Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Grécia: Centro-Esquerda e Esquerda dominam o novo Parlamento do país! - por Marcos Doniseti!

Grécia: Centro-Esquerda e Esquerda dominam o novo Parlamento do país! - por Marcos Doniseti!

Povo grego votou maciçamente contra as políticas de austeridade impostas ao país pela Troika (BCE, FMI, Comissão Europeia) desde 2009; 211 dos 300 deputados foram eleitos por partidos políticos que são contrários a tais políticas


Avante, Syriza! Vamos desmontar e jogar no lixo essas políticas de austeridade anti-trabalhadores e anti-Nação. 

O novo Parlamento grego ficou dividido desta maneira após a eleição de 25/01/2015:

Syriza (Centro-Esquerda) - 149 deputados;

Nova Democracia (Conservador) - 76 deputados;

Amanhecer Dourado (Neonazista) - 17 deputados;

To Potami (Centro) - 17 deputados;

Partido Comunista (Esquerda) - 15 deputados;

Gregos Independentes (Direita Nacionalista) - 13 deputados;

Pasok (Conservador) - 13 deputados.

Assim, os dois partidos que, até a realização da eleição, eram governistas (Nova Democracia e Pasok, conservadores) elegeram apenas 89 deputados (29,7% do total), tendo sido massacrados nas urnas nesta eleição. 

Na eleição de 2012, juntos, eles haviam conseguido eleger 162 deputados (ND elegeu 129 e Pasok elegeu 33). Assim, agora, em 2015, eles sofreram uma queda de 45% em relação à eleição anterior. 

Já os dois partidos mais à Esquerda (Syriza e Partido Comunista), somados, elegeram 164 deputados (54,7% do total) agora, obtendo um crescimento (juntos) de 97,6%. Em 2012, somados, eles tinham conseguido eleger 83 deputados (Syriza 71 e Comunistas 12). 

E é bom ressaltar o seguinte: com as únicas exceções do Nova Democracia e do Pasok, todos os outros partidos são críticos e condenam as políticas de austeridade imposta ao país nos últimos 5 anos (2009-2014). 

Desta maneira, os partidos anti-austeridade conseguiram eleger 211 deputados (70,3% do total), contra apenas 89 (29,7% do total) dos partidos favoráveis a política de arrocho salarial e de austeridade, que foram responsáveis por elevar a taxa de desemprego para 25% e por colocar 50% dos gregos vivendo abaixo da linha da pobreza. 

Portanto, as políticas de austeridade impostas pela Troika (UE, BCE, FMI) foram as maiores derrotadas nesta eleição grega, que mudou o cenário político europeu, já que comprovou a viabilidade política e eleitoral de uma plataforma política e eleitoral anti-austeridade.

A vitória do Syriza, na Grécia, pode representar o início de uma mudança favorável aos trabalhadores europeus e não se pode descartar a possibilidade de que em outros países da União Europeia outros partidos que adotem, claramente, uma plataforma anti-austeridade venham a ganhar eleições.

Logo, a vitória do Syriza foi importante, mas precisa ser acompanhada de vitórias semelhantes em outros países da UE para que esse movimento anti-austeridade (e não anti-capitalista como alguns dizem por aí) seja vitorioso. 

Na Espanha, por exemplo, o Podemos (cujo programa é muito semelhante ao do Syriza) já lidera as pesquisas eleitorais (obteve 28,2% na mais recente, divulgada no início deste ano) e tem grandes chances de vencer a eleição para o Parlamento espanhol em Novembro próximo.

Assim, essa vitória do Syriza é de grande importância e poderá significar o início de um processo de mudanças na União Europeia. E isso pode muito bem vir a acontecer, pois os europeus estão cansados de tanta austeridade anti-trabalhadores. 

O recado já foi dado pelos gregos. 

Te cuida, Angela Merkel, que a sua hora de perder irá chegar. 

Link:

Divisão do novo Parlamento grego:

http://www.eldiario.es/internacional/Tsipras-mayoria-absoluta-austeridad-Troika_0_349615378.html

O plano de governo do Syriza:

http://observador.pt/2015/01/25/este-e-o-programa-syriza/

Alexis Tsipras é o novo Primeiro-Ministro da Grécia:

http://www.esquerda.net/artigo/oficial-alexis-tsipras-e-o-novo-primeiro-ministro-da-grecia/35579

Vitória do Syriza representa mudanças na UE - Luiz Felipe de Alencastro:

http://noticias.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/luiz-felipe-alencastro/2015/01/26/vitoria-da-esquerda-radical-na-grecia-representa-mudancas-na-ue.htm

Podemos lidera pesquisa eleitoral na Espanha, à frente do PSOE e do PP:

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKBN0KK0LW20150111

Nenhum comentário: