Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A solidão latinoamericana - por Emir Sader!

A solidão latinoamericana - por Emir Sader, 06/01/2014

A América Latina vive hoje outro tipo de solidão. Vários dos seus governos desenvolvem políticas pós-neoliberais, na contramão dos ventos do centro do capital.



A América Latina viveu a solidão dos anos 1990, quando só existia nos processos de privatização e nas crises financeiras. Além disso, só notícias esportivas ou uma que outra eleição que escolhia nomes distintos para o mesmo tipo de governo, falavam do continente fora das fronteiras.

Era uma solidão com as promessas de que a via escolhida então seria a da integração na globalização. Um que outro mandatário, como FHC, era convidado para alguma cúpula da chamada “terceira via”, para demonstrar que ainda havia algo de vida inteligente no Sul do mundo.

Mas em geral eram personagens desprezados – como Carlos Menem, Alberto Fujimori, Salinas de Gortari, Fernando Collor de Mello, Fernando de la Rua -, justamente porque aceitavam, de forma subserviente, os ditames do FMI, do Banco Mundial, da OMC, com a esperança de que a globalização trouxesse para nossos países mais que capitais especulativos e suas respectivas crises.

A América Latina vive hoje de novo em solidão. Mas outro tipo de solidão. Varios dos seus governos desenvolvem politicas posneoliberais, na contramão dos ventos que vem do centro do capitalismo, que seguem sendo ventos neoliberais. Assim, esses governos conseguem escapar da recessão imposta aos países do centro do sistema e que em circunstâncias similares antes nos teriam arrastado à recessão. 

Aprendendo das próprias experiencias europeias, esses governos reagiram frente a longa e profunda crise gerada nos países do Norte, lançaram mão de politicas anticíclicas, que nos permitiram defender-nos da recessão. Enquanto isso, paradoxalmente, na Europa, se intensifica a recessão com medidas de corte ortodoxo

Com essas politicas, países latino-americanos como a Argentina, a Venezuela, o Brasil, o Uruguai, o Equador, a Bolívia, nao apenas resistiram à recessão, como diminuíram a desigualdade, a pobreza e a miséria, enquanto elas aumentam na Europa, no Japão e nos EUA.

Por isso esses governos, integrados em processos próprios de intensificação das suas relações, estão, no entanto, isolados em relação a outras regioes do mundo. Há uma intensificação do comercio com a China, é certo, mas isso não significou, até agora, a criação de uma força politica que proponha alternativas globais ao esgotado modelo neoliberal.

Existem também os Brics, que tomaram importantes iniciativas, especialmente mais recentemente, como a criação de um banco próprio de financiamento e apoio a esses países  emergentes. Mas os Brics nao definiram ainda uma politica e um marco de alianças que possa congregar ao conjunto do  Sul do mundo.

Garcia Marquez dizia no seu extraordinário discurso de recebimento do Nobel de Literatura, que os outros aceitam a originalidade da criação artística dos nossos países, mas resistem a aceitar que nós desenvolvamos essa mesma criatividade para definir nossos destinos. 


Esses países encontraram agora o caminho para, de forma original e criativa, construir o destino latino-americano. Nós encontramos um destino comum, ainda que ao preço de viver uma nova solidão. Mas, pelo menos, a vivemos como sociedades solidarias, menos desiguais, soberanas.

Link:
http://www.cartamaior.com.br/?/Blog/Blog-do-Emir/A-solidao-latinoamericana/2/29945

Nenhum comentário: