Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

segunda-feira, 3 de março de 2014

Ucrânia: Yulia Tymoshenko diz que conversas com o governo russo serão inúteis! - por Marcos Doniseti!

Ucrânia: Yulia Tymoshenko diz que conversas com o governo russo serão inúteis! - por Marcos Doniseti!

A Gazprom, empresa estatal de energia russa, já avisou: Fornecimento de gás natural para a Europa poderá vir a ser interrompido

Governo da China expressa apoio à Rússia na crise ucraniana


O senador John McCain e do seu lado esquerda (lado direito da imagem) o líder do partido neonazista ucraniano, o Svoboda, Oleh Tyahnybok. 

Notícia divulgada pelo site 'Voz da Rússia' diz que a líder ucraniana Yulia Tymoshenko declarou que as conversas com o governo russo serão inúteis. 

"Ela afirmou que as conversações entre os dois países não podem ser bem-sucedidos dado que o objetivo principal da Rússia é a capitulação total da Ucrânia.
A ex-premiê declarou que a causa do agravamento das relações entre os dois países consiste em que a Ucrânia tinha conquistado em fim a “revolução europeia” a liberdade e a independência em relação à Rússia. Afirmou que as autoridades da Federação Russa querem “se apoderar da Ucrânia pela força das armas”, realizar neste país um golpe de Estado e restabelecer a ditadura.".

Então, conversar para que? 

Além disso, seus comentários são falsos e mentirosos. O governo russo não quer a capitulação da Ucrânia, mas do governo golpista do país, que chegou ao poder de forma ilegítima, o que o governo russo diz o tempo inteiro e está mais do que correto nessa afirmação.

Não houve 'revolução' alguma na Ucrânia, mas um Golpe de Estado do qual os protagonistas e articuladores foram o governo dos EUA, alguns poucos e milionários empresários ucranianos e partidos e movimentos nazistas e de extrema-direita, como o Pravy Sektor e o Svoboda. Dizer que eles representam toda a Ucrânia é mentira. Na última eleição parlamentar ucraniana, que se realizou em 2010, o Svoboda, partido neonazista, teve  apenas 10% dos votos. 

E a posição da Rússia a respeito da crise ucraniana não é solitária, pois recebeu o respaldo do governo da China, que concorda com as razões apontadas pelo governo russo para as medidas que o mesmo tomou na crise ucraniana.

A Rússia não deseja se apoderar da Ucrânia por meio de guerra, mas apenas proteger os milhões de ucranianos que falam russo e que estão aterrorizados com a perspectiva de serem massacrados e se tornarem vítimas de uma limpeza étnica perpetrada pelos nazistas e movimentos de extrema-direita ucranianos. 

E o governo golpista aponta que essa perspectiva é perfeitamente possível, tanto que já revogou uma lei que reconhecia o direito das minorias étnicas que vivem no país de estudar e falar a sua língua de origem (russo, búlgaro, romeno, húngaro). 

E se as conversas com o governo russo são inúteis, isso significa que o governo golpista ucraniano está em maus lençóis. A economia do país está quebrada, com o país endividado até o pescoço. Somente em 2014 a dívida a vencer da Ucrânia é de US$ 30 bilhões. 

Russos representam 58,3% da população da República Autônoma da Crimeia. 

A maior parte da indústria do país está no leste habitado por ucranianos que falam russo e que Putin já avisou a todos que irá proteger, sendo que está pouco se lixando para a reação ocidental a essa iniciativa russa. Cerca de 60% das exportações tem a Rússia como destino. Quem fornece o gás natural para a Ucrânia é a Rússia (bem como para a Europa Ocidental...). 

Aliás, a empresa estatal de energia russa, a Gazprom, já avisou que o fornecimento de gás natural para a Ucrânia e para a Europa poderá vir a ser interrompido devido aos crescentes conflitos políticos que ocorrem no país vizinho.

E o governo golpista tem a participação de nazistas (que controlam a área de Segurança do mesmo e que já começaram a ser nomeados para administrar regiões do país, o que irá assustar bastante (isso já está acontecendo em larga escala) às minorias étnicas (romenos, búlgaros, húngaros) e aos ucranianos que falam russo ou que são russos étnicos. 

O líder do Pravy Sektor (Setor de Direita, extremista), Dmitri Yarosh, chegou a pedir publicamente a ajuda dos terrositas e fundamentalistas islâmicos que lutam na Chechênia para que, juntos, possam lutar contra a Rússia; 

Além disso, os juízes do Tribunal Constitucional foram afastados pelo novo governo golpista e revogou-se uma lei que permite aos russos, búlgaros, romenos e húngaros que vivem no país de estudar e falar a sua língua. Judeus também passaram a ser perseguidos pelos extremistas de direita e isso ocorreu com a total conivência do governo golpista, é claro. 

A presença de nazistas no governo golpista é um fato repudiado pela maioria da população ucraniana, mesmo na parte ocidental. 

E o que o Ocidente Imperialista tem como solução a oferecer aos ucranianos? É um acordo com o FMI com as exigências habituais: privatizações, aumento de impostos, arrocho salarial, aumento de tarifas de serviços públicos, desnacionalização da economia. 

Aliás, o FMI já havia feito tais exigências para o governo de Viktor Yanukovich no final de 2013 e que o mesmo recusou, devido ao elevado custo econômico e social que teria sobre o povo ucraniano. 

Foi isso que levou o seu governo a preferir fechar um acordo, muito bom, com o governo russo, que ofereceu condições infinitamente melhores do que as do FMI (entre elas, a venda dos gás natural com uma redução de 33% no preço). 

As consequências de um eventual acordo com o FMI (que já está sendo negociado pelo governo golpista ucraniano) serão as de sempre: falências de empresas, aumento do desemprego, da concentração de renda, da pobreza e da miséria. 

Assim, a Ucrânia terá tudo para se transformar em uma 'nova Grécia', ou seja, um país com economia pequena e pobre e sem nenhuma condição de competir com os países mais ricos da UE, como Alemanha e França, por exemplo. 

Logo, qualquer forma de associação entre a Ucrânia e a UE será catastrófica para a pobre e atrasada economia ucraniana. Com o tempo, a piora das condições de vida da população ucraniana irá fazer com que esta fique cada vez mais insatisfeita, o que irá gerar, sem dúvida alguma, novas revoltas contra o governo golpista, caso este consiga se consolidar no poder e decida fechar o acordo com o FMI. 

O problema é que, até lá, os Nazistas ucranianos já poderão ter mais do que consolidado a sua presença no aparelho de Estado ucraniano e, daí, quem quiser protestar contra o governo terá sérios problemas, para dizer o mínimo. 

Como se percebe, as perspectivas da Ucrânia com a manutenção do governo golpista e com uma eventual associação com a UE e o fechamento de um acordo com o FMI não são nada animadoras, para dizer o mínimo. 

Links:

Yulia diz que conversas com o governo russo serão inúteis:

http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_03_03/Tymoshenko-declara-que-as-conversa-es-com-a-R-ssia-ser-o-in-teis-2574/

Gazprom diz que fornecimento de gás para a Europa poderá vir a ser interrompido devido aos conflitos na Ucrânia:

http://en.itar-tass.com/economy/721798

Líder do Pravy Sektor pediu a ajuda de terroristas islâmicos da Chechênia:

http://sp.ria.ru/revista_de_prensa/20140303/159438326.html

Onda de antissemitismo atinge a Ucrânia pós-golpe:

http://www.revistabrasileiros.com.br/2014/02/25/onda-de-antissemitismo-na-ucrania-pos-golpe/#.UxSbPPldV3M

China apoia a Rússia na crise ucraniana:

http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_03_03/MRE-russo-China-apoia-a-R-ssia-na-crise-ucraniana-1616/


Nenhum comentário: