Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 3 de março de 2013

Portugueses vão às ruas contra os cortes de gastos públicos!


Portugueses vão às ruas contra os cortes de gastos públicos - da Carta Maior


“Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas!” foi o mote das manifestações deste final de semana que reuniram pelo menos um milhão e meio de portugueses nas ruas do país e exigiram a demissão do governo do primeiro-ministro social-democrata Passos Coelho. O termo troika tem sido usado como referência às equipes constituídas por membros de Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional que têm avalizado amplos cortes de gastos públicos em países como Portugal, Irlanda e Grécia.

  • Lisboa – Pelo menos um milhão e meio de portugueses protestaram neste sábado (2), segundo estimativadas divulgadas na imprensa do país, contra as medidas de austeridade do governo nacional, apoiadas pela União Européia. Em Lisboa foram 800 mil. 

Ao som de “Grândola, Vila Morena”, canção que embalou os protestos da Revolução dos Cravos (1974), os manifestantes percorreram as ruas da baixa de Lisboa entoando palavras de ordem como "O povo unido jamais será vencido", "Governo para a rua já", "Espanha, Grécia, Irlanda e Portugal, a nossa luta é internacional", "A rua é nossa" e "A luta continua, troika para a rua".

No Porto, cerca de 400 mil pessoas se reuniram numa das maiores manifestações já realizadas na cidade. A Praça da Batalha tornou-se pequena para receber tantos manifestantes, que acabaram também por ocupar as ruas circundantes. Estiveram presentes apoiadores de grupos de direitos humanos, liberdade sexual, aposentados e desempregados. Houve confrontos com a polícia e ao menos duas detenções foram realizadas.

Em Braga, sete mil pessoas encheram as ruas de cravos vermelhos e exigiram mudanças, emocionando-se ao frisarem que "não foi para isto" que lutaram. A manifestação contou com uma performance de teatro e com a participação de vários músicos, que enriqueceram o protesto com o som de guitarras portuguesas, braguesas e cavaquinhos.

O cantor e músico Carlos Mendes disse à agência Lusa que a manifestação “era uma coisa impensável” quando, há algumas semanas, integrou o grupo de pessoas que foi cantar a ‘Grândola, Vila Morena’ no plenário da Assembleia da República, interrompendo o primeiro-ministro português Passos Coelho.

“Até fico emocionado. Já não se via tanta gente junta há muito tempo”, afirmou”. E acrescentou: “Nos esportes costuma se dizer que cheira a gol. Agora me cheira revolução, mudança”.

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, disse que o governo “sabe que está por um fio” e “tornou-se um problema que impede a solução” para a saída da crise. “Este governo não tem legitimidade política, moral e ética para continuar a governar”, sublinhou.

Por seu lado, o presidente da Associação Nacional de Sargentos, Lima Coelho, disse esperar que os governantes ouçam a voz dos portugueses. "Contrariamente ao que muita gente gosta de fazer crer, [nem] o primeiro-ministro, nem os banqueiros, nem outros são os patrões deste país, nós é que somos", disse à agência Lusa.

O eurodeputado do PCP João Ferreira disse que a manifestação foi uma afirmação da exigência da demissão do governo. "Estamos perante uma torrente que cresce, que engrossa, e que vai continuar nos próximos dias, com essa exigência, dar a palavra ao povo perante um governo que há muito tempo perdeu a sua legitimidade", afirmou.

Fotos: João Cosme/Esquerda.net 


Link:

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21682

Nenhum comentário: