Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

terça-feira, 4 de março de 2014

O Wahabismo Saudita e a sua conexão com as guerras e atentados terroristas pelo mundo! - por Marcos Doniseti!

O Wahabismo Saudita e a sua conexão com as guerras e atentados terroristas pelo mundo! - por Marcos Doniseti!

Livro de Jason Burke mostra que a Al-Qaeda nunca foi uma organização centralizada, sendo mais uma ideia. E essa ideia é a do Wahabismo Salafista da reacionária e troglodita Arábia Saudita. 

A ambição do governo da Arábia Saudita é espalhar a sua versão local do Islamismo, que é o chamado Wahabismo Salafista, por todo o mundo islâmico. 

E o pior: Não existe nada mais retrógrado, na face da Terra, do que o Wahabismo. 

Nada. 

Para se ter uma ideia: Na Arábia Saudita não existe Parlamento e nem partidos políticos (melhor não avisar aos coxinhas reacionários sobre isso, porque eles irão adorar...) e as mulheres não podem frequentar estádios de futebol ou dirigir automóvel. E as mulheres que lutam por seus direitos são enforcadas. 

E para conseguir espalhar o Wahabismo pelo mundo a Arábia Saudita é quem mais financia grupos de terroristas islâmicos que atuam em inúmeros países e territórios onde vivam muçulmanos. 

Um exemplo: a Guerra da Chechênia (que se dividiu em duas fases: 1994-1996 e 1999-2009) começou, de fato, depois que terroristas islâmicos wahabitas financiados e armados pela Arábia Saudita foram para a região a fim de expulsar os russos e implantar um governo baseado na lei islâmica (a Sharia). 

Outro exemplo: A Guerra na Síria (que não tem nada de civil, pois nem 10% dos combatentes que lutam contra o governo do país são sírios e os que lutam o fazem porque foram forçados a isso) começou depois que dezenas de milhares de terroristas islâmicos do mundo inteiro invadiram o país (fala-se num número que vai de 70 mil a 110 mil) com o objetivo de derrubar o governo de Assad, que é laico e aliado da Rússia e do Irã (e ambos são inimigos da Arábia Saudita). 

O que se chama vulgarmente de 'Al-Qaeda' não é, de fato, uma organização específica, com uma liderança centralizada que diz aos seus integrantes como e quando agir. Ela nunca se organizou assim, propriamente dito. Al-Qaeda é o nome que se dá, na verdade, a uma variedade infinita de grupos de terroristas islâmicos (chamados de 'células') espalhados pelo mundo, que professam o Wahabismo Salafista da Arábia Saudita e que promovem atentados e participam de guerras por todo o mundo muçulmano.

Mulheres na Arábia Saudita. Uma imagem vale mais do que mil palavras, como diz o velho clichê.

Al-Qaeda é o nome que se dá a uma espécie de 'Internacional do Terrorismo Wahabita' e que é, fundamentalmente, financiado pelo governo e por bilionários sauditas e de outros países do Golfo Pérsico (Omã, Qatar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos). E uma das famílias que faz parte dessa elite saudita é justamente a de... Bin Laden, que possui uma fortuna de bilhões de dólares. 

Assim, tais terroristas são, essencialmente, financiados e armados pela Arábia Saudita, com a colaboração dos países membros do CCG (Conselho de Cooperação do Golfo), que também são monarquias profundamente retrógradas, como as do Qatar, Emirados Árabes Unidos e Omã. 

E os países líderes da OTAN (EUA, França, Reino Unido, em especial) também financiam os mesmos terroristas islâmicos, porque muitos dos inimigos dos Wahabitas Sauditas são, também, inimigos dos EUA e do Ocidente Imperialista. 

Exemplo disso: Síria, Irã, Rússia e China.

Não foi à toa, aliás, que 13 dos 19 terroristas que estavam nos aviões que derrubaram as Torres Gêmeas eram da... Arábia Saudita. 

E o que os EUA fizeram, mesmo sabendo deste fato? Invadiram o Iraque e o Afeganistão, que nunca tiveram qualquer conexão com a organização e realização dos atentados do 11 de Setembro.

Os fortes laços econômicos (petróleo...) que unem os EUA e a Arábia Saudita ajudam e muito a explicar porque, mesmo sabendo que a Arábia Saudita é o país que mais financia o Terrorismo Islâmico pelo mundo afora, o Império Ianque ótimas relações com o clã Saud, que controla o país e que envia bilhões de dólares, todos os anos, para financiar grupos e movimentos terroristas islâmicos que desejam obrigar a todos os seguidores do Islamismo a viver conforme a doutrina Wahabita-Salafista que é a dominante na Arábia Saudita. 

Arábia Saudita e família Bush: Tudo a Ver!

Para maiores informações sobre o Wahabismo e a política saudita de expansão do mesmo para todo o mundo muçulmano, via Terrorismo Islâmico, sugiro a leitura do ótimo livro 'Al-Qaeda: A verdadeira histórica do Radicalismo Islâmico', de Jason Burke.

Links:

Jason Burke explica as origens do Radicalismo Islâmico

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2010/01/al-qaeda-e-o-radicalismo-islamico-por.html

Nenhum comentário: