Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 5 de março de 2014

Que horror! - Dívida pública líquida cai para o menor nível da história!

Dívida pública líquida cai para o menor nível da história! - da Agência Brasil

Em Outubro de 2013, a divida pública liquida do Brasil estava em 35,1% do PIB. Agora ela está em 33,3% do PIB, que é o menor nível da série histórica. 

A alta de 3,6% do dólar em janeiro fez a dívida pública líquida cair para o menor nível da história em janeiro. Segundo números divulgados hoje (28) pelo Banco Central (BC), a dívida líquida do setor público encerrou o mês passado em 33,3% do Produto Interno Bruto (PIB), o percentual mais baixo desde o início da série histórica.

A queda ocorreu porque o endividamento líquido desconta, da dívida bruta, o que o governo tem a receber. Com a valorização da moeda norte-americana no mês passado, os ativos em moeda estrangeira, principalmente as reservas internacionais, aumentam de valor na conversão em reais, resultando numa dívida líquida menor.

A queda da dívida pública ocorreu apesar do déficit nominal de R$ 10,476 bilhões em janeiro, o maior para o mês desde 2006. Diferentemente do resultado primário, o resultado nominal considera o pagamento dos juros da dívida pública, que totalizou R$ 30,399 bilhões no mês passado e atingiu o maior valor da história para todos os meses. Tradicionalmente, a dívida pública sobe quando ocorre déficit nominal, mas a alta do dólar neutralizou esse efeito.

Segundo o chefe adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Fernando Rocha, a queda da dívida líquida em janeiro será revertida em fevereiro. Isso porque, neste mês, o dólar caiu 4%. O BC projeta que a dívida líquida do setor público tenha aumentado 0,3 ponto percentual em fevereiro, fechando este mês em 33,6% do PIB. 

Os números finais, no entanto, só serão divulgados no fim de março.

De acordo com Fernando Rocha, os gastos com os juros da dívida foram elevados em janeiro por causa de três fatores: o maior número de dias úteis no mês passado, a inflação mais alta em dezembro (que impactou os juros dos títulos públicos corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e o prejuízo do Banco Central de R$ 3,9 bilhões com as operações de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Além disso, o atual ciclo de alta da taxa Selic – juros básicos da economia – aumenta os juros da dívida.

Em fevereiro, ressaltou o técnico do BC, a maior parte dos fatores que impulsionaram as despesas com juros em janeiro foi revertida. A queda do dólar fez o Banco Central lucrar com as operações de swap e a inflação em janeiro caiu em relação a dezembro.

Link:
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2014-02/alta-do-dolar-faz-divida-publica-liquida-cair-para-menor-nivel-da-historia

Nenhum comentário: