Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 7 de outubro de 2012

Por que Haddad e Serra deverão disputar o 2o. turno em SP! - por Marcos Doniseti!

Por que Haddad e Serra deverão disputar o 2o. turno em SP! - por Marcos Doniseti!
Haddad está em plena ascensão, enquanto Russomanno despenca nas pesquisas na véspera do 1o. turno!

Fernando Haddad, que nunca disputou uma eleição na vida, saiu de 6% para 22%, entre os dias 03 de Agosto e 06 de Outubro, empatando com Serra (ex-deputado federal, ex-senador, ex-prefeito, ex-governador, candidato a presidente 2 vezes) e com Russomanno (com 20 anos de trabalho na televisão), que eram infinitamente mais conhecidos do que ele. 
E ele ainda conseguiu isso mesmo lutando contra um julgamento no STF de membros do governo Lula-PT e de partidos aliados, uma Grande Mídia reacionária que baba-ovo para Serra, Kassab e para os demotucanos o tempo inteiro. 
E Haddad chega ao dia decisivo em plena ascensão, tendo crescido 4 pontos em 4 dias na pesquisa Ibope (passou de 18% para 22%), enquanto que Russomanno caiu 5 pontos e Serra cresceu 3 pontos no mesmo período.
Portanto, Haddad chega num momento favorável, em plena ascensão, e dificilmente ficará de fora do segundo turno. 
Enquanto isso, Serra luta para disputar o segundo turno numa eleição para a prefeitura da cidade da qual foi prefeito, em que elegeu o seu ex-vice (Kassab) e na qual derrotou Dilma, há 2 anos atrás, numa eleição presidencial.
E ele enfrenta essa dificuldade toda mesmo tendo o apoio do governo do estado de SP, comandado por Alckmin, da Grande Mídia e do STF (está aí o Roberto Gurgel dizendo que espera que o julgamento da AP 470 tenha reflexo nas urnas...) e com o PT tendo alguns dos seus membros sendo condenados num típico julgamento de exceção, onde os direitos e garantias individuais estão sendo jogados no lixo justamente pela instituição encarregada de defendê-los. 
Já Russomanno batalha para não ficar de fora do 2o. turno, mesmo depois de ter chegado a liderar com folga durante quase toda a campanha, atingindo os 35% das intenções de voto e tendo o apoio da Rede Record e da Igreja Universal, bem como da Igreja Renascer.
Assim, o seu partido pode ser nanico, mas a sua campanha não foi, não. 
A evolução das pesquisas, assim, mostra que dificilmente Haddad ficará de fora do segundo turno, pois se encontra em franca ascensão, chegando a crescer 1 ponto por dia nas pesquisas Ibope nesta semana, retomando o mesmo ritmo de crescimento que teve na primeira semana após o início do horário eleitoral.  
Segundo a pesquisa Ibope de hoje, enquanto Haddad cresceu 4 pontos, Russomanno caiu 5 desde o dia 02/10. Isso demonstra que está ocorrendo uma transferência de votos entre os dois.
Russomanno cai porque perde eleitores para Haddad, essencialmente os eleitores petistas e da periferia paulistana.
Mantida essa tendência até amanhá, torna-se praticamente inevitável a ida de Haddad para o segundo turno. 
E se a queda de Russomanno for muito grande e Serra conseguir se manter estável (desde que, é claro, ele tenha os 26% apontados pelo Ibope e os 28% dos votos válidos mostrados pelo Datafolha), então o segundo turno deverá ser disputado por Haddad e Serra, mesmo.

E há mais um agravante no caso de Russomanno, que é o fato de que 40% dos seus eleitores ainda não sabem o número do candidato. Se essa desinformação permanecer até amanhã, o candidato do PRB estará fora do segundo turno mesmo que Haddad e Serra não conquistem mais nenhum voto entre o seu eleitorado até amanhã.
E há também uma possibilidade muito grande de que Haddad termine o primeiro turno em 1o. lugar, pois o seu ritmo de crescimento nos últimos dias, segundo o Ibope, foi superior ao do tucano, com ele ganhando 4 pontos, contra 3 de Serra, entre os dias 02/10 e 06/10. 
Aliás, Haddad é o único candidato, que não caiu nas pesquisas do Ibope, desde que a primeira foi realizada, no dia 03 de Agosto. Nesta, ele tinha 06% das intenções de voto. Depois, Haddad teve a seguinte evolução:
09% - 16 de Agosto;
16% - 31 de Agosto;
15% - 13 de Setembro.
18% - 25 de Setembro;
18% - 02 de Outubro;
22% - 06 de Outubro.
Assim, com a exceção da pesquisa do dia 13/09, na qual ele oscilou 1 p.p. para baixo, Haddad teve uma trajetória inicial de crescimento, que se concentrou quase que inteiramente na primeira semana após o início do horário eleitoral e, depois, se manteve estável, oscilando 2 p.p. para cima na pesquisa de 25/09, se estabilizando novamente na pesquisa de 02/10 e, daí, voltando a retomar a trajetória de crescimento nesta última semana, quando atingiu os atuais 22% no Ibope (26% dos votos válidos). 
Portanto, Haddad não teve maiores oscilações e passou por dois grandes momentos de ascensão ao longo da campanha. E para a sua felicidade, e dos petistas em geral, um destes momentos se dá justamente na véspera da realização do primeiro turno.
Por isso, muito dificilmente o candidato do PT ficará de fora do segundo turno da eleição na capital paulista, pois se encontra num momento de clara ascensão nas pesquisas.
E esta se dá, ao mesmo tempo, em que um dos adversários que luta por uma vaga no segundo turno, Russomanno, está caindo ladeira abaixo e demonstra que não está conseguindo conter a sangria de votos que passou a sofrer na reta final do 1o. turno. 
E quando um candidato começa a cair, ladeira abaixo, muito dificilmente ele consegue impedir a continuidade da queda em poucos dias.
Geralmente, leva um certo período de tempo para que se façam os ajustes necessários a fim de interromper a sangria de votos. E tudo indica que Russomanno não terá tempo suficiente para conseguir isso, pois estamos na véspera da eleição. 
Serra, por exemplo, caiu fortemente na pesquisa de 31/08, quando perdeu 6 pontos em relação à pesquisa anterior (ele caiu de 26% para 20% em relação à pesquisa de 16/08) e depois voltou a perder mais 3 pontos, diminuindo as suas intenções de voto para 17% em 25/09. 
Serra somente oscilou positivamente, novamente, na pesquisa Ibope do dia 02 de Outubro, ou seja, na reta final da disputa. É provável que ele tenha conseguido capturar uma parte dos votos de Russomanno, principalmente do segmento mais conservador e de classe média que antes escolhia o candidato do PRB.
Portanto, neste momento, e considerando que a pesquisa Ibope está mostrando um cenário correto e apontando a tendência certa para cada candidato, Serra também se encontra num momento de crescimento na véspera da eleição.
Logo, temos, claramente, um cenário no qual dois candidatos estão crescendo (Haddad e Serra) e um terceiro, Russomanno, se encontra em queda livre e que, muito dificilmente, terá tempo suficiente para interromper essa trajetória.
Russomanno teria que tirar um coelho da cartola, um ás da manga ou então pedir para que os pastores da IURD fizessem um verdadeiro milagre para que ele conseguisse ir para o segundo turno. 
Assim, muito provavelmente, teremos um segundo turno entre Haddad X Serra, tal como se esperava desde o início da campanha. 
A questão é: Afinal, porque Haddad demorou tanto para decolar e chegar empatado com Serra e Russomanno na véspera da eleição? 
Uma das possibilidades é a de que os institutos de pesquisa estivessem segurando Haddad na 'margem de erro'. Eles até podem ter feito isso, em especial o Datafolha, naquela estranha pesquisa em que Haddad caiu de 18% para 15%, o que não foi confirmado pelo Ibope e nem pelos trackings dos partidos. 
Mas, os trackings do PT mostravam, claramente, até poucos dias atrás, que Haddad estava empatado tecnicamente com Serra, mas que se encontrava distante do primeiro colocado, Russomanno.
Mantido aquele cenário, Haddad iria disputar voto a voto a ida para o segundo com o candidato do PSDB. 
Somente agora é que Haddad chegou ao primeiro lugar, mesmo que em situação de empate, com Russomanno e Serra. 
A melhor explicação para essa arrancada de Haddad nestes últimos dias de campanha é a de que ele demorou para recuperar os votos de simpatizantes do PT e de eleitores, da periferia paulistana, que, tradicionalmente, sempre votaram em candidatos do partido (Lula, Dilma, Marta) e que, mesmo antes do início do horário eleitoral, já haviam escolhido Russomanno.
Segundo Antônio Donato, as pesquisas qualitativas do PT mostravam que isso aconteceu porque muitos simopatizantes e eleitores tradicionais do partido pensaram que Russomanno que não havia grandes diferenças entre o candidato do PRB e o candidato do PT e que Russomanno era o mais forte para derrotar a odiada dupla (na periferia paulistana) Serra-Kassab, pois ele sempre aparecia muito à frente de Haddad em todas as pesquisas, pelo menos até esta semana. 
Aliás, todas as pesquisas do Datafolha mostravam, desde o início, a dificuldade de Haddad em conquistar os votos petistas de Russomanno.
A pesquisa Datafolha, por exemplo, de 20/08 mostra que 33% dos petistas votavam em Russomanno. Na pesquisa do dia 02/10 esse percentual caiu para 20%.
Haddad tinha apenas 21% dos votos dos eleitores petistas na pesquisa Datafolha do dia 20/08. Na pesquisa do dia 02/10 este percentual chegou a 56%. E agora, nesta pesquisa Datafolha de hoje (06/10) o percentual de votos petistas em Haddad deve ter crescido ainda mais.
E é provável que este índice suba ainda mais até amanhã, levando Haddad para o segundo turno. 
Na percepção de grande parte dos eleitores petistas e da periferia paulistana, o PT governa para os pobres e Russomanno conseguiu construir, durante cerca de 20 anos apresentando programas de tv nos quais defendia os direitos dos consumidores, a imagem pública de um defensor dos pobres, fracos e oprimidos paulistanos. 
Se a imagem que ele construiu correspondia à realidade ou não é outro departamento, mas que ele conseguiu fazer isso, ele conseguiu, sim.
Russomanno sempre teve os seus melhores índices de intenção de voto nas regiões mais periférias da capital paulista. 
O coordenador da campanha de Haddad, Antônio Donato, reconheceu isso em entrevista, falando que as pesquisas qualitativas feitas pela campanha do PT mostravam essa percepção do eleitorado petista e da periferia, de que não havia diferença (significativa, pelo menos) entre Russomanno e Lula, Dilma, Marta e, portanto, Haddad.
Assim, na cabeça destes eleitores, Russomanno era quase tão petista quando os principais líderes do PT. E estava sendo muito difícil, para a campanha de Haddad, mostrar as diferenças existentes entre este e Russomanno. Na verdade, isso não estava sendo alcançado pela campanha de Haddad, pelo menos, até cerca de 15 dias atrás. 
Porém, a desastrosa proposta de tarifa proporcional pelo trajeto percorrido, para o transporte coletivo municipal, defendida por Russomanno, colocou a sua candidatura em situação extremamente difícil.
A campanha de Haddad conseguiu explicar, de forma simples e didática, para o eleitorado mais pobre da periferia (incluindo muitos petistas) que ele seria o maior prejudicado pela adoção da idéia defendida pelo candidato do PRB.
Esta idéia foi um verdadeiro tiro de canhão contra o próprio pé disparado por Russomanno e abalou fortemente a sua imagem junto ao eleitorado que, até então, o sustentava no primeiro lugar.
Também havia uma outra razão para Haddad ficar bem atrás de Russomanno nas pesquisas que é o fato de que muitos eleitores que poderiam votar nele escolhiam Russomanno justamente porque este aparecia bem à frente de Haddad nas mesmas e era visto pelos eleitores petistas e da periferia como o principal candidato anti-Serra e anti-Kassab. 
Agora, com este empate entre Haddad e Russomanno, mostrado tanto pelo Ibope, como pelo Datafolha, elimina-se também esse motivo para dar o voto em Russomanno em vez de Haddad. 
Assim, tudo indica que Haddad deverá crescer mais alguns pontos e que  Russomanno deverá cair um pouco mais até o final da votação. 


A tendência de queda de Russomanno e de ascensão de Haddad e Serra são nítidas no gráfico. 

Inclusive, segundo a pesquisa Datafolha de hoje, Russomanno perdeu votos até na pesquisa espontânea, caindo de 22% para 17%, e teve um forte aumento da sua rejeição, que chegou a 30%, contra 42% de Serra e 25% de Haddad. 
Obs: É significativo de que mesmo com o julgamento no STF bombando todos os dias na Mídia já há um bom tempo, Haddad consegue ter menos rejeição do que Serra e Russomanno e chega empatado nas intenções de voto com os adversários na véspera do 1o. turno. Isso mostra uma certa força da imagem pessoal do candidato, que é bem visto por grande parte do eleitorado, sem dúvida alguma.
Haddad não tem, nem de longe, aquela rejeição imensa que muitos candidatos do PT alcançaram nas eleições anteriores na capital paulista. E isso ajuda a explicar porque ele derrotaria Russomanno e Serra no segundo turno, segundo o Datafolha (40% X 39% contra Russomanno e 45% X 39% contra Serra). 
Portanto, a ida de Haddad para o segundo turno, hoje, é bastante provável, enquanto a eliminação de Russomanno também se tornou quase que inevitável, pois a ascensão de um implica na queda de outro.
Aliás, penso que se Haddad terminar o primeiro turno na liderança, destronando Russomanno e Serra ao mesmo tempo, isso criará uma onda favorável a ele no começo do segundo turno, fazendo com que ele cresça ainda mais, tornando-se o favorito para vencer a eleição.
O povo da cidade de São Paulo não merece um candidato que o abandona depois de apenas 15 meses, deixando um vice incompetente no lugar e que prioriza a criação de um partido político, como fez Kassab.
E sem dúvida alguma, será um grande feito de Haddad se ele terminar o primeiro turno na primeira colocação, pois ele terá saido de meros 6% em 03/08 para uma votação que poderá alcançar cerca de 30% dos votos. 
E caso Serra também esteja conquistando votos dos eleitores mais conservadores e de classe média de Russomanno, o que é a mais provável explicação para a sua ascensão nas pesquisas nesta reta final, então estará mais do que sacramentada a eliminação do candidato do PRB neste primeiro turno.
Desta maneira, e considerando que, de fato, ele tem entre 26% (Ibope) e 28% (Datafolha) dos votos válidos, penso que Serra também irá, com a queda de Russomanno, inevitavelmente, garantir a sua ida para o segundo turno. 
Até porque, mostram Ibope e Datafolha, Chalita ficou lá atrás, mesmo, com seus 13%. Aliás, será que muitos eleitores, vendo que o mesmo está fora da disputa por uma vaga no segundo turno, não irão votar em Haddad, a fim de impedir um segundo turno entre Russomanno X Serra? Não é de se duvidar. 
Para mim, num segundo turno disputado entre os candidatos do PT e do PSDB, Haddad é claramente o favorito, devido à elevada rejeição de Serra, que terá a sua candidatura, muito mais do que foi no primeiro turno, totalmente identificada com o governo de Kassab, que é o mais impopular do Brasil (nas capitais, pelo menos). 
Avante, Haddad!

Links:
Evolução das pesquisas Ibope, entre 03 de Agosto e 06 de Outubro. 
40% dos eleitores de Russomanno não sabem o seu número:
Pesquisa Datafolha de 06/10 - Rejeição de Russomanno subiu para 30% e ele caiu de 22% para 17% na pesquisa espontânea:
Pesquisa Datafolha de 02-03 de Outubro:

Nenhum comentário: