Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Espanha: PSOE promove 'guinada progressista'; Podemos, Izquierda Unida e forças progressistas se aproximam e tentam criar uma 'Unidade Popular'! - Marcos Doniseti!

Espanha: PSOE promove 'guinada progressista'; Podemos, Izquierda Unida e forças progressistas se aproximam e tentam criar uma 'Unidade Popular'! - Marcos Doniseti!
Pedro Sánchez (PSOE) e Pablo Iglesias (Podemos) já estão dialogando no sentido de aproximar as duas forças políticas. Líder do PSOE promove guinada progressista no partido que, quando governou a Espanha pela última vez, adotou políticas neoliberais, mas que diz que isso foi um erro.  
Na Espanha, após os bons resultados alcançados pelo Podemos e por outras forças Progressistas nas eleições de 24 de Maio passado as forças de Esquerda e Centro-Esquerda espanholas começaram um intenso prócesso de diálogo e de aproximação, visando a criação de uma força política unificada que possa vir a disputar a eleição geral de Novembro, para o Parlamento da Espanha, com chances reais de vitória. 

O Podemos e as forças progressistas venceram a eleição em Barcelona e elegeram muitos conselheiros na capital, Madri (o que impediu o PP de formar um governo majoritário na cidade) e por todo o país, conseguindo conquistar muitops resultados bastante favoráveis, principalmente nas grandes cidades espanholas (Valencia, Zaragoza, Sevilha, etc). 

O líder da Izquierda Unida​, Alberto Garzón, inclusive, já conseguiu convencer a maioria dos membros de sua organização, uma das mais antigas e tradicionais da Esquerda espanhola, a trabalhar neste sentido, ou seja, de se promover a unidade das forças progressistas, incluindo o Podemos. E ele também disse que irá iniciar uma rodada de diálogo com Pablo Iglesias e outros líderes progressistas espanhóis. 

Quem mais resistia a isso, o líder Gaspar Llamazares, da mesma IU, também declarou o seu apoio à esta iniciativa, embora ressaltando que a IU deverá se manter como um grupo político que preserve a sua identidade. Mas o principal, que é aceitar a ideia de unificar as forças progressistas, já foi aceito por ele, o que manterá a unidade da IU.

Aliás, nestas eleições municipais e regionais realizadas em 24 de Maio, na Espanha, muitos líderes e eleitores da Izquierda Unida já tinham se unido ao Podemos, tal como aconteceu em Madri, por exemplo.

Em Valencia, que há mais de 20 anos é governada pelo PP (direita neoliberal), uma força política progressista (Compromís) conseguiu o apoio do PSOE e da Valencia em Comú e irá formar o primeiro governo progressista da cidade em mais de duas décadas. 

O mais importante deste fato é o apoio do PSOE, que parece estar voltando às suas origens de Centro-Esquerda/Esquerda, e se aproximando politicamente das novas forças progressistas que saíram fortalecidas das eleições de 24 de Maio.

Inclusive, o líder nacional do PSOE, Pedro Sánchez, declarou que o partido não irá se compor politicamente com o PP em lugar algum do país e somente aceitará participar de governos em aliança com as forças progressistas. 

E os líderes do PSOE, Pedro Sánchez, e do Podemos, Pablo Iglesias, já se encontraram a fim de tentar uma aproximação que permita que as duas forças se unam em cidades e regiões onde seus partidos ou coligações (dos quais suas forças políticas fizeram parte) foram bem votados, mas que necessitam de apoio mútuo para poder governar. 

Além disso, essa aproximação do PSOE com as novas progressistas espanholas já está deixando muito temeroso ao governo e aos líderes do PP, que já está criticando essa postura do partido. Este ainda se diz 'Socialista', mas quando governou a Espanha pela última vez adotou medidas conservadoras e neoliberais que prejudicaram os trabalhadores e beneficiaram aos interesses do sistema financeiro. 

Porém, essa guinada conservadora do PSOE lhe custou muito caro, levando-o a ser derrotado nas eleições gerais de 2011 e nas recentes eleições municipais e regionais de Maio deste ano, quando obteve 25% dos votos, que foi o seu menor patamar histórico. 

Hoje, no entanto, Sánchez diz que a adoção de políticas conservadoras foi um erro e que se o PSOE voltar a governar o país, o mesmo adotará políticas públicas identificadas com as posições da Esquerda. 

Ainda bem... 
Alberto Garzón, líder da Izquierda Unida, defende unificação das forças políticas e sociais progressistas da Espanha para vencer a eleição geral, ao Parlamento espanhol, que será realizada em Novembro. 
Estes resultados eleitorais negativos do PSOE ajudam a explicar, junto com a emergência de novas forças progressistas (principalmente o Podemos) na Espanha, essa guinada progressista que o líder nacional do PSOE está promovendo atualmente, com o objetivo de conquistar novamente o governo do país. 

Caso as forças de Esquerda e de Centro-Esquerda espanholas consigam atingir os seus objetivos e cheguem a criar uma força política unificada, e o PSOE continue no rumo de promover uma guinada progressista nesta campanha eleitoral, então, as chances de derrotar o governo neoliberal e direitista do PP em Novembro irão aumentar bastante.

E se isso acontecer não é de se duvidar que a Espanha venha a ser governada por uma coligação formada pela Esquerda Unificada (que poderá vir a criar uma 'Unidade Popular') e pelo PSOE, destronando o PP e os neoliberais direitistas do governo de um dos países mais importantes da Europa. 

E com isso o governo grego do Syriza, de Centro-Esquerda, não ficará sozinho no enfrentamento das políticas neoliberais e de arrocho na União Europeia, que tantos prejuízos já causaram aos trabalhadores e aos pobres do Velho Mundo, que sofrem muito com as políticas de arrocho salarial e de eliminação de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários que foram por praticamente todos os governos dos bloco europeu depois da explosão da crise neoliberal global de 2008-2008. 

Que assim seja.

Links:

Alberto Garzón atrai apoio da maioria da Izquierda Unida para unificar forças progressistas, com o objetivo de vencer eleição geral de Novembro:

http://www.eldiario.es/politica/Alberto-Garzon-IU-popular-generales_0_395111137.html

PP mostra preocupação com guinada à Esquerda do PSOE:

http://www.eldiario.es/politica/Gobierno-preocupado-Sanchez-medidas-izquierda_0_395460853.html

Valencia será governada por forças progressistas e com participação do PSOE:

http://www.eldiario.es/cv/Fumata-Ribo-alcalde-Valencia-PSPV_0_395460962.html

Podemos tentar unir Esquerdas; PSOE procura se aproximar de propostas de Esquerda, mas 'sem rupturas':

http://www.publico.pt/mundo/noticia/podemos-tenta-unir-esquerdas-psoe-imporse-como-unica-opcao-ao-pp-1697576

Pedro Sánchez e Pablo Iglesias se reúnem para promover pactos políticos:

http://www.eldiario.es/politica/Pedro-Sanchez-Pablo-Iglesias-Madrid_0_394760773.html

Líder da Izquierda Unida defende unificação de forças progressistas para vencer eleição de Novembro ao Parlamento:

http://www.elboletin.com/nacional/117538/garzon-listas-unidad-popular-carmena-colau.html

Nenhum comentário: