Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 23 de fevereiro de 2014

O Canal da Nicarágua, uma obra de US$ 40 bilhões!

Do Atlântico até o Pacífico, via Nicarágua - da Rede Brasil Atual

Projeto de canal de ligação entre os oceanos pode sair do papel em 2014 e reposicionar o continente no comércio mundial. Mas com risco de altos custos ambientais
por Thalita Pires publicado 22/02/2014 09:37
ADAM WARZAWA/POLAND OUT/EFE
Desafio para os chineses
Navio Triplo E deixa o porto de Gdansk, na Polônia: muito largo para o Panamá
Uma megaobra de US$ 40 bilhões bancada por investidores chineses na Nicarágua, segundo país mais pobre da América Latina, pode mudar a dinâmica do comércio mundial. 
O país pretende construir um canal, financiado, ligando os oceanos Atlântico e Pacífico, nos moldes do Canal do Panamá. 
Ainda sem percurso definido, o canal, que vem povoando o imaginário local desde antes da construção do vizinho panamenho, é a aposta nicaraguense para aumentar drasticamente seu Produto Interno Bruto (PIB) e a renda da população. 
Em termos de comércio, o sucesso dessa empreitada pode diminuir o custo do transporte em importantes rotas marítimas.
A Nicarágua pretende aproveitar o fato de o Canal do Panamá não ter espaço para um novo tipo de navio, o Triplo E, que comporta cerca de 18 mil contêineres de carga. A passagem panamenha está em expansão, mas mesmo depois do final dessa obra os maiores navios comportados serão os New Panamax, que carregam 12,5 mil contêineres. 
Os Triplo E ainda são raros, mas sua participação no comércio mundial deve aumentar nos próximos anos, já que derruba entre 20% a 30% o custo da tonelada transportada. “Quanto maior o navio, menor o custo relativo do transporte. Assim, a participação dos Triplo E deve aumentar no comércio. Várias empresas já encomendaram esses navios para os estaleiros”, afirma o professor José Vitor Mamede, do curso de Comércio Exterior da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), de São Paulo.
Apesar do otimismo do governo local, a obra ainda não está confirmada. Até o final do ano passado, não estava sequer definido trajeto do canal. Foram analisadas seis possibilidades – estudos de viabilidade ainda estão em curso e devem ficar prontos até julho. Se tudo correr como planeja o governo, a construção, prevista para durar cinco anos, começaria em dezembro.
Para o ministro Paul Oquist, da Secretaria para Políticas Nacionais da Nicarágua, os estudos deixaram governo e investidores confiantes. “O volume de investimentos feitos pelas consultorias é muito alto para ser gasto em um projeto que tem chances duvidosas de acontecer”, afirma. Até agora, esses estudos consumiram US$ 900 milhões e mobilizaram 4 mil profissionais.
O projeto completo não fica apenas na construção do canal. O país pretende pôr em operação um ambicioso plano de logística, integrado por dois portos, uma linha de trem paralela ao canal, um oleoduto, duas zonas de livre comércio e um ou dois novos aeroportos internacionais.
O grupo investidor no canal estima que o comércio mundial vai aumentar 42% entre 2011 e 2025. As exportações mundiais cresceram de US$ 6,5 trilhões em 2000 para US$ 18,3 trilhões em 2012. Esse número deve aumentar para US$ 35 trilhões em 2020. Não é apenas o aumento do volume de negócios que justifica o investimento na obra. Algumas rotas comerciais que seriam beneficiadas com aumentarão de importância nos próximos anos. Em breve, os Estados Unidos deixarão de ser importadores e passarão a exportar petróleo pelo Golfo do México.
Hoje, os petroleiros de maior porte não passam pelo Canal do Panamá para atingir a costa oeste americana e a Ásia, mas poderão passar pelo novo caminho. O comércio entre os países latinos banhados pelo Atlântico e Ásia também seria facilitado, assim como entre os países andinos e a Europa. “Essa obra, apesar de ser iniciativa de um investidor chinês, deve ser benéfica para o comércio como um todo. A China ganha, mas os Estados Unidos também serão beneficiados, assim como a América Latina”, acredita Mamede.
Mapa

Impacto na renda

Com 6 milhões de habitantes e PIB de US$ 10 bilhões, a Nicarágua busca com esse megaprojeto mudar o perfil econômico do país e aumentar a renda da população. 
Embora a economia venha crescendo a uma taxa média de 5% ao ano, uma das mais altas da América Latina, e apresentando avanços na redução da desigualdade, o país continua a apresentar alta taxa de pobreza. Em 2012, 42% dos nicaraguenses podiam ser considerados pobres. Outro problema interno é a informalidade. Dos 3 milhões de pessoas empregadas no país, 640 mil estão inscritas na previdência social.
O governo espera ter um resultado semelhante ao do Panamá na economia. Desde o anúncio do projeto de expansão do canal, o país, de 3,8 milhões de habitantes, cresce quase 9% ao ano em média, mesmo com a crise mundial de 2009. O PIB saltou de US$ 17 bilhões em 2006 para US$ 42 bilhões em 2012, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).
“O modelo do Panamá pode ser considerado um sucesso. Desde que o país passou a controlar o canal, em 1999, a economia melhorou”, afirma ­Mamede. A Nicarágua espera crescer a taxas acima de 10% ao ano a partir do início da construção do canal. 
Até 2018, o país espera triplicar para 1,9 milhão o volume de empregos formais. 

Para que os nicaraguenses possam apro­­veitar os empregos criados pelas obras e operação do canal, o governo promete realizar parcerias com as universidades. “Não adiantaria nada realizar todo esse investimento para criar empregos para estrangeiros”, diz Paul Oquist.

________________________
Riscos sociais e ambientais

A construção do canal maior do que o do Panamá e o sucesso de sua operação são possíveis porque a Nicarágua conta com recursos hídricos em abundância. O lago Nicarágua, que faz parte de todas as possibilidades de trajeto do canal, é o maior da América Central. O uso do lago e dos aquíferos que o alimentam para o canal causou polêmica no país.
Victor Campoe, diretor do grupo ambiental Humboldt, afirmou em junho passado que o projeto põe em risco a bacia hidrográfica que fornece água para a maior parte da população mais pobre do país. A reserva ambiental de Punta Gorda, que abriga 120 espécies de pássaros, mamíferos, répteis e outros animais, também pode ser afetada.
Oquist afirma que, de maneira geral, o país deve sair ganhando ambientalmente.
“Haverá impacto na área de construção, mas ao mesmo tempo há um trabalho para conter o desflorestamento, reflorestar áreas degradadas e deter a sedimentação do lago Nicarágua”, afirma. Essas ações seriam necessárias para a operação do canal, que depende do suprimento de água para funcionar. O HKND, grupo parceiro do governo nicaraguense no projeto, contratou a consultoria ambiental britânica ERC para auditar os possíveis impactos ambientais.
Da mesma forma, os impactos sociais da obra ainda são desconhecidos, uma vez que até o início de janeiro o trajeto do canal ainda não estava definido. Não é possível, ainda, saber se e quais comunidades no caminho do canal serão afetadas. O discurso do governo afirma que todas as comunidades que tenham de ser removidas serão ouvidas no processo e realocadas da melhor maneira possível. 
Link:

Nenhum comentário: