Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O PT não pode se transformar no Pasok grego! - Marcos Doniseti!

O PT não pode se transformar no Pasok grego! - Marcos Doniseti!

Os governos de Lula e Dilma ampliaram consideravelmente as classes ABC no Brasil, que ganharam 50 milhões de novos integrantes (40 milhões subiram para a classe C e outros 10 milhões ascenderam para as classes AB). Esse processo de inclusão social não pode ser estancado e nem revertido. Se isso acontecer, o PT brasileiro poderá ter o mesmo destino do Pasok grego. 

Uma das principais mudanças que tivemos com essa eleição grega e para a qual a mídia tupiniquim não chamou a atenção foi o virtual esmagamento do tradicional Pasok (Movimento Socialista Pan-Helênico) que foi criado em 1974 por Andreas Papandreou e que reunia as forças da esquerda progressista grega da época.
O Pasok venceu as eleições de 2009 com 43,9% dos votos, mas colocou em prática a política da Troika, de arrocho e de austeridade anti-trabalhadores.

No governo de George Papandreou, Primeiro-Ministro grego, os salários e as aposentadorias foram reduzidas em 40%. E agora o Pasok colheu os frutos dessa opção política equivocada, obtendo apenas 4,7% dos votos e elegendo apenas 13 deputados nesta eleição.
Assim, o partido, que era um dos mais antigos e tradicionais da Centro-Esquerda europeia de orientação Social-Democrata, acabou se afastando de tal forma dos ideais que estavam presentes em sua origem que acabou repudiado pelos mesmos trabalhadores que, antes, votavam maciçamente no partido.
Com isso, fica claro que o eleitorado europeu não está mais perdoando aos partidos de Esquerda e Centro-Esquerda que traem os seus compromissos com a classe trabalhadora e os mais pobres, passando a rejeitá-los nas urnas. O Pasok grego foi literalmente dizimado nessa eleição e dificilmente irá se recuperar do fortíssino processo de desgaste e de enfraquecimento que sofreu. O partido praticamente acabou.
Entendo que isso aconteceu com o Pasok serve de sinal de alerta para o PT brasileiro. Caso o governo Dilma opte por impor políticas de ajuste econômico que venham a sacrificar os interesses dos trabalhadores e a poupar os privilégios das elites, então ele poderá ter o mesmo destino do Pasok.
Que o Brasil precisa promover ajustes em sua economia, isso é inegável, como já escrevi aqui, mas se o custo de tal ajuste recair, principalmente, sobre as costas dos trabalhadores e dos mais pobres, estes poderão acabar por virar as costas ao PT nas próximas eleições, incluindo a eleição presidencial de 2018.
Abre o olho, Dilma! Te cuida, PT!

Link:

Porque os eleitores gregos abandonaram o Pasok, que tinha o voto dos trabalhadores e que já foi o maior partido do país por muitos anos:

Nenhum comentário: