Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 29 de dezembro de 2012

Gastos com juros da dívida pública diminuíram R$ 21,3 bilhões até Novembro!


Déficit fiscal do setor público somou R$ 5,515 bilhões em novembro

28/12/2012 - 12h01 - Stênio Ribeiro - Repórter da Agência Brasil

Brasília – O setor público consolidado (União, estados, municípios e empresas estatais) registrou déficit primário de R$ 5,515 bilhões no mês de novembro, de acordo com o Relatório de Política Fiscal divulgado hoje (28) pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central.
União e estatais foram deficitárias em R$ 5,875 bilhões e R$ 1,322 bilhão, respectivamente, enquanto os governos estaduais economizaram R$ 1,404 bilhão e os municípios foram superavitários em R$ 277 milhões.
No acumulado janeiro-novembro, o superávit primário (soma das economias para pagar os juros da dívida pública) soma R$ 82,699 bilhões. Bem menor, portanto, que a economia de R$ 126,8 bilhões feita em igual período do ano passado.
Segundo o relatório do BC, os juros pagos em novembro somaram R$ 16,331 bilhões, um pouco abaixo dos R$ 17,005 bilhões de outubro. No ano, os desembolsos com juros chegam a R$ 194,761 bilhões, o equivalente a 4,85% do Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas e dos bens produzidos no país.
O total pago com juros da dívida foi R$ 21,3 bilhões menor que o montante empregado no mesmo intervalo de tempo de 2011, por causa da trajetória de queda da taxa básica de juros (Selic) e da menor variação da inflação. No acumulado em 12 meses, os juros nominais alcançaram R$ 215,3 bilhões (4,91% do PIB), mantendo a tendência declinante observada ao longo de 2012.
Divulgado pelo Banco Central, os números do setor público diferem do resultado do Governo Central, também divulgado hoje, pelo Tesouro Nacional. As contas do Governo Central não consideram o desempenho dos estados nem dos municípios. Além disso, o Tesouro Nacional baseia-se nos gastos registrados no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi). O Banco Central usa outra metodologia, que considera a variação do endividamento do governo federal, dos estados, dos municípios e das estatais.

Edição: Lílian Beraldo
Link:

Nenhum comentário: