Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

terça-feira, 18 de setembro de 2012

OAB-MG pede nova investigação sobre morte de JK!


OAB-MG pede nova investigação sobre morte de JK - do Vermelho


A Ordem dos Advogados do Brasil seção Minas Gerais (OAB-MG) pediu nessa segunda-feira (17) à Comissão da Verdade, em Brasília, nova apuração sobre a morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek, em acidente automobilístico no quilômetro 165 da Rodovia Presidente Dutra, próximo a Resende (RJ), em 22 de agosto de 1976.


“A Comissão de Direitos Humanos e a Comissão da Verdade e Memorial, ambas ligadas à OAB-MG, e a própria OAB-MG requererem a reabertura do caso da morte de JK, a bem da verdade e da história de nosso país”, conclui documento preparado pela entidade e entregue ontem ao coordenador da Comissão da Verdade, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Gilson Dipp.

O pedido é baseado em análise de farto material documental reunido durante a tramitação do processo, encerrado em 1996. De acordo com a OAB-MG, o motivo do acidente foi um tiro na cabeça do motorista de JK, Geraldo Ribeiro. “Nesta nova e fundada versão, Geraldo Ribeiro foi atingido na cabeça por um projétil denominado ‘batente’, de fabricação e uso exclusivo das Forças Armadas de nosso país, e muito utilizado à época pelo Exército brasileiro”, sustenta a OAB.

O relatório complementa: “Atingido no crânio, Geraldo Ribeiro, então condutor do Opala que transportava JK, na Via Dutra, que ia de São Paulo para o Rio de Janeiro, perdeu o controle do citado veiculo, o que ocasionou a colisão, esbarrando num ônibus e batendo de frente em um caminhão, saindo da pista e capotando, vitimando ambos, JK e Geraldo Ribeiro”.

Para chegar a essa conclusão, a OAB-MG se valeu da exumação do corpo de Geraldo, em 1996. O presidente da Casa JK, em Diamantina, e secretário pessoal de JK à época, Serafim Jardim, relatou nos documentos que recebeu uma ligação do então secretário de Segurança Pública de Minas Gerais, Santos Moreira, dizendo que havia novidade. “Tal novidade consistia em um metal que fora encontrado no crânio do ex- motorista de JK. Ora, tal metal se transformou em ‘prego de caixão’, na conclusão da perícia confeccionada pelos peritos encarregados do trabalho da exumação daquele corpo, um verdadeiro absurdo”, entende a OAB-MG.

A morte de JK entrou para a história oficial como acidente automobilístico. O Chevrolet Opala dirigido pelo motorista do ex-presidente teria sido fechado por um ônibus da Viação Cometa, perdido o controle, atravessado a pista e sido atingido por uma carreta Scania. Josias Nunes de Oliveira, de 68 anos, o motorista do ônibus, foi a principal testemunha. Foi indiciado como culpado e considerado inocente pela Justiça. Em junho o jornal Estado de Minas entrevistou Josias, que reafirmou a versão de que foi apenas um acidente.

Fonte: jornal Estado de Minas


Link:

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=1&id_noticia=194057 


Nenhum comentário: