Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 22 de setembro de 2013

Quem ganha e quem perde com os acordos da Síria!

Quem ganha e quem perde com os acordos da Síria - por Emir Sader, da Carta Maior



Quando um não quer, dois não brigam. E quando nenhum quer briga, aí sim que não há briga.

Por razões distintas, ninguém – salvo os opositores internos – queriam os bombardeios prometidos pelos EUA sobre a Síria. O governo sírio, pelos danos incalculáveis que os bombardeios – mesmo se prometidos como de curta duração e pouco alcance – poderia ter. A Rússia, porque colocaria um dilema difícil de responder e se envolver diretamente em um conflito com os EUA ou assisti-lo e se desmoralizar. Os EUA, porque o governo Obama não tinha apoio nem da Grã Bretanha, nem da ONU, nem do Congresso, nem da opinião publica e nem dos militares. 

Dois deslizes verbais condicionavam o conflito. O da “linha vermelha” de Obama, há um ano, marcando o limite do uso de armas de gás, que levaria os EUA a intervir, caso fosse ultrapassado. E a afirmação recente de John Kerry de que a única alternativa aos bombardeios seria se o governo da Síria submetesse seus armamentos de gás a uma inspeção internacional.

O primeiro obrigava Obama a agir, senão se desmoralizaria, até porque seu governo, o da Grã Bretanha e o da França, embora não exibindo, diziam ter provas insofismáveis que esse tipo de armamento tinha sido utilizado pelo governo de Assad. Não havia, portanto, alternativa senão atacar, salvo que o faria sem apoios políticos mínimos.

O segundo deslize foi tomado ao pé da letra pelo governo da Rússia, que imediatamente consultou o governo sírio e formulou as bases de um plano de paz. A proposta veio a calhar para o impasse em que se encontrava o governo Obama, e este aceitou, mesmo se tentando disfarçar o recuo, alegando que a proposta fora possível pelas suas ameaças de bombardeios.

Mas, concretamente, não haveria punição à Síria, nem tentativa de dissuasão de que voltasse a usar as mesmas armas. Algumas bravatas continuaram a pairar nas declarações, para dissimular que os EUA recuavam de suas posições.

Do acordo, todos saem contentes, menos os opositores internos, que contavam com o enfraquecimento do governo de Assad para tentar reverter uma situação de guerra em que claramente estão sendo derrotados. Alguns aliados da região – como a Turquia, a Arábia Saudita, o Kuait – também não viram com bons olhos, mas não têm autonomia para agir por conta própria, dependem em tudo do que façam os EUA.

Das negociações sai fortalecida a Rússia – que aparece não apenas como o grande pacificador, como também como o grande operador diplomático, que tem diálogo com todos os agentes do conflito, especialmente Síria e EUA. Sai ganhando também o governo da Síria, que não apenas evita os bombardeios, como pode dar continuidade ao conflito interno, em que vai claramente levando vantagem.

Sai fortalecido também o novo Papa, que se jogou numa campanha contra a guerra – incluindo denúncia da indústria bélica, que seria a grande vitoriosa de um novo conflito. 

O governo Obama sai chamuscado, não conseguiu gerar as condições políticas – internas e externas – para usar sua superioridade militar. As ambiguidades e contradições das declarações de Obama e Kerry demonstram como a vontade de exercer seu papel de “polícia do mundo” não conta com simpatia nem no povo norte-americano, nem de seus tradicionais aliados.
Postado por Emir Sader

Link:

Nenhum comentário: