Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Serra, o censor - por Zé Dirceu!


Serra, o censor - por Zé Dirceu,  do seu blog
Publicado em 05-Oct-2012
 “Os jornais, sejam eles impressos, televisionados, nas emissoras de rádio ou na internet, defendem candidatos em seus editoriais, tecem comentários, analisam e adotam determinados ângulos favoráveis a este ou àquele candidato e contrários a outros. E nós, os trabalhadores? Não podemos analisar as propostas dos candidatos, dizer o que é melhor ou não para os próprios trabalhadores sindicalizados?”

A questão é colocada pela presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira. Ela põe o dedo na ferida e aponta para algo que está muito mal resolvido na democracia brasileira. Diz respeito às liberdades fundamentais, definidas na Constituição de 1988.

Para a presidenta do Sindicato, a Constituição garante a liberdade de expressão e de imprensa. E essas liberdades não podem ser propriedade apenas dos grande veículos, da grande mídia. Tem que ser para todos.

Como foi a apreensão

A notícia está no site do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Diz que a Folha Bancária (FB) foi censurada. Um policial militar e uma oficial de Justiça estiveram na sede do Sindicato na noite desta quinta (4.10) – a ação foi feita simultaneamente nas regionais da entidade –, com ordem de busca e apreensão da última edição da FB.

A representação protocolada na 1ª Zona Eleitoral de São Paulo (Bela Vista – Capital) na mesma quinta-feira, foi assinada pela juíza Carla Themis Lagrotta Germano, e previa inclusive ordem de arrombamento, “se necessário”.

O próprio web site do Sindicato (clique aqui) vem com o termo “Censura”, em letras garrafais, sob fundo preto.  O texto publicado no site explica que o jornal Folha Bancária, que circula desde 1939, e o próprio site do Sindicato, no ar desde 2005, nunca haviam sofrido censura antes (a ordem da juíza contempla também a retirada da matéria do site do Sindicato).

No texto, a direção da entidade explica que o jornal traz, em parte da última de suas quatro páginas, reportagem que analisa as propostas e o histórico dos três candidatos que lideram as intenções de voto à prefeitura de São Paulo: Russomanno, Serra e Haddad. Também declarava o apoio da maioria da direção executiva da entidade a Fernando Haddad (PT), o único a receber e se comprometer com a Agenda da Classe Trabalhadora.

A presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, é enfática ao repudiar o ato de censura: “O Sindicato tem quase 90 anos de existência e sempre lutou pela democracia e pela liberdade de expressão. Desde o ano passado estamos fazendo o debate, com os bancários, do que afeta a qualidade de vida dos trabalhadores. Além da campanha salarial e por melhores condições de trabalho, somos um sindicato cidadão que se preocupa com a cidade, o estado e o país em que os trabalhadores vivem. Sabemos da importância desse debate”.

Para ela, "os trabalhadores têm direito a analisar as propostas dos candidatos. Pode haver divergência, mas repudiamos a censura”, ressalta.

Presidente da CUT também repudia censura

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, está sendo usurpado o direito de informação dos trabalhadores. “Todos os veículos se expressam e respeitamos. Defendemos a liberdade de imprensa, o direito à livre manifestação e foi isso que colocamos em prática. É o nosso ponto de vista, podem concordar ou discordar, mas não censurar”, ressalta o dirigente.

Esta é a terceira vez que Serra investe contra a liberdade de expressão dos trabalhadores, quando o assunto não lhe agrada. Em 2006 e 2010, duas edições da Revista do Brasil, uma que trazia o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outra com a então candidata à presidência Dilma Rousseff, foram censuradas por solicitação da coligação tucana à época daquelas eleições. A Revista do Brasil é mantida por cerca de 60 sindicatos de diversas categorias profissionais.

No Brasil, está havendo uma confusão entre o uso de mentiras, manipulações e maracutaias nas campanhas eleitorais e o direito à informação. A Justiça Eleitoral tem obrigação de impedir o uso de mentiras e a manipulação de informação que prejudiquem a este ou àquele candidato. Mas não pode praticar a censura, como está patente neste caso, pois fere direitos estabelecidos na Constituição Federal.

Se a maioria da direção do sindicato apoia um determinado candidato, ela tem o direito de divulgar sua posição. Tem o direito, também, de analisar as propostas dos candidatos e de informar os trabalhadores sobre essas propostas.

Mas, ao agir da forma como age no caso, a Justiça Eleitoral corre o sério risco de ser instrumentalizada por uma determinada candidatura. E há indícios preocupantes nessa direção. Junto com o oficial de Justiça e o PM que invadiram a sede do Sindicato, havia um fotógrafo do jornal O Estado de S. Paulo. O que é isso? A Justiça é parte da assessoria de imprensa da campanha do candidato?

Link:

http://www.zedirceu.com.br//index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=1&Itemid=106

Nenhum comentário: