Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Índice de Confiança dos Serviços sobe e chega ao melhor resultado desde junho!

Índice de Confiança dos Serviços sobe e chega ao melhor resultado desde junho

27/12/2013 - 10h19 - Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro – O Índice de Confiança de Serviços interrompeu três meses de queda e voltou a subir em dezembro, mostra a Sondagem dos Serviços, da Fundação Getulio Vargas. O aumento de 2,6% sobre novembro fez o indicador chegar a 118,9 pontos, o maior patamar desde junho deste ano.
Durante 2013, o índice registrou queda contínua no primeiro semestre, até ter sua mais forte retração em julho, de 6,4%. Depois disso, houve uma recuperação de 4,3% em agosto e quedas de 0,2% nos meses seguintes. Em quase todo o ano, o indicador ficou abaixo da média histórica de 124,2 pontos.
Das 12 atividades pesquisadas pela fundação, 10 tiveram aumento da confiança. A alta também foi registrada tanto no Índice de Expectativas (IE-S) quanto no da Situação Atual (ISA-S).
A avaliação da situação atual subiu pelo terceiro mês seguido, com alta de 0,6%. A proporção de empresas que avalia a situação como ruim caiu de 16,3% para 13,5%, queda maior que a registrada entre as empresas que consideram a situação atual boa (de 23,6% para 22%).
O Índice de Expectativas subiu 4,1% em dezembro, interrompendo duas quedas consecutivas. Passou de 40,3% para 44,5% a porcentagem de empresas que esperam aumento da demanda no futuro, enquanto as que acham que ela vai diminuir caíram de 7,6% para 6,1%.
Também houve melhora na expectativa para a tendência dos negócios, já que os que esperam uma situação melhor passaram de 38,2% para 43,6%. Por outro lado, os que esperam piora subiram de 5,9% em novembro para 6,3% em dezembro.
Edição: Denise Griesinger
Link:

Nenhum comentário: