Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Brasil passa por mudança de ciclo econômico em meio a uma crise econômica mundial que ainda está longe de terminar! - Marcos Doniseti!

Brasil passa por mudança de ciclo econômico em meio a uma crise econômica mundial que ainda está longe de terminar! - Marcos Doniseti!

Nos EUA, mesmo com taxa de juros de 0% ao ano, o PIB caiu 0,7% no 1o. trimestre de 2015. A UE estagnou e crescimento dos emergentes desabou, incluindo China e Índia. 


PIB chinês desacelerou fortemente a partir da crise global de 2008, mesmo com o governo do país adotando medidas de estímulo.

Apenas no primeiro trimestre deste ano o PIB dos EUA despencou 0,7%, muito mais do que o do Brasil, que diminuiu 0,2%. 

Atualmente, na União Europeia a taxa de desemprego está em 10%, sendo que a mesma chega a 10,4% na França,11,3% na Zona do Euro,13% na Itália,13,4% em Portugal, 23,8% na Espanha e a 25% na Grécia. 

Na China a taxa de crescimento econômico despencou de quase 14,2% ao ano, em 2007, para 7% ao ano atualmente, passando por um brutal processo de desaceleração, que somente não foi maior devido às medidas de estímulo adotadas pelo governo chinês. Na Índia, outra economia emergente de rápido crescimento nas últimas décadas, o crescimento desabou de 9% para cerca de 4,5% a 5% ao ano. 

Na América Latina o crescimento também desmoronou e, segundo a Cepal, a taxa de expansão ficou abaixo de 1,5% em 2014, sendo que vários países estagnaram ou entraram em recessão, incluindo as principais economias da região (Brasil, Argentina, México, Chile, Venezuela). 

Além disso, a dívida pública dobrou em muitos países ricos. Vejam esse ranking da dívida pública pelo mundo afora:

Grécia: 177,1% do PIB;
Itália: 132,2% do PIB:
Portugal: 130,2% do PIB;
Bélgica: 106,5% do PIB;
Cingapura: 105,5% do PIB;
EUA: 101,5% do PIB;
Espanha 97,7% do PIB;
França: 95,0% do PIB;
Zona do Euro: 91,9% do PIB;
Reino Unido: 89,4% do PIB;

Canadá: 89,1% do PIB;
Egito: 87,1% do PIB;
Áustria: 84,5% do PIB.
Alemanha: 74,7% do PIB;
Índia: 67,7% do PIB;
Brasil: 58,9% do PIB.

Obs: A dívida pública em questão é a Bruta. No caso da Dívida Pública Líquida, a do Brasil é de 33,8% do PIB (Link: http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOLFISC).


O Salário Mínimo subiu bastante, acima da inflação, no período de 2003-2015, enquanto o desemprego desabou.
Na UE a crise é tão grave que o BCE teve que iniciar um programa de estímulo monetário a fim de tentar evitar uma crise deflacionária, que é a ante-sala da Depressão econômica. Mas ele está fazendo isso muito tarde. Nos EUA, o FED adotou essa política em 2009 e a mesma contribuiu para estimular a economia ianque, embora a taxa de juros de 0% ao ano ainda esteja vigorando, o que não deixar de ser uma demonstração de fraqueza da economia dos EUA. 

Afinal, se a situação econômica do país estivesse devidamente normalizada, é mais do que evidente que a taxa de juros do FED já estaria positiva há muito tempo. 

Além disso, se não fosse pelos investimentos públicos feitos pelos governos Lula e Dilma entre 2008-2014 o Brasil teria entrado em recessão já em 2008, tal como aconteceu nos países ricos.

A Petrobras, por exemplo, elevou fortemente os seus investimentos nos governos Lula e Dilma, contribuindo de maneira significativa para a continuidade do crescimento econômico do país no período 2008-2013, ao mesmo tempo em que mundo todo mergulhava na pior Crise econômica mundial desde a Grande Depressão dos anos 1930. 

Somente nos primeiros quatro meses deste ano os investimentos da empresa chegaram a quase R$ 22 bilhões. Que outra empresa investiu tanto quanto ela, no Brasil, no mesmo período de tempo? Nenhuma.

A Petrobras também é a empresa que mais investe em produção e em investimentos em pesquisa no Brasil (ela possui a tecnologia mais sofisticada do mundo para extração de petróleo em águas profundas) e o que os tucanos e neoliberais desejam? Destruir a empresa, para justificar uma futura privatização da Petrobras, caso a Direita retrógrada e entreguista venha a governar o país futuramente. 

E a política de conteúdo nacional também adotada pelos governos Lual e Dilma também fortalece empresas brasileiras e gera renda e empregos aqui no Brasil, algo que os tucanos e neoliberais odeiam, pois eles preferem gerar empregos nos EUA, em Cingapura, na Coréia, na UE, etc. 

Sempre que uma pessoa não tem argumentos para debater, utiliza-se de alguma frase idiota a respeito das estatísticas. Há várias delas por aí que, quando uma pessoa não tem mais argumentos, ela acaba por utilizar. 

Os dados que postei aqui são públicos e notórios, bastando saber, e querer, pesquisá-los. Foi o que eu fiz. Na era da Internet não há mais desculpas para a desinformação. 

Alguns dizem que o Brasil se beneficiou com a 'demanda chinesa' por commodities, o que levou a um forte aumento dos preços destas até 2008. 

Isso é verdade.


As classes ABC se expandiram fortemente no Brasil entre 2003-2014, enquanto as classes DE diminuíram bastante, fruto do crescimento econômco e da inclusão social que tivemos no período.
Mas o caso concreto é que NÃO foi apenas o Brasil, mas TODOS os países exportadores de commodities que  se beneficiaram com a 'demanda chinesa' pelas mesmas, principalmente os países da América Latina, do Oriente Médio e da África, que são grandes exportadores destes produtos. E na medida em que os preços delas cairas, todas as economias destes países passaram a crescer muito menos ou entraram em recessão. 

Exemplo: O preço do cobre no mercado internacional cresceu mais de 300% entre 2003-2007, beneficiando imensamente o Chile, que é o maior exportador mundial do produto (que, sozinho, responde por cerca de 50% das exportações chilenas). 

Depois ele desabou e o Chile foi bastante prejudicado com isso. 

O preço do barril de petróleo chegou aos US$ 150, beneficiando os países exportadores do produto, e despencou em 2014, prejudicando aos mesmos. Atualmente, está em US$ 65 o barril. 

O que faliu no mundo todo foi a política neoliberal, de livre-mercado, que está sendo repudiada no mundo todo, vide os resultados das recentes eleições realizadas na Grécia e na Espanha, bem como no Brasil em 2014. 

A Petrobras é a empresa que mais investe em produção e em investimentos em pesquisa no Brasil (ela possui a tecnologia mais sofisticada do mundo para extração de petróleo em águas profundas) e o que os tucanos e neoliberais desejam? Destruir a empresa, para justificar uma futura privatização da Petrobras, caso a Direita retrógrada e entreguista venha a governar o país futuramente. 

E repito: se não fossem pelas políticas anti-cíclicas keynesianas que Lula e Dilma adotaram o Brasil já estaria em recessão desde 2008. Elas é que impediram isso. 

A UE não adotou tal política (de estímulo monetário, que foi implantada pelo FED ianque em 2009) e está colhendo os frutos desse erro, com uma taxa de desemprego altíssima, que chega a 25% na Grécia. 

Afinal, por quais motivos vocês acham que os gregos elegeram o Syryza (Centro-Esquerda) e o PP espanhol foi derrotado nas recentes eleições espanholas? 

É que simplesmente ninguém mais aguenta as políticas neoliberais de livre-mercado e de arrocho salarial e eliminação de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários.

O modelo neoliberal é um fracasso total e não há como negar isso. Ele gerou um aumento brutal da concentração de renda, da pobreza, da miséria e do desemprego pelo mundo afora. 

Basta ver que em função da sua crise, que começou em 2007-2008, 61 milhões de trabalhadores ficaram desempregados no mundo todo e a concentração de renda, a pobreza e a miséria cresceram em todos os países desenvolvidos. Nos EUA, país mais rico do mundo, quase 48 milhões de pessoas somente conseguem comer porque ganham um cupom de alimentação do governo. Se não fosse por isso, elas morreriam de fome. 

Os coxinhas e reacionários dizem que o PT seria 'incompetente' para governar.

O PT é tão incompetente que, hoje, o Brasil possui reservas internacionais de US$ 371 bilhões (eram de US$ 16 bilhões quando Lula tomou posse), tem o 7o. maior PIB Mundial (era o 15o. quando Lula tomou posse), possui a menor taxa de desemprego da sua história (ficou em 4,8% na média anual em 2014), pagou integralmente a dívida com o FMI (do qual, hoje, o Brasil é credor), tirou 40 milhões da miséria, promoveu a ascensão social de 50 milhões de pessoas (40 milhões subiram para a classe C e outros 10 milhões subiram para as classes AB).

Os governos Lula e Dilma tambem tiraram o Brasil do Mapa da Fome da ONU, elevaram a produção do pré-sal para 800 mil barris diários em apenas 8 anos, construíram mais de 2 milhões de moradias pelo MCMV, beneficiaram mais de 2 milhões de estudantes com a criação do ProUni, aumentaram a produção de grãos de 97 milhões para 202 milhões de toneladas.

Os governos Lula e Dilma construíram 422 escolas técnicas federais e 18 novas universidades federais e criou todos os principais instrumentos de combate à corrupção existentes atualmente (CGU, Lei da Transparência, Lei Anti-Corruptores, 12.846, fortalecimento da PF, respeito à autonomia do MPF, Lei de Acesso à Informação), acabando com a política de empurrar a roubalheira para embaixo do tapete, como acontecia até antes do governo Lula, o que somente beneficiava os corruptos e os corruptores. Chamar essas conquistas (e olha que não citei todas) de 'incompetência' somente pode ser fruto de desinformação e de fanatismo. 


Maiores economias do mundo em 2013, segundo o FMI. Brasil chegou ao 6o. maior PIB mundial. 
E os investimentos externos produtivos, no governo Dilma, bateram recorde histórico, chegando a US$258 bilhões entre 2011-2014, sendo que em 2014 o Brasil foi o 4o. país do mundo que mais atraiu IED, ficando atrás apenas da China, EUA e Cingapura. 

E algumas pessoas dizem que a inflação no Brasil, hoje, seria 'altíssima'. Errado! Ela não é altíssima coisa nenhuma. 

Segundo o IGP-M, da FGV, a taxa acumulada nos últimos 12 meses (Junho de 2014 a Maio de 2015) é de apenas 4,1%. Em Maio de 2014 o índice acumulado nos 12 meses anteriores era de 7,8%. E em Dezembro de 2002 (governo FHC) o índice acumulado nos 12 meses anteriores era de 25,3%. 

Então, inflação altíssima era o que tínhamos em 2002, no governo FHC.

E também temos diplomatas brasileiras comandando a FAO e a OMC, algo que mostra claramente o prestígio internacional conquistado pelo país. E ainda  conquistamos o direito de organizar a Copa do Mundo (um evento que foi elogiadísismo pela mídia mundial e que agradou imensamente aos turistas estrangeiros que vieram assistí-lo ou participar do mesmo) e das Olimpíadas para o país.

Também fazemos parte dos BRICS, entidade que está modificando o cenário geopolítico mundial. E os recentes investimentos que foram anunciados pelo governo chinês aqui no Brasil, no valor de US$ 53 bilhões, mostram que o país tem muito a lucrar com esse processo de integração soberana à economia global, privilegiando os acordos com os países emergentes, cujas economias crescem muito mais do que a dos países ricos e isso acontece já há várias décadas. 

E se não fosse pela criminosa e mentirosa campanha negativa promovida pela Grande Mídia reacionária e mentirosa, que ficou dizendo durante vários anos seguidos que o país iria passar vergonha perante o mundo com a realização da Copa do Mundo e que esta seria um caos, poderíamos ter recebido muito mais turistas estrangeiros para este evento, que tem alcance mundial. 

Assim, a realização da Copa 2014 permitiu uma divulgação altamente positiva do país por toda a Mídia mundial.

O Brasil passa, sim, por dificuldades momentâneas, fruto do agravamento da crise econômica mundial. E este agravamento atingiu a todos os países, praticamente, sem exceção.

Com esta piora, a China, a Índia e todos os outros países emergentes passaram a crescer muito menos do que antes do início da crise. Além disso, a União Europeia estagnou e ficou à beira de uma Depressão (levando, inclusive, à mudanças no cenário político e eleitoral europeu, com o crescimento das forças de Esquerda e da Extrema-Direita em inúmeros países, casos da França, Grécia, Espanha, etc).


Taxa de inflação anual no Brasil entre 1995 e 2014.
O crescimento dos EUA é errático e se dá em um patamar reduzido, alternando períodos de expansão e de contração (como ocorreu no 1o. trimestre de 2015) da sua atividade econômica, mesmo com a taxa de juros do FED estando em 0% ao ano. Para uma economia não conseguir crescer com juros de 0% ao ano é porque a situação é bastante ruim, mesmo. Uma taxa de juros de 0% ao ano representa um grande estímulo para que tenhamos um aumento dos investimentos e do consumo mas, mesmo assim, a economia ianque patina. 

O Brasil está passando por um momento de transição em seu ciclo econômico. 

Até agora, o crescimento se dava em muito mais em função do aumento do consumo interno, das famílias, graças às políticas de aumentos reais de salários, de geração de empregos formais e de políticas de inclusão social. 

Agora, o crescimento econômico do país irá se dar mais em função de uma retomada das exportações e da substituição de importações (em função da desvalorização do Real), do aumento dos investimentos externos e privados (chineses, inclusive), bem como em infra-estrutura (energia, rodovias, ferrovias, aeroportos, portos) e nas cidades (transportes coletivos, por exemplo). 

Assim, as medidas de ajuste econômico adotadas pelo governo Dilma em 2015, os bons números do superávit primário do primeiro quadrimestre de 2015 (que a 
Grande Mídia escondeu e distorceu na cara-dura), junto com o anúncio de novas rodadas de concessões em infra-estrutura, a vinda dos gigantescos investimentos chineses, o fechamento do acordo com o México, a desvalorização do Real (que beneficiará as exportações e irá diminuir o déficit externo), a continuidade da política de aumento real anual para o salário mínimo e de manutenção dos gastos sociais, os investimentos em infra-estrutura urbana (tranportes coletivos, por exemplo) apontam para uma retomada da economia do país, muito provavelmente a partir do final deste ano e que, com certeza, terá continuidade em 2016 e nos anos seguintes.

Portanto, o país tem todas as condições de retomar o crescimento. E se a economia mundial ajudar um pouco, acelerando o seu ritmo de crescimento, então a retomada virá antes e será mais forte. 

Que assim seja.


Pela primeira vez na história, o Brasil não está presente no Mapa da Fome da ONU.

Links:

EUA: 47 milhões de pessoas somente conseguem comer porque recebem o Food Stamp:

http://www.washingtonpost.com/blogs/wonkblog/wp/2013/09/23/why-are-47-million-americans-on-food-stamps-its-the-recession-mostly/

Brasil praticamente erradicou a pobreza extrema, diz Banco Mundial:

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/04/23/politica/1429790575_591974.html

Dívida Pública pelo mundo:

http://pt.tradingeconomics.com/country-list/government-debt-to-gdp

Investimentos externos produtivos no Brasil chegam a US$ 196 bilhões entre 2011-2013:

http://guerrilheirodoanoitecer.blogspot.com.br/2014/01/brasil-recebeu-quase-us-196-bilhoes-em.html

Investimentos externos produtivos no Brasil chegaram a US$ 62 bilhões em 2014, abaixo apenas da China, EUA e Cingapura:

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,pela-1-vez-china-supera-eua-como-maior-destino-de-investimentos,1626546

Safra de grãos do Brasil passará de 200 milhões de toneladas em 2015:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-04/conab-estima-safra-de-graos-20142015-acima-de-200-milhoes-de-toneladas

China anuncia investimentos de US$ 53 bilhões no Brasil:

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/19/politica/1432059277_211030.html

Dívida Pública Líquida do Brasil em Abril de 2015:

http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOLFISC

Petrobras investiu R$ 21,9 bilhões entre Janeiro e Abril de 2015:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-05/grupo-petrobras-concentrou-892-dos-investimentos-das-estatais-federais-em

Pacote de concessões em infra-estrutura deverá chegar a R$ 150 bilhôes:

http://www.valor.com.br/brasil/4023418/pacote-de-concessoes-em-infraestrutura-deve-somar-r-150-bilhoes

Crise global desempregou 61 milhões de trabalhadores:

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2015/01/desemprego-no-mundo-vai-crescer-nos-proximos-cinco-anos-preve-oit-578.html

CEPAL mostra queda do crescimento da América Latina em 2014:

http://nacoesunidas.org/cepal-taxa-de-crescimento-do-pib-da-america-latina-diminuiu-em-2014-e-fica-abaixo-de-15/

Queda do PIB dos EUA no primeiro trimestre de 2015 chegou a 0,7%:

http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/05/eua-revisam-pib-do-1-trimestre-para-queda-de-07.html

Queda dos preços das commodities no mercado internacional:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/05/130520_commodities_queda_crescimento_america_latina_lgb

Taxas mensais e anuais de inflação, medida pelo IGP-M, entre 1994 e 2015.

http://portaldefinancas.com/igp_m_fgv.htm

Crescimento chinês fica em 7% no primeiro trimestre de 2015, menor ritmo desde 2009:

http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/04/pib-da-china-avanca-7-no-primeiro-trimestre-o-pior-ritmo-em-6-anos.html

Preço do barril de petróleo está abaixo de US$ 65:

http://br.investing.com/commodities/brent-oil-historical-data

Nenhum comentário: