Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Prefeitura de SP autoriza alargamento de 59 vias para instalar corredores de ônibus!

Prefeitura autoriza alargamento de 59 vias para instalar corredores de ônibus - da Rede Brasil Atual

Projeto de lei em análise pela Comissão de Constituição e Justiça é pré-requisito para reorganização prevista pelo Plano Diretor Estratégico. Desinformação causa polêmica e protestos no plenário


São Paulo – O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), encaminhou à Câmara Municipal projeto de lei que autoriza o alargamento de 34 avenidas e 25 ruas com o objetivo de implementar os 228 quilômetros de corredores de ônibus adicionais previstos no Plano de Mobilidade Urbana, levando os atuais 120 quilômetros a 348 quilômetros de corredores.
O projeto foi apresentado por engenheiros da SPTrans e pelo secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Fernando de Mello, em audiência pública na Câmara, na manhã de hoje (19), e prevê corredores nas faixas centrais, faixa extra de ultrapassagem nos pontos, ciclovias protegidas por guia alta e calçadas mais largas. Veja, ao fim da matéria, a lista completa de vias nas quais as intervenções devem ser feitas.
"A partir da implementação dos corredores e das faixas de ultrapassagem, teremos a oportunidade de criar linhas expressas e semiexpressas que vão reduzir sensivelmente o tempo gasto no transporte coletivo. Conseguiremos reduzir o tempo de viagem em até 60% em alguns trechos", explicou Roberto Moura, gerente de projetos da SPTrans. De acordo com ele, as regiões mais beneficiadas serão os bairros da zona Sul e da zona leste, onde ainda não há corredores de ônibus e as linhas de transporte sobre trilho estão "completamente saturadas".
A prefeitura pretende interligar ciclovias, transporte rodoviário e sobre trilhos para melhorar a mobilidade urbana em São Paulo. Mello destacou que a estruturação dos corredores é um pré-requisito para as mudanças na organização da cidade que estarão previstas no Plano Diretor Estratégico, além de representar uma intervenção econômica no espaço público.
"O cidadão hoje sai de casa, entra no carro, desce na garagem do trabalho e depois volta para casa sem interagir diretamente com a cidade de nenhuma maneira. Se eu saio para trabalhar a pé, em uma boa calçada, pela rodovia, paro para deixar a roupa no tintureiro, faço compras. Trata-se de uma mudança que rompe com a lógica do shopping center e permite ganhos muito grandes ao empreendedorismo de pequeno e médio portes", ressaltou Mello, que insistiu na necessidade de resolver o desequilíbrio de oferta de moradia, emprego e serviços entre as regiões da cidade.

Conflito de informações

Durante a audiência pública, um grupo de cerca de 50 moradores e comerciantes do Itaim Bibi protestaram contra a instalação de um corredor de ônibus na avenida Nossa Senhora do Sabará, na zona sul. Os manifestantes diziam estar contrários às 484 desapropriações que seriam necessárias na avenida, que prejudicariam comerciantes instalados no local há mais de 40 anos. O projeto, no entanto, não autoriza desapropriações –os participantes do protestos, identificados pela camiseta preta "Não ao corredor Sabará", não informaram a origem da informação.
"Não estamos trabalhando com a possibilidade de desapropriação. O que o projeto de lei faz é redefinir o alinhamento viário e oferecer benefícios ao proprietário que recuar suas construções ou desocupar os terrenos que têm ao longo da avenida. Foi assim na Avenida Paulista, por exemplo. Ela foi alargada sem desapropriações", afirmou Mello. O secretário não descarta, no entanto, que desapropriações possam ser cogitadas pela prefeitura caso a adesão dos proprietários dos terrenos aos incentivos para a adequação ao novo alinhamento viário não seja suficiente para a instalação dos corredores.
Em janeiro, Haddad autorizou desapropriações para as três etapas do corredor Radial Leste. No total, serão 30 quilômetros de corredores ligando a extrema zona leste ao centro, e que necessitarão de cerca de mil desapropriações de imóveis, que podem ser realizadas em um prazo de até cinco anos.
Ao fim da audiência, o secretário teve de solicitar direito de resposta ao vereador Aurélio Nomura (PSDB), que leu texto publicado no blog de um jornalista da Folha de S.Paulo que dizia que a prefeitura pretendia desapropriar terrenos para vendê-los em leilão a imobiliárias, criando um "banco imobiliário" sob o pretexto de implementar corredores de ônibus.
"Isso não é verdade. Não há o que responder porque nada disso corresponde aos projetos que apresentamos. Não haverá leilão", pontuou. "Os corredores abrem espaço é para equipamentos públicos." Os manifestantes, que aplaudiram a leitura do texto pelo vereador do PSDB, lamentaram que a última palavra sobre o assunto tenha sido do secretário.
Questionado sobre a mobilização de grupos contrários às intervenções de mobilidade urbana previstas pelo Plano Diretor, que foi debatido em mais de 100 audiências públicas em 2013 e recebeu contribuições pela internet em dois sites (um da prefeitura, outro da Câmara Municipal), Mello minimizou. "Realizamos um bom número de consultas públicas, mas o projeto é complexo. A mobilização é natural. Seguiremos dialogando", afirmou.
Link:

Nenhum comentário: