Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Economia da América Latina e do Caribe deve crescer mais no ano que vem, estima Cepal!

Economia da América Latina e do Caribe deve crescer mais no ano que vem, estima Cepal


11/12/2013 - 14h23 - Kelly Oliveira - Repórter da Agência Brasil
Brasília - A economia da América Latina e do Caribe deve crescer mais em 2014 do que neste ano. A previsão é da Comissão Econômica para América Latina e  Caribe (Cepal), que espera crescimento de 3,2%, em 2014, e 2,6%, neste ano.
Segundo o Balanço Preliminar das Economias da América Latina e Caribe 2013, no próximo ano, o crescimento regional será liderado pelo Panamá, com 7%, seguido pela Bolívia (5,5%), pelo Peru (5,5%), pela Nicarágua (5%), República Dominicana (5%), Colômbia, pelo Haiti, Equador e Paraguai (os quatro com 4,5%). A projeção para a Argentina e o Brasil é 2,6%. O Chile e a Costa Rica devem crescer 4%; a Guatemala, o México e o, Uruguai, 3,5%; e a Venezuela, 1%.
Para a Cepal, o menor dinamismo da demanda externa, a maior volatilidade financeira internacional e a queda no consumo foram os fatores que levaram ao desempenho econômico mais modesto em 2013.
Para o próximo ano, a Cepal espera que um cenário externo moderadamente mais favorável contribua para aumentar a demanda externa e, portanto, as exportações da região. “De igual modo, o consumo privado continuará expandindo-se, ainda que a taxas mais baixas do que em períodos anteriores, enquanto se mantiver o desafio de aumentar o investimento na região”, destaca a comissão.
De acordo com o relatório, o desafio principal para os governos da América Latina e do Caribe é impulsionar o investimento como forma de estimular a produtividade e o crescimento com igualdade. 
Para isso, a comissão defende pactos sociais, com um marco institucional que ofereça certeza e regras claras, com políticas de curto prazo que proporcionem estabilidade nominal e real, e políticas de longo prazo que incentivem um investimento mais diversificado nos setores comercializáveis.
Edição: Juliana Andrade
Link:

Nenhum comentário: