X Serra 32%) confirma: um em cada quatro brasileiros não votariam de jeito nenhum no político arestoso que agride como Uribe, mente como Carlos Lacerda e pode acabar como Cristiano Machado, o mineiro que impôs a sua candidatura ao PSD nas eleições presidenciais de 1950, sendo abandonado pelo próprio partido, que apoiou Vargas. Seu nome inspirou o termo "cristianização" para designar o candidato ‘escondido’ pelos companheiros de sigla, que temem o contágio tóxico de sua impopularidade nas próprias bases eleitorais.

O risco é cada vez maior para quem grudar seu nome no de Serra. Dados do último IBOPE:

a) a vantagem Dilma chega a oito pontos (27% a 19%) na pesquisa espontânea;

b) Dilma tem 11 pontos a mais que Serra no eleitorado masculino (44% a 33%), e empata com o tucano entre as mulheres (35% a 35%);

c) Dilma vence em todas as regiões, exceto no Sul, subiu de 32% para 37% no Sudeste contra 35% de Serra no maior colégio eleitoral do País;

e) no Nordeste, Dilma tem praticamente o dobro das intenções de voto do adversário (49% a 25%) ;

f) no Norte/Centro-Oeste, houve uma inversão de posições: o tucano liderava por 41% a 33% e agora perde por 40% a 33%;

g) a única área em que Serra cresceu foi a região Sul: tem 46% contra 32% de Dilma.

(Carta Maior; 31-07)

Brizola Neto: Serra e o logo da Copa-2014!


A sugestão foi do leitor Cesar e a brincadeira foi adaptada por nós de uma charge que anda circulando na internet. Não sei quem é o autor, por isso não credito. O logo da Copa é muito feio, como tenho dito, mas nesta situação, fica lindo!

Link:

http://www.tijolaco.com/?p=21489

Ibope: Dilma ultrapassa Serra no Sudeste e aumenta vantagem sobre tucano no Nordeste, Norte e Centro-Oeste!


Dilma cresceu em todas as regiões, menos no Sul

Do blog de Cristiana Lôbo, no blog do Noblat

A pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira mostra que o PT atingiu o objetivo estabelecido: o de levar a candidata Dilma Rousseff à dianteira nas pesquisas eleitorais até o início do propaganda na televisão, que vai começar dia 17. Dilma abriu uma diferença de cinco pontos porcentuais sobre José Serra – 39% a 34%. Segundo a pesquisa, Dilma subiu três pontos e Serra caiu dois pontos porcentuais.

Segundo dados da pesquisa, Dilma subiu nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste. Apenas na região Sul José Serra recuperou pontos, onde subiu de 42% para 46% das intenções de votos, contra Dilma que perdeu quatro pontos – de 35% para 31%. Esta é a única região em que Serra está na frente.

A principal virada de Dilma foi na região Sudeste – a mais populosa, com 58,9 milhões de eleitores ou 43,3% do eleitorado. Nesta região que reúne os Estados do Rio, Minas e São Paulo, Dilma fica com 37% das intenções de votos contra 35% para Serra que, aliás, se segura em São Paulo, mas perde a dianteira para Dilma em Minas. Ela ainda abre vantagem de 19 pontos porcentuais sobre Serra no Rio de Janeiro – terra do vice de Serra, Índio da Costa. Dilma ainda avança sobre o eleitorado de Serra nas regiões Norte e Centro-Oeste – ela sobe 5 pontos porcentuais e Serra perde.

A esta altura da campanha, portanto, vê-se que Dilma superou a marca do PT que era de algo em torno de 33%. Com 39% das intenções de votos, ela está agregando votos que lhe são transferidos pelo presidente Lula – por exemplo, da faixa dos menos escolarizados e voto feminino, eleitorado nitidamente beneficiado pelos programas sociais do governo.

Este cenário favorável à Dilma chega antes da prometida presença maciça do presidente Lula nos programas eleitorais de televisão. Até agora, a oposição avaliava que estava se esgotando o potencial de transferência de votos de Lula para Dilma.

O PT, agora, considera que Dilma pode alcançar a marca de 70% dos votos válidos na região Nordeste, onde a aprovação do presidente Lula é mais alta – em alguns municípios supera os 90% dos consultados, conforme as pesquisas. Nesta pesquisa Ibope, Lula é aprovado por 77% dos consultados em todo o país, mas com diferença maior no Norte e Nordeste.

A subida de Dilma na região Sudeste, particularmente, em Minas explica a iniciativa do tucano de abrir comitês eleitorais na terra de Aécio Neves. Lá, segundo o coordenador da campanha petista junto aos prefeitos municipais, Márcio Lacerda, pegou entre prefeitos o voto “dilmasia” – em Dilma para a presidência e em Anastasia para o governo Estadual.

Anastasia também subiu na pesquisa, mas continua atrás de Hélio Costa (PMDB). O placar lá é de 39% para Costa e 21% para Anastasia. No Rio, também, Dilma abriu uma diferença de 19 pontos porcentuais sobre Serra.

Em São Paulo, Dilma também subiu na pesquisa, mas José Serra mantém a dianteira no Estado. A diferença entre eles, agora, é de 11 pontos porcentuais – em números absolutos, inferior a 3 milhões de votos. Pelos cálculos do PT, bastaria ao partido reduzir a vantagem de Serra para menos de 4 milhões de votos para obter um bom desempenho na campanha eleitoral.

Link:

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/07/31/dilma-cresceu-em-todas-as-regioes-menos-no-sul-312641.asp

Filho de Álvaro Uribe é investigado por compra de votos para aprovar a reeleição em favor do papaizinho querido!


FILHO DE URIBE SERÁ INVESTIGADO

da Folha de S.Paulo

Tomás Uribe é acusado de tráfico de influência na indicação de donos de cartórios. O presidente negou a denúncia e acusou a Suprema Corte de "mau exemplo". A decisão é parte de processo sobre propinas pagas a parlamentares para que aprovassem emenda que permitiu a reeleição de Uribe em 2006.

Link:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft3107201003.htm

Comércio no Mercosul deve somar US$ 41 bi em 2010, diz embaixador brasileiro!


Comércio no Mercosul deve somar US$ 41 bi em 2010, diz embaixador

Há oito anos, comércio da região somava US$ 9 bilhões.
Maior parte do comércio ocorre entre o Brasil e a Argentina.

Agencia Estado

Apesar dos constantes contratempos e discussões públicas entre os membros do Mercosul, o comércio dentro do bloco está crescendo e deve somar US$ 41 bilhões neste ano, de acordo com o embaixador do Brasil na Argentina, Enio Cordeiro. Isso em comparação a um comércio de US$ 9 bilhões em 2002 e de US$ 4,5 bilhões em 1991, quando o bloco foi criado.

"Felizmente, o Mercosul está mostrando muita vitalidade", disse Cordeiro, acrescentando que o objetivo do bloco é tornar-se uma área de livre comércio e um mercado comum dentro de quatro anos. Segundo o embaixador, a maior parte do comércio ocorre entre o Brasil e a Argentina e, recentemente, as empresas brasileiras investiram mais de US$ 10 bilhões no país vizinho, enquanto os argentinos investiram US$ 4 bilhões no Brasil.

No entanto, como em muitos relacionamentos, a união entre os dois países às vezes passa por obstáculos. Executivos de redes de supermercado da Argentina afirmaram recentemente que o secretário de Comércio, Guillermo Moreno, pediu em uma reunião que essas empresas parassem de importar alguns produtos do Brasil e de outras nações.

Segundo os importadores, Moreno espera com isso estimular um superávit na balança comercial argentina. O pedido, no entanto, nunca foi formalizado, o que permite à presidente do país, Cristina Kirchner, afirmar que não há restrições à entrada de bens brasileiros. Cordeiro disse que esses obstáculos são algo normal dentro das negociações comerciais.

"Todas as vezes em que há comércio entre dois países, haverá conflitos", avaliou. "Eu não dramatizaria esses conflitos. Isso não é um problema. Seria um problema se não tivéssemos a disposição para resolver conflito, e nós temos essa disposição." Ele acrescentou que o comércio entre Brasil e Argentina cresceu 50% no primeiro semestre deste ano na comparação com igual período do ano passado.

Embora os dois países tenham resolvido diversas disputas ao longo dos últimos anos, o Mercosul como um todo encontra dificuldades para chegar a um consenso sobre regras alfandegárias comuns - pré-requisito para a criação de uma verdadeira área de livre-comércio. "Não acho que será possível concluir um acordo sobre um código aduaneiro na reunião de cúpula", que ocorrerá nos próximos dias, afirmou Cordeiro. "Isso levará mais tempo."

Link:

http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/07/comercio-no-mercosul-deve-somar-us-41-bi-em-2010.html


Meu Comentário!

O comércio entre os países membros do Mercosul passou de US$ 8 Bilhões para US$ 41 bilhões em apenas 8 anos (acumulando um crescimento de 413%) e mesmo assim o Serra disse que o Mercosul é 'uma farsa'.

Pode uma coisa dessas?

EUA completam um ano sem recessão, mas economia ainda sofre! Taxa de desemprego é de 9,6%!


EUA completam um ano sem recessão, mas economia ainda sofre

PIB do país completou quatro trimestres de expansão.
Desemprego ainda é mais do dobro da mínima recorde.

Do G1, em São Paulo

A economia dos Estados Unidos completou, em junho, um ano de recuperação, após a pior recessão desde a década de 1930. Segundo dados do Departamento do Comércio, o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu 2,4% no segundo trimestre deste ano, completando quatro trimestres de expansão.

A maior economia do mundo, no entanto, ainda patina. Os indicadores mostram que as condições econômicas seguem distantes das vistas antes do início da crise financeira, ainda em 2008.

O dado mais preocupante é o desemprego: em junho deste ano, 9,6% da população economicamente ativa estava sem emprego (dados sem ajuste sazonal) – mais do dobro da taxa de 4,3% registrada em 2007, a mínima recorde do indicador. Desde o início da recessão nos EUA, em dezembro de 2007, a economia americana perdeu 8,4 milhões de postos de trabalho.

A Casa Branca reconhece a preocupação: "a sólida taxa de crescimento indica que o processo de recuperação constante da recessão continua", afirmou a porta-voz do governo nesta sexta-feira. "No entanto, é preciso um crescimento mais rápido para conseguir reduções substanciais no desemprego".

O próprio PIB traz dados que apontam para uma recuperação lenta. De abril a junho, as importações – que pesam negativamente sobre o PIB – tiveram crescimento de 28,8%, após uma alta de 11,2% no trimestre anterior. As exportações cresceram 10,3%, abaixo da taxa de 11,4% registrada em janeiro e março.

Os investimentos, por sua vez, tiveram forte expansão, de 17%, quase o dobro da registrada no trimestre anterior, apontando para bases mais sólidas para o crescimento futuro.

A indústria também segue distante do patamar pré-crise. Nos 12 meses até junho deste ano, a produção do setor acumulou alta de 8,2%, segundo dados do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Nos 12 meses anteriores, no entanto – até junho de 2009 – a contração ficara em 13,6%.

Link:


http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/07/eua-completam-um-ano-sem-recessao-mas-economia-ainda-sofre.html

Ricardo Kotscho: "Como fica o Datafolha?"; Resposta: completamente desmoralizado, é claro!


O jornalista e blogueiro Ricardo Kotscho lançou a seguinte questão em seu blog: “Ibope desempata pró Dilma: como fica o Datafolha?”

A minha resposta para ele foi a seguinte:

Marcos Doniseti disse:

31/07/2010 às 8:47

Como fica o Datafolha, Ricardo?

Simples: Completamente desmoralizado!

Enquanto isso, o prestígio e a credibilidade do Sensus e do Vox Populi subiram que nem foguete, pois foram estes dois institutos que anteciparam todas as mudanças e tendências desta campanha eleitoral mostrando, muito antes do Ibope e do Datafolha, a queda de Serra e a ascensão e a atual liderança de Dilma. Aliás, no Datafolha esse fenômeno (queda de Serra e liderança de Dilma) ainda não aconteceu.

Talvez até a posse da Dilma na Presidência da República o Datafolha já terá atualizado as suas pesquisas. Vamos torcer!

Outra coisa: Dilma vencerá a eleição com, no mínimo, 60% dos votos válidos.

Quem viver, verá!

Link:

http://colunistas.ig.com.br/ricardokotscho/2010/07/30/ibope-desempata-pro-dilma-como-fica-o-datafolha/comment-page-1/#comment-276285

Ibope/DF: Roriz lidera com 38%; Agnelo (PT) tem 27%; Cristovam (PDT-39%) e Rollemberg (PSB-24%) lideram disputa para o Senado!


1) Ex-governador Joaquim Roriz lidera disputa pelo governo do DF

Ele tem 38% das intenções de voto, seguido de Agnelo, com 27%.
Na corrida pelo Senado, Cristovam Buarque tem 39% e Rollemberg, 24%.

Do G1, em Brasília

O ex-governador Joaquim Roriz (PSC) lidera a disputa pelo governo do Distrito Federal com 38% das intenções de voto, de acordo com pesquisa Ibope encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo". O ex-ministro do Esporte Agnelo Queiroz (PT) aparece em segundo, com 27%. Toninho do PSOL (PSOL) somou 1%.

Eduardo Brandão (PV), Frank (PCB), Newton Lins (PSL), Ricardo Machado (PCO) e Rodrigo Dantas (PSTU) não alcançaram 1%. De acordo com a pesquisa, indecisos somaram 19% e brancos e nulos, 14%.

As respostas foram à pesquisa estimulada –em que o entrevistador mostra um cartão com os nomes dos candidatos.

A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada entre os dias 26 e 29 de julho. O Ibope entrevistou 1.610 eleitores acima de 16 anos.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) com o número 22815/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número 20796/2010.

Senado

O Ibope também divulgou pesquisa sobre a intenção de voto para senador. Cristovam Buarque (PDT) lidera a disputa, com 39% das intenções de voto, seguido de Rollemberg (PSB), com 24%. Abadia (PSDB) tem 20% e Fraga (DEM) 10%.

Chico Sant’anna (PSOL), Jorge Antunes (PSOL), PR Milton Tadashi (PTN), Moacir Bueno (PV), Robson (PSTU) e Rosana Chaib (PCB) atingiram 1% das intenções de voto cada. Cadu Valadares (PV), Geronimo (PSL) e Gilson Dobbin (PCO) não atingiram 1% das intenções.

Votos brancos s nulos somam 22% e indecisos, 50%.

Link:

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/07/ex-governador-joaquim-roriz-lidera-disputa-pelo-governo-do-df.html

Ibope/PE: Eduardo Campos chega a 60%! Para o Senado, petista Humberto Costa e Marco Maciel lideram com folga!


1) Ibope: Eduardo Campos venceria no 1º turno em Pernambuco

Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo aponta que o atual governador venceria com 60% dos votos. Jarbas Vasconcelos aparece com 24%

iG São Paulo

A pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada hoje aponta vitória em primeiro turno do atual governador de Pernambuco e candidato à reeleição, Eduardo Campos (PSB), com 60% das intenções de voto. As informações são do Estadão.com.br.

O segundo colocado é o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), com 24% das intenções de voto. Anselmo Campelo (PRTB) e Edilson Silva (PSOL) têm 1% cada. Jair Pedro (PSTU), Roberto Numeriano (PCB) e Sérgio Xavier (PV) não pontuaram. Brancos e nulos são 5% e 8% estão indecisos.

Em Pernambuco, o Ibope realizou 1806 entrevistas entre os dias 26 e 29 de julho. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) sob protocolo nº 34524/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral sob protocolo nº 20803/2010, segundo o Estadão. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

No último dia 24 de julho, a pesquisa Datafolha também apontou vitória de Campos no primeiro turno. Com o apoio da presidenciável petista, Dilma Rousseff, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Campos tem o maior índice de aprovação entre governadores do País.

Link:


http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/ibope+eduardo+campos+venceria+no+1+turno+em+pernambuco/n1237733318218.html



2) Humberto Costa e Marco Maciel lideram disputa pelo Senado em PE

Petista tem 44% das intenções de voto, contra 43% de senador do DEM.
Armando Monteiro (PTB) tem 27%, e Raul Jungmann (PPS), 12%.

Do G1, em São Paulo

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (30) sobre a intenção de voto para o Senado em Pernambuco mostra o ex-ministro Humberto Costa (PT) com 44% das intenções de voto e o senador Marco Maciel (DEM) com 43%. A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo". Veja os resultados da pesquisa estimulada:

CANDIDATOS - INTENÇÕES DE VOTO:

Humberto Costa (PT) 44%;
Marco Maciel (DEM) 43%;
Armando Monteiro (PTB) 27%;
Raul Jungmann (PPS) 12%;
Helio Cabral (PSTU) 2%;
Renê Patriota (PV) 2%;
Simone Fontana (PSTU) 2%;
Jeronimo Ribeiro (PSOL) 1%;
Délio Mendes (PCB) 0%;
Lairson Lucena (PRTB) 0%;
Citou apenas um candidato 20%;
Branco/ Nulo 14%;
Indecisos 32%.

Em outubro, dois terços das cadeiras no Senado serão renovados, o que ocorre a cada oito anos. Por conta disso, cada eleitor terá que votar em dois candidatos ao Senado.

A margem de erro máxima estimada é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram realizadas 1.806 entrevistas entre os dias 26 e 29 de julho. A pesquisa está registrada no TRE/PE sob protocolo número 34524/2010 e no TSE sob número 20803/2010.

Link:

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/07/humberto-costa-e-marco-maciel-lideram-disputa-pelo-senado-em-pe.html

Ibope/MG: Hélio Costa cai 5 pontos e tem 39%, contra 21% de Anastasia, que sobe 3 p.p.! Aécio e Itamar lideram para o Senado!


1) Ibope: Hélio Costa lidera corrida pelo governo de Minas com 39%

O candidato do PMDB é seguido pelo tucano Anastasia, que tem 21% da preferência do eleitorado

iG São Paulo

Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta sexta-feira (30) mostra que o candidato do PMDB, Hélio Costa, continua na liderança da corrida pelo governo de Minas. O candidato tem 39% das intenções de voto, seguido por Antonio Anastasia (PSDB), que registrou 21% da preferência do eleitorado.

Vanessa Portugal (PSTU) aparece com 2%, enquanto os candidatos Professor Luiz Carlos (PSOL), Pepê (PCO), Fabinho (PSB) e Edilson Nascimento (PT do B) estão empatados na pesquisa com 1%.

Os eleitores que se declaram indecisos somam 25% e os que declaram a opção pelo voto branco ou nulo chegaram a 8% dos entrevistados.

O Ibope ouviu 1.806 pessoas entre os dias 26 e 29 de julho. A pesquisa foi registrada no TRE/MG sob o nº 54379/2010 e no TSE sob o nº 20792/2010. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Link:


http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/ibope+helio+costa+lidera+corrida+pelo+governo+de+minas+com+39/n1237733317619.html



2) Ibope: Aécio tem 70% de intenção de votos para o Senado

O tucano é seguido por Itamar Franco (39%) e pelo petista Fernando Pimentel, que tem 18% das intenções de voto em Minas Gerais

iG São Paulo

O ex-governador de Minas, Aécio Neves (PSDB) aparece na frente da corrida para as duas vagas de senador pelo Estado de Minas Gerais, segundo a pesquisa Ibope/Estado/TvGlobo. O tucano tem 70% da preferência do eleitorado, seguido pelo ex-presidente Itamar Franco (PPS), que tem 39%.

O petista Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte, aparece na terceira colocação da pesquisa com 18% das intenções de voto, na frente de Marilda Ribeiro (PSOL) que tem 2%.

Os candidatos Alfredo (PRB), Betão (PCO), Efraim Moura (PSTU), José João da Silva (PSTU), Miguel Martini (PHS), Mineirinho (PSOL) e Rafael Pimenta (PSB) aparecem empatados com 1% da preferência do eleitorado. Zito Vieira (PC do B) não pontuou.

A sondagem do Ibope apurou ainda que 11% do eleitorado declararam votar branco ou nulo, enquanto 29% se disseram indecisos.

O instituto Ibope ouviu 1806 pessoas entre os dias 26 e 29 de julho. A pesquisa foi registrada no TRE/MG sob o nº 54379/2010 e no TSE sob o nº 20792/2010. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Link:

http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/ibope+aecio+tem+70+de+intencao+de+votos+para+o+senado/n1237733331246.html

Ibope/SP: Alckmin chega a 50% e Mercadante tem 14%, contra 9% de Russomano! Marta lidera para o Senado com 31%!


1) Ibope: Alckmin venceria no 1º turno em SP

Pesquisa dá 50% das intenções voto ao tucano, contra 14% de Mercadante

iG São Paulo

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, venceria a disputa no primeiro turno se a eleição fosse hoje, aponta pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta sexta-feira. O ex-governador (2011-2006), que tenta o seu terceiro mandato, chega a 50% das intenções de voto.

O segundo colocado é Aloizio Mercadante (PT), candidato apoiado pelo presidente Lula, que tem 14% da preferência do eleitor, seguido por Celso Russomano (PP), com 9%.

Fábio Feldmann (PV), Paulo Búfalo (PSOL) e Paulo Skaf (PSB) somam apenas 1% cada – os demais candidatos Luiz Carlos Prates, o Macha (PSTU), Igor Grabois (PCB) e Anaí Caproni (PCO) não pontuaram. Segundo o levantamento, 13% dos eleitores paulistas ainda estão indecisos, enquanto 10% pretendem votar em branco ou nulo.

A pesquisa, registrada sob número 20791/2010 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ouviu 1.204 eleitores no Estado e tem margem de erro de três pontos percentuais.

Link:

http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/ibope+alckmin+venceria+no+1+turno+em+sp/n1237733307620.html


2) Marta lidera corrida para o Senado em SP

Ex-prefeita tem 31% das intenções de voto em pesquisa Ibope; levantamento mostra empate técnico para a segunda vaga do Senado

iG São Paulo

A ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy (PT) lidera a corrida para o Senado em São Paulo. Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo mostra a petista com 31% das intenções de voto somadas para uma das duas vagas de senador em disputa neste ano.

O levantamento aponta empate técnico entre os candidatos para a segunda vaga, já que a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O ex-governador Orestes Quércia (PMDB), tem 20% da preferência do eleitor, seguido pelo senador Romeu Tuma (PTB), com 19%. Netinho de Paula (PC do B), apoiado pelo presidente Lula no Estado, na mesma chapa de Marta Suplicy e Aloizio Mercadante (candidato a governador), vem logo atrás, com 18% - mesma pontuação obtida por Ciro Moura (PTC).

Para esta disputa, no entanto, o Ibope aponta que mais de um terço dos eleitores (36%) ainda está indeciso. Outros 25% entrevistados afirmaram que vão votar em branco ou nulo.

Os outros candidatos que pontuaram são Moacir Franco (PSL), com 5%, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), com 4%, e Ana Luiza (PV), com 3%. Dirceu Travesso (PSTU) e Alexandre Serpa (PSB) somam 2% cada.

João André Dorta (PCO), Marcelo Henrique (PSOL), Mazzeo (PCB), Ricardo Young (PV), Ernesto Pichler (PCB), Toni Curiati (PP) somaram, cada um, 1% dos votos.

A pesquisa, divulgada nesta sexta-feira, ouviu 1.204 eleitores do Estado entre os dias 27 e 29 de julho e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo nº 20791/2010.

Link:


http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/marta+lidera+corrida+para+o+senado+em+sp/n1237733330945.html

Ibope/RJ: Sérgio Cabral tem 58%, contra 14% de Gabeira! Para o Senado, César Maia e Crivella tem 37% cada!


1) Rio: Cabral seria reeleito no 1º turno

Atual governador do Estado tem 44 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, Fernando Gabeira

Com 58% das intenções de voto, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), seria reeleito em primeiro turno no Estado, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada hoje. Em segundo lugar aparece o deputado Fernando Gabeira (PV) com 14%, seguido por Eduardo Serra (PCB), com 2%. Também pontuaram Cyro Garcia (PSTU) e Fernando Peregrino (PR), que aparecem com 1%.

O número de indecisos ficou em 11%, enquanto votos brancos e nulos somam 12%. A margem de erro é de três pontos percentuais.

A pesquisa foi feita entre os dias 27 e 29 de julho, com 1.204 entrevistados, e está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro sob o nº 62.183/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com protocolo nº 20797/2010.

Link:

http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/rio+cabral+seria+reeleito+no+1+turno/n1237733317954.html


2) Rio: Maia e Crivella estão empatados na disputa ao Senado

Candidatos do DEM e do PRB têm 37% das intenções de voto; indecisos ainda somam 32%

iG São Paulo

A disputa pelo Senado está acirrada no Rio de Janeiro, segundo levantamento Ibope/Estado/TV Globo divulgada hoje. A pesquisa estimulada mostra César Maia (DEM) e Marcelo Crivella (PRB) empatados com 37%. Na sequência, aparece o petista Lindberg Farias, com 21%, e Jorge Picciani (PMDB), com 11%.

Também pontuaram Marcelo Cerqueira (PPS), que obteve 7% das intenções de voto, Milton Temer (PSOL) e Waguinho (PT do B), com 4% cada um. Carlos Dias (PT do B) aparece com 2%. Claiton (PSTU) e Wladimir Mutt (PCB) têm 1%.

A pesquisa mostra que 23% pretendem votar em branco ou nulo, e 32% ainda estão indecisos. E 19% dos entrevistados citaram apenas um candidato ao Senado.

Realizada entre os dias 27 e 29 de julho, com 1.204 entrevistados, a pesquisa tem margem de erro de três pontos percentuais. O registro foi feito no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro sob o nº 62.183/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com protocolo nº 20797/2010.

Link:


http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/rio+maia+e+crivella+estao+empatados+na+disputa+ao+senado/n1237733327143.html

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Discurso de Lula em Porto Alegre - 29 de julho (parte 1)

Discurso de Lula em Porto Alegre - 29 de julho (parte 2)

Discurso de Lula em Porto Alegre - 29 de julho (parte 3-final)

Mais de 10 mil pessoas lotam Gigantinho para ver Dilma e Lula

Ibope mostra Dilma com 39% e Serra com 34% na corrida pela Presidência! Em votos válidos, Dilma chega a 49%!


Ibope mostra Dilma com 39% e Serra com 34% na corrida pela Presidência

Marina Silva aparece com 7% das intenções de voto.

Margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Do G1, em São Paulo

A candidata Dilma Rousseff (PT) lidera com cinco pontos percentuais à frente de José Serra (PSDB), segundo pesquisa Ibope de intenção de voto para presidente da República divulgada nesta sexta (30) pela TV Globo. De acordo com a pesquisa, Dilma tem 39% das intenções de voto; José Serra (PSDB), 34%; e Marina Silva (PV), 7%.

O Ibope ouviu 2.506 eleitores com mais de 16 anos em 174 municípios de segunda (26) a quinta (29). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Isso quer dizer que Dilma pode ter entre 37% e 41%; José Serra, entre 32% e 36%; e Marina Silva, entre 5% e 9%.

Nos levantamentos anteriores do Ibope, Dilma tinha 37% na pesquisa de 31 de maio a 1 de junho; 38% na de 18 a 21 de junho; 36% na de 27 a 30 de junho; e 39% agora. Serra tinha 37%, passou a 32%, depois foi para 36% e agora para 34%. Marina tinha 9%, passou a 7%, foi a 8% e agora voltou para 7%.

Dentre os demais candidatos - Eymael (PSDC), Ivan Pinheiro (PCB), Levy Fidelix (PRTB), Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) -, nenhum alcançou 1% das intenções de voto. Os eleitores que responderam que votarão em branco ou nulo somaram 7% e os que se disseram indecisos, 12%.

A pesquisa foi encomendada ao Ibope pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 20809/2010.

Segundo turno

Na simulação de um eventual segundo turno entre Dilma e Serra, o Ibope apurou que a petista teria 46% (considerando a margem de erro, tem de 44% a 48%) e Serra, 40% (de 38% a 42%). Votariam nulo ou em branco 6% dos eleitores. Os que se disseram indecisos somam 8%.

Na virada de maio para junho, Dilma tinha 42%. Depois, foi a 45%, a 43% e agora tem 46%. Serra tinha 42%, foi a 38%, depois 43% e agora 40%.

Avaliação do governo

A pesquisa também mostrou como os eleitores avaliam o governo Lula. Para 77%, o governo é ótimo ou bom; para 18%, regular; para 4%, ruim ou péssimo. Dentre os entrevistados, 1% não souberam ou não responderam.

Link:


http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/07/ibope-mostra-dilma-com-39-e-serra-com-34-na-corrida-pela-presidencia.html

Ibope- dos blogs do Nassif e do Noblat: Dilma abre 5 pontos de vantagem sobre Serra! No 2o. turno, vantagem de Dilma sobe para 6 pontos!


Do blog do Noblat:

Ibope - Dilma 5 pontos na frente de Serra

O DataPolvo, instituto de pesquisas deste blog, e que trabalha em parceria com os demais institutos, informa em edição extraordinária: Dilma abriu cinco ontos de vantagem em cima de Serra, segundo o Ibope.

Atualização:

O Nassif publicou no blog dele os seguintes resultados para a pesquisa Ibope:
Dilma 39%
Serra 34%.

No 2o. turno, Dilma abriu 6 pontos de vantagem sobre o candidato tucano.

O Noblat acabou de atualizar o blog dele, confirmando os resultados apresentados pelo Nassif.

Links:


http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=ibope-dilma-5-pontos-na-frente-de-serra&cod_post=312512&a=111



http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/ibope-o-jacare-abriu-a-boca


http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/07/30/ibope-dilma-39-serra-34-312542.asp


Meu Comentário:

E agora, Datafolha?

Pesquisa Vox Populi mostra que Dilma ainda é desconhecida para 37% dos brasileiros!


Entre outros dados interessantes, a nova pesquisa Vox Populi, que foi divulgada na sexta-feira da semana passada, dia 23/07, e apontou Dilma com 8 p.p. de vantagem sobre Serra (41% x 33%) mostrou outros dados interessantes, que posto a seguir:

1) Grau de conhecimento dos candidatos:

Dilma:

Não Conhece - 6%.

Conhece só de nome/conhece só de ouvir falar - 31%.

Somando estes 2 itens, ainda temos 37% de eleitores que sabem muito pouco a respeito de Dilma. No caso de Serra este índice atinge 26% (24% que o conhecem só de nome/só de ouvir falar e outros 2% que não o conhecem).

E é no Nordeste que Dilma atinge o seu maior grau de desconhecimento entre o eleitorado, chegando a 46% nestes 2 itens (38% a conhecem só de nome e outros 8% não a conhecem). Serra chega a 35% de desconhecimento entre os eleitores nordestinos (33% e 2%).

No Norte, este índice de desconhecimento, para Dilma, é de 44% (37% e 7%, respectivamente).

Mesmo no Sudeste, Dilma ainda é desconhecida para 34% dos eleitores (28% e 6%, respectivamente). Serra é desconhecido para 21% dos eleitores da região.

Assim, o potencial de crescimento de Dilma é maior do que o de Serra, sem dúvida alguma.

Entre os eleitores que ganham até 1 salário mínimo mensal, Dilma ainda é desconhecida para 53% dos mesmos, com 43% dizendo que a conhecem 'só de ouvir falar' e outros 10% dizendo que 'não a conhecem'. Para Serra, este índice é de 39%(37% e 2%, respectivamente).

2) Imagem dos candidatos:

Os eleitores que tem uma imagem 'muito positiva' de Dilma são 18%. E aqueles que possuem uma imagem 'positiva' dela chegam a 36%, totalizando 54%. No caso de Serra o total dá 48% (10% e 38%, respectivamente).

3) Voto espontâneo:

Dilma - 28%;
Serra - 21%;
Marina - 5%;
Candidato do Lula - 4%;
Candidato do PT - 1%.
Outros - 2%.

Somando Dilma com 'candidato do Lula' e com 'candidato do PT' dá 33%, ou seja, 12 pontos de vantagem de Dilma sobre Serra.

No item 'renda familiar', a maior vantagem de Dilma sobre Serra se dá entre que ganham 'até 1 salário mínimo mensal', com 26% a 17%. E vejam que é justamente entre estes eleitores que Dilma é mais desconhecida (ver item anterior).

4) Voto estimulado por Região do país:

Nordeste:
Dilma - 54%;
Serra - 24%.

Norte:
Dilma - 39%;
Serra - 26%.

Centro-Oeste:
Dilma - 40%;
Serra - 39%.

Sudeste:
Dilma - 34%;
Serra - 36%.

Sul:
Dilma - 35%;
Serra - 39%.


5) Voto estimulado (por renda familiar):

Até 1 salário mínimo mensal:
Dilma 44%
Serra 31%.

De 1 a 5 salários mínimos:

Dilma 42%;
Serra 34%;

Mais de 5 salários mínimos:

Dilma 37%;
Serra 38%.

6) Voto estimulado nos 2 turnos:

1o. turno:
Dilma 41%;
Serra 33%;
Marina 8%;
Outros 1%.

2o. turno:
Dilma 46%;
Serra 38%.


Link:


http://www.voxpopuli.com.br/eleicoes_2010/Relatorio_final_PP004_10_Band.pdf

Comentários twitteiros!


1) Nesta semana, a Folha já criticou Alckmin e Aécio pelo fato deles não ajudarem na campanha de Serra. Logo,nem a Folha acredita no Datafolha!

2) A Folha age como integrante do comando de campanha de Serra. Pelo jeito o Tavinho já percebeu que não pode mais usar o Datafolha para ajudá-lo...

3) A 'Folha' já usou e abusou da credibilidade do Datafolha nesta campanha e agora está pressionando Alckmin e Aécio para ajudar Serra.

4) O Tavinho já deve ter dito para o Serra: "O que eu podia fazer por você, eu já fiz. Agora é com o Alckmin e com o Aécio. Senão, já era...".

5) Alguém precisa explicar ao Serra que Lula dialoga com Ahmadinejad a fim de encontrar 1 solução pacífica para a questão nuclear.Não é apoio!

6) Dialogar com alguém é uma coisa. Apoiá-lo é outra, totalmente diferente. Mas, Serra não sabe disso, coitado!

7) Serra tem que explicar porque FHC condecorou o Ditador do Peru, Alberto Fujimori, que hoje cumpre pena de 25 anos de prisão em seu país.

8) Serra tem que explicar porque integrantes do PSDB foram até Honduras dar apoio ao Ditador Micheletti, que chegou ao poder por um Golpe de Estado.

9) Afinal, Serra e os tucanos são favoráveis a Golpes de Estado? Não? Então, porque os tucanos apoiaram o Golpe de Estado em Honduras?

10) Serra/PSDB/DEM ficaram mais de 7 anos atacando o governo Lula e agora dizem que ele faz um bom governo. É muita hipocrisia e cara-de-pau!

11) Serra é de esquerda? Então, porque ele criminaliza os movimentos sociais, privatiza tudo e ataca governos refomistas da América Latina?

12) O apoio dos tucanos ao Golpe de Estado em Honduras mostra que seu compromisso com a Democracia é, no mínimo, altamente duvidoso!

13) Afinal, quem pode garantir que os tucanos não darão um Golpe de Estado para se eternizar no poder caso Serra ganhe a eleição? Aliás, não foi exatamente isso que o Fujimori tentou fazer?

14) Afinal, não foi o FHC que mudou a Constituição em proveito próprio para poder se reeleger? Quem garante que Serra não fará o mesmo?

15) Serra não irá querer direito de reeleição ilimitada caso vença as eleições? Serra prometeu cumprir seu mandato na prefeitura de SP e...

16) Ciro Gomes vai entrar na campanha de Dilma.. Se cuida, Serra!

17) Se o Serra quiser eu posso emprestar o meu diploma para ele. Não é de economista, mas é de graduação e estudei 4 anos para conseguir.

18) A 'Folha' publicou um 'Erramos' sobre o resultado do Datafolha em Pernambuco. E sobre a pesquisa nacional, quando sairá o 'Erramos'?

19) É visível que Serra está sendo 'cristianizado' pelos demotucanos Brasil afora. Ninguém faz campanha para ele, em lugar nenhum. Já para Dilma...

20) Você sabe que irá perder uma eleição quando nem os seus aliados fazem campanha para te ajudar. Serra que o diga...

21) Na sabatina da 'Folha', Alckmin defendeu o trem-bala, que Serra atacou. Com um aliado desses, Serra não precisa de inimigos.

22) A esposa de Jabor é assessora do Serra; a esposa de Clóvis Rossi é presidente do 'PSDB Mulher'; Eliante Cantanhede é casada com marketeiro tucano... Tá explicado!

23) A esposa do Noblat trabalhava no Ministério do Desenvolvimento Agrário na época do Raul Jungmann.

24) Um dos sócios da produtora dos programas de TV de Serra em 2002, de Alckmin em 2006 e de Kassab em 2008 é o marido de Eliane Cantanhede... Deve ser "mera coincidência"...

25) Serra já reconheceu que não é o 'pai' dos genéricos, do FAT e do seguro-desemprego. Logo, o que ele fez em 40 anos de vida pública, mesmo?

Construção civil registra quinta alta seguida em Junho, aponta CNI!


Construção civil registra quinta alta seguida em junho, aponta CNI

MÁRIO SÉRGIO LIMA - da Folha.com

O setor de construção civil apresentou um crescimento sólido no primeiro semestre deste ano, informou nesta sexta-feira a CNI (Confederação Nacional da Indústria). Junho marcou o quinto mês consecutivo de alta consistente acima da linha divisória de 50, o que determina crescimento da atividade, além de avanço em relação ao mês anterior. Em junho, o indicador ficou em 53,8 pontos.

Apesar dos ganhos ante maio, o ritmo de alta em relação ao mês anterior teve uma leve desaceleração: em maio, o índice ficou em 55,8 pontos. Segundo os dados, junho também registrou um aumento em relação ao nível de atividade efetivo em relação ao usual do mês, ao ficar em 54,6 pontos.

O levantamento mostra também que, no segundo trimestre, o número de empregados no setor manteve-se em crescimento, ficando em 52,9 pontos, com destaque para as grandes empresas, que registraram 55 pontos.

De acordo com a CNI, a expansão não tem relação unicamente com o final da crise econômica mundial, já que os números da atividade do setor de construção civil vêm se mantendo em alta desde dezembro de 2009, apesar da relativa estabilidade apurada em janeiro, demonstrando também a boa situação financeira das empresas do setor, que ficou no segundo trimestre em 55,1 pontos.

A margem de lucro operacional do trimestre também foi considerada mais que satisfatória pelos empresários, ao atingir nível de 52,4 pontos. Já o acesso ao crédito foi considerado fácil para os empresários. O índice encerrou o trimestre em 51 pontos, um pouco acima da linha de 50 pontos. O resultado foi alavancado pela melhora nos indicadores das pequenas e médias empresas.

Em relação às expectativas dos empresários para os próximos seis meses, os indicadores demonstram otimismo para a manutenção desse cenário positivo. Todos os indicadores de expectativa (nível de atividade, novos empreendimentos e serviços, compras de insumos e matérias-primas e número de empregados) ficaram ao redor dos 67 pontos, o que demonstra otimismo disseminado entre os empresários.

O estudo ainda mostrou que o principal problema para o setor ainda é a falta de mão de obra qualificada, apontada por 62% dos entrevistados. Em seguida veio a elevada carga tributária (60,9%), a competição acirrada do mercado (22,9%), taxas de juros elevadas (22,9%), alto custo da mão de obra (22,6%) e inadimplência dos clientes (21,2%), que teve um grande crescimento em relação ao trimestre anterior.

Link:

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/775134-construcao-civil-registra-quinta-alta-seguida-em-junho-aponta-cni.shtml

Índia pode ser 'nova China' para América Latina, diz estudo!


Índia pode ser 'nova China' para América Latina, diz estudo

"Homem passa com riquixá por caminhões em direção ao porto de Chennai, na Índia"
Com crescimento variando entre 6,5% e 8% na última década e uma população de mais de 1 bilhão de habitantes, a Índia tem potencial para ocupar um papel até agora reservado à China nas economias da América Latina e do Caribe, diz um estudo elaborado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Assim como a emergência da China transformou as economias latino-americanas, abrindo um grande mercado para exportação, principalmente de produtos básicos, o avanço do novo gigante asiático poderá ter um impacto igualmente profundo, tanto no comércio quanto em investimentos em bens e serviços, diz o autor do estudo, Maurício Mesquita Moreira, economista do setor de Comércio e Integração do BID.

"A Índia não tem como atender a sua demanda com produção interna", diz Moreira. "A América Latina tem os recursos naturais de que a Índia precisa para crescer e prosperar."

Segundo o economista, do mesmo modo como ocorreu com a China, essa abundância de oferta na América Latina, aliada à crescente demanda indiana, seria mais do que suficiente para impulsionar uma grande ampliação no comércio bilateral.

"A Índia será forçada (a ampliar o comércio bilateral), assim como a China foi. No caso com a China, (se deu) não porque fizemos muito esforço, mas porque eles precisavam (de matéria-prima)", afirma.

Evolução

No entanto, diferentemente da relação com a China, a parceria entre a América Latina e a Índia ainda não se concretizou e enfrenta problemas.

Até 1999, o volume de comércio da América Latina com a China e com a Índia era semelhante e, em ambos os casos, pouco significativo. A partir de 2000, porém, o comércio bilateral com a China explodiu, enquanto as trocas com a Índia não evoluíram.

Dados reunidos no estudo do BID revelam que, em 2007, a China respondia por uma fatia de 6,3% do comércio total da América Latina, enquanto a Índia representava apenas 0,6%.

"O comércio com a Índia continua sendo medíocre", diz Moreira. "Já houve alguma evolução. O Ibas (grupo que reúne Índia, Brasil e África do Sul) é um avanço importante. O acordo com o Mercosul já é um passo. Mas ainda não é o suficiente."

De acordo com o economista, a não ser que incluam um número maior de países e de produtos, esses acordos não são suficientes para resolver a questão.

Segundo o relatório, um crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) da China gera aumento de 2,4% nas exportações latino-americanas. Em relação à Índia, 1% de avanço no PIB representa crescimento de 1,3% nas vendas externas da América Latina.

Tarifas

Moreira diz que as tarifas impostas sobre exportações latino-americanas para a Índia, especialmente na área agrícola, ainda são "quase proibitivas". As tarifas sobre exportações indianas para a América Latina também são altas.

Além disso, o comércio bilateral enfrenta ainda barreiras não-tarifárias e altos custos de transporte.

Segundo o economista, apesar das frequentes declarações de comprometimento com comércio bilateral e integração, os governos dos dois lados ainda não agiram para resolver os obstáculos mais graves.

"O potencial seria muito maior se tanto a América Latina quanto a Índia levassem mais a sério a discussão de problemas, tivessem uma posição mais pró-ativa", diz Moreira.

Um aumento no comércio bilateral, afirma o economista, levaria ao fortalecimento de um "círculo virtuoso", com mais incentivos para cooperação entre duas regiões com renda per capita e padrões de produção semelhantes e, portanto, amplas possibilidades de troca de conhecimentos e de atuação conjunta em questões regulatórias globais.

Além das oportunidades no comércio, há um grande potencial na área de investimentos, diz Moreira. O estudo cita como exemplos desse potencial alguns investimentos feitos pelo Brasil na Índia, como as joint-ventures entre a Petrobras e a indiana ONGC, para exploração de gás, e entre a Marcopolo e a Tata Motors, para a fabricação de ônibus.

Brasil

O Brasil é o maior parceiro da Índia na América Latina e, segundo Moreira, a cooperação bilateral serve de exemplo para o resto da região.

De 1990 a 2008, Brasil e Índia assinaram 23 acordos e memorandos de entendimento em várias áreas.

O economista afirma que os memorandos de entendimento, apesar de serem versáteis e geralmente não necessitarem de aprovação pelo Congresso, muitas vezes não trazem objetivos claros e obrigatórios, como fontes de financiamento, o que pode levar a anos de atraso em sua implementação ou até mesmo à não-implementação.

"Essas experiências sugerem que a cooperação bilateral seria beneficiada por um cenário institucional mais forte", diz o relatório.

Outro problema, de acordo com Moreira, é a falta de dados precisos para medir objetivamente o impacto desses acordos bilaterais.

O economista menciona ainda o fato de a parceria "Sul-Sul" entre Brasil e Índia ser pragmática e que, apesar de os dois países terem estado do mesmo lado em várias questões políticas e econômicas mundiais, também há grandes divergências.

O estudo afirma que esse tipo de parceria, em que os países evitam se comprometer com colaboração baseada em ideologia e optam pela busca de resultados, "parece ser o melhor caminho para aproveitar as melhores oportunidades e maximizar os benefícios da cooperação entre a América Latina e a Índia".

Competição

Ao mesmo tempo que representa uma imensa oportunidade de comércio e investimentos, porém, a emergência da Índia também traz desafios à América Latina, especialmente no que se refere à exportação de manufaturados.

Segundo o relatório do BID, os governos latino-americanos devem prever um cenário em que a Índia venha a se tornar, assim como ocorreu com a China, um importante exportador de manufaturados, aumentando as dificuldades dos países da região em competir nesse setor.

De acordo com o estudo, isso só aumenta a urgência de implementar uma agenda para resolver as deficiências da América Latina em termos de educação, acesso a crédito, investimentos em ciência e tecnologia e infra-estrutura.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Link:

http://noticias.br.msn.com/mundo/artigo-bbc.aspx?cp-documentid=25042877

Comício com Lula, Dilma e Tarso no Gigantinho

Governo escolhe grupo com fábrica no país para fornecer à Belo Monte!


Governo escolhe grupo com fábrica no país para fornecer à Belo Monte

Europeus e argentino ganharam contrato de R$ 5,3 bi para fornecer equipamentos à usina

Decisão foi tomada ontem pela Eletrobras e deverá ser formalizada na próxima semana, segundo a Folha apurou

VALDO CRUZ e LEILA COIMBRA - da Folha de S.Paulo

O governo Lula decidiu priorizar fornecedores com unidades no país e escolheu um consórcio de três empresas europeias e uma indústria da Argentina para encomendar os equipamentos da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Elas ganharam a disputa pelo contrato de R$ 5,3 bilhões após competirem com chineses, japoneses e russos (para quem pesou contra a falta de fábricas no país). Segundo a Folha apurou, a decisão foi tomada ontem pela Eletrobras e deve ser formalizada na próxima semana.

Das 18 turbinas de grande porte, 14 serão fornecidas pelo consórcio formado pela francesa Alstom, a austríaca Vatech Andritz e a alemã Voith Siemens. Elas serão responsáveis também pelas seis turbinas de menor porte.

A argentina Impsa foi escolhida para fornecer as outras quatro turbinas de grande porte. Ela está montando uma fábrica em Recife (PE), unidade que ficará responsável pela fabricação dos equipamentos para Belo Monte.

No caso das europeias, elas empregam, atualmente, cerca de 11 mil trabalhadores no país. A Alstom possui fábricas em São Paulo e Rondônia. A Andritz e a Siemens, apenas em São Paulo.

As três se uniram em um consórcio para fazer uma contraproposta ao grupo Norte Energia, liderado por Chesf e Bertin, que arrematou em leilão o direito de construir a usina e analisava outras ofertas de fábricas estrangeiras, mas que não possuem unidades no Brasil.

O consórcio foi viabilizado depois que o BNDES criou uma linha especial, a pedido de Lula, para financiar o fornecimento de equipamentos de Belo Monte, com prazo de pagamento de até 30 anos.

Com isso, garantiu às três empresas condições de financiamento semelhantes às de seus concorrentes chineses, russos e japoneses.

PESO ESTATAL

O próximo passo será a assinatura do contrato de concessão entre a União e o consórcio Norte Energia, que, após reestruturação, passou a ter peso estatal de 77,5% do investimento total -de R$ 19 bilhões a R$ 25 bilhões.

A participação direta e indireta do governo cresceu com a entrada de fundos de pensão ligados a estatais, como Petros (Petrobras), Previ (BB) e Funcef (Caixa), além do Fundo de Investimento FGTS, administrado pela Caixa. Antes, a fatia estatal era minoritária (49,98%), concentrada pela Eletrobras.

O consórcio deve entregar hoje à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) a documentação que formaliza a sociedade. Em 16 de agosto, o grupo terá de depositar garantias financeiras de cumprimento do contrato (5,5% da obra, R$ 1,045 bilhão).

Em agosto deverá ser assinado o contrato de concessão, antecipando em mais de um mês o cronograma original, que previa a assinatura em 30 de setembro.

Link:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me3007201006.htm

Teles devem investir R$ 200 bilhões até 2018!


Teles devem investir R$ 200 bilhões até 2018

JULIO WIZIACK - da Folha.com

A compra do controle da Vivo pela Telefónica e a entrada da PT (Portugal Telecom) na Oi marcam uma nova fase de investimentos estrangeiros no Brasil, que se tornou o país preferido pelos investidores no setor de telecomunicações.

Movimentando R$ 25,7 bilhões, os dois negócios são os maiores do setor no país. Isoladamente, a compra do controle da Vivo pela Telefónica, por R$ 17,2 bilhões, é o maior deles e torna a operadora espanhola a maior do país.

Para concluir a compra da participação da PT na Vivo, a Telefónica conseguiu financiamentos com um grupo de bancos na Europa que totalizaram 8 bilhões. Parte dos recursos será destinada à redução de sua dívida e o restante ao pagamento da compra do controle da Vivo.

Segundo a Telefónica, 60% dos 7,5 bilhões serão pagos após a aprovação pela Anatel. O restante será pago em duas parcelas: R$ 1 bilhão no final deste ano e R$ 2 bilhões em outubro de 2011. Metade desse dinheiro será reinvestida no Brasil porque a PT usará esses recursos para injetar na Oi, empresa de que passa a deter 22,4%.

Estimativas da própria Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) indicam que o setor deverá receber mais de R$ 200 bilhões em investimentos até 2018.

A cifra considera, por exemplo, os recursos que serão obtidos com o leilão das últimas faixas de frequência da telefonia celular em terceira geração (3G), da banda H, previsto para este ano.

Grupos estrangeiros já visitaram a agência e estão interessados em participar do leilão. Dentre eles estão a americana Nextel, as japonesas KDD e NTT DoCoMo, a francesa Vivendi, entre outros, inclusive brasileiros.

Não estão incluídas no cálculo as fusões e as aquisições que ainda estão por vir, a exemplo do que ocorreu entre Oi, PT, Telefónica e Vivo. A Folha apurou que há outros processos de consolidação que devem ocorrer nos próximos dois anos.

PACOTES COMBINADOS

Números apresentados pela PT a investidores na semana passada explicam o que os grupos estrangeiros veem no Brasil.

Na lista dos países com mais de 100 milhões de habitantes e PIB (Produto Interno Bruto) nominal acima de US$ 1 trilhão, o país é o que mais se destaca em termos de crescimento. Nos cálculos exibidos pela PT, o país deverá estar entre os quatro maiores do mundo, com um PIB de US$ 8,7 trilhões, em 2015.

"Ninguém que pretende continuar crescendo no mundo pode ficar fora do Brasil", disse Zeinal Bava, presidente da PT.

De acordo com as projeções da PT, até 2014 22% dos domicílios brasileiros terão TV por assinatura, todos os brasileiros terão pelo menos um número de celular e 33% estarão navegando na internet pela rede móvel (3G).

Mas, para as teles, o mais importante é que 33% dos domicílios devem preferir pacotes combinados (internet, TV, telefonia fixa e móvel), tipo de serviço que vai definir a competição entre as teles nos próximos anos.

Por isso, elas estão se fundindo. Com suas empresas reunidas em uma só, elas podem oferecer diversos serviços emitindo somente uma fatura. Separadas, o pacote custaria mais caro.

A Anatel confirma esse cenário. Até 2018, o país terá 160 milhões de acessos à internet (120 milhões pela rede móvel). Quase todos as 45 milhões de linhas fixas estarão conectados à internet. E o país terá 272 milhões de números celulares habilitados.

Link:

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/775091-teles-devem-investir-r-200-bilhoes-ate-2018.shtml

Lucro da Vale em três meses foi mais do que ela custou - por Brizola Neto!


Lucro da Vale em três meses foi mais do que ela custou

por Brizola Neto, no 'Tijolaço.com'

O dia em que este país for, de novo, do povo brasileiro, ao menos a memória dos homens que entregaram, de mão beijada, a imensa riqueza do povo brasileiro representada pela Vale vai fazer companhia à de Joaquim Silvério dos Reis na galeria dos grandes traidores da brasilidade.

Saiu agora á noite o resultado semestral da Vale e só no segundo trimestre do ano ela deu lucros líquidos – líquidos! – de R$ 6,63 bilhões ou US$ 3,75 bilhões.
O valor é mais que os US 3,3 bilhões pelos quais ela foi vendida pelo Governo Fernando Henrique Cardoso.

Tentei, inutilmente, nesta legislatura, abrir uma CPI sobre esta privatização criminosa.

Se conseguir se eleito, volterei á carga no ano que vem. E no outro, e no outro e no outro e enquanto eu puder.

Posto aí em cima um video, da insuspeita Veja, para que todos saibam, da boca do próprio Fernando Henrique Cardoso, quem foi o grande incentivador deste crime de lesa-pátria.

Link:

http://www.tijolaco.com/?p=21406

China supera Japão e é a segunda maior economia do mundo!


China supera Japão e é a segunda maior economia do mundo

País caminha para superar também os Estados Unidos e liderar o ranking global por volta de 2025

Reuters | 30/07/2010

A China tirou do Japão o posto de segunda maior economia do mundo, em resultado de três décadas de forte crescimento. Dependendo de quão rápido o câmbio suba, a China caminha para superar também os Estados Unidos e liderar o ranking global por volta de 2025, de acordo com projeções do Banco Mundial, do Goldman Sachs e de outros economistas.

A China chegou perto de superar o Japão em 2009. "A China já é agora, de fato, a segunda maior economia do mundo", informou Yi Gang, chefe do órgão regulador de câmbio, nesta sexta-feira.

A China cresceu 11,1% no primeiro semestre de 2010 sobre igual período do ano passado. A expansão do país vem registrando uma média anual de mais de 9,5% desde que adotou reformas de mercado em 1978.

Link:

http://economia.ig.com.br/china+supera+japao+e+e+a+segunda+maior+economia+do+mundo/n1237732591554.html