Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

A entrevista de Lula aos blogueiros e a 'Era da Estagnação' da economia global! (parte 2) - Marcos Doniseti!

A entrevista de Lula aos blogueiros e a 'Era da Estagnação' da economia global! (parte 2) - Marcos Doniseti!
Nelson Barbosa é um ministro da Fazenda que dá prioridade para a retomada do crescimento econômico.
Nesta semana, o ex-Presidente Lula concedeu uma entrevista a alguns blogueiros progressistas e li as redes sociais algumas pessoas afirmaram que a entrevista de Lula aos blogueiros foi feita de forma camarada, sem maiores questionamentos por parte destes ao ex-Presidente. 

Talvez tais pessoas não saibam que, numa entrevista, quem deve falar é o entrevistado e não o entrevistador... Esses críticos devem gostar muito é de William Bonner, Patrícia Poeta e Miriam Leitão que, quando entrevistam alguém do PT, fazem discursos, estúpidos e imbecis, intermináveis, e falam muito mais do que o entrevistado, ao qual interrompem o tempo inteiro. Agiram assim até mesmo com a Presidenta Dilma, durante a campanha eleitoral de 2014. 

Eles também disseram que Lula procurou, essencialmente, estimular a militância do PT com declarações otimistas a respeito do futuro do partido, que irá renascer das cinzas. 

Bem, o Presidente Lula é a principal liderança do PT e eu não conheço ninguém mais qualificado do que ele para animar a militância petista que, está, sim, precisando disso. 

E se o Presidente Lula não fizer isso, quem o fará? Já sei... Será o FHC...rs. 

Além disso, outro fato que poderá estimular a militância petista neste ano é a recuperação econômica do país, principalmente a partir do segundo semestre do ano.

Neste sentido, a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa e as medidas favoráveis ao crescimento que serão adotadas (ou já foram, em alguns casos) irão contribuir muito para se promover a retomada do processo de expansão da economia brasileira novamente.

Entre estas medidas, estão a maxidesvalorização do Real (que aumenta a competitividade das exportações e elevam o superávit comercial), o aumento da oferta de crédito pelos bancos públicos, as concessões no setor de infra-estrutura,  a continuidade da política de aumento real para o salário mínimo, a preservação das políticas de inclusão social e de distribuição de renda (exemplo: o reajuste dos benefícios previdenciários para quem ganha mais de 1 salário mínimo) e a manutenção da Selic ajudarão neste processo de retomada do crescimento econômico. 
Usina hidrelétrica de Belo Monte, que junto com as usinas de Jirau e Santo Antônio, irão gerar 32% mais energia do que a Usina de Itaipu.
A taxa Selic não subiu, ficou parada nos 14,25%, o que deixou o mercado financeiro e a Grande Mídia p... da vida. 

E hoje a taxa real de juros (que remunera o capital, sim) está em 3,75% ao ano, contra 12,5% no final de 2002 (juros de 14,25% menos 10,5% de inflação). Portanto, a remuneração do capital diminuiu bastante nos governos Lula e Dilma, até porque a Dívida Pública Líquida desabou de 60,4% do PIB para 34% do PIB. 

Nas últimas semanas tivemos uma significativa pressão política e social, até com manifestações, e declarações contrárias até de economistas tucanos ao aumento dos juros (Mendonça de Barros, que é ligado ao mercado financeiro, foi um dos que condenou essa possível elevação, que não aconteceu, felizmente). 

Se vocês entrarem no site do InfoMoney virão que a reação contra a decisão do Copom, de não aumentar a Selic,  foi violenta. Os especuladores só faltaram declarar guerra ao governo Dilma e pedir o enforcamento da Presidenta em praça pública. 

Mas podem choramingar à vontade, especuladores estúpidos, pois o Brasil não é mais devedor do FMI (agora somos credores) e não obedecemos mais às ordens do mesmo desde 2006, graças ao governo Lula.
Exportações brasileiras tiveram um crescimento considerável durante os governos Lula e Dilma. Com isso, o superávit comercial acumulado entre 2003-2015 soma US$ 327 bilhões. 
Se o FMI ainda ditasse as regras ao Brasil, como insistem em dizer alguns obtusos 'intelectuais' supostamente esquerdistas (que fazem uma análise política e econômica tão pobre e rasteira quanto a de um Kim Kataguiri), mas que não sabem 'lhufas' sobre Economia, não teríamos aumentos reais anuais para o salário mínimo todos os anos (FHC já defendeu o fim dessa política), não existiria PAC, nem Regime de Partilha do pré-sal (que o PSDB tentou extinguir já em 2015), nem Minha Casa Minha Vida e todas as estatais que sobraram do processo de privatizações que começou no governo Collor e que continuou até o governo FHC (BB, CEF, Petrobras, BNDES... lembram-se do Armínio Fraga na campanha eleitoral dizendo 'Não sei bem o que sobraria dos bancos públicos'?) seriam imediatamente privatizadas. Os gastos sociais seriam dizimados, algo que já foi defendido por Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central no governo FHC e que é um dos principais economistas do PSDB. 

É evidente que, nos governos Lula e Dilma, o Brasil não rompeu com o Capitalismo Global (até porque não existe outro modelo alternativo no mundo hoje, infelizmente) mas isso nem o Hugo Chávez (o governo venezuelano sempre pagou a sua dívida externa em dia). Nem o Vladimir Putin e tampouco o governo comunista da China o fizeram. 

Além do mais, os países membros dos BRICS estão, aos poucos, adotando medidas para fugir da hegemonia do capital financeiro dos EUA (Wall Street) e da dependência em relação ao Dólar, algo que deixa Wall Street de cabelo em pé, pois no dia em que o Dólar não for mais a moeda de reserva de valor do planeta (e nem a mais utilizada nas transações comerciais e financeiras internacionais), o Império Ianque irá desmoronar. 
Brasil foi o país que mais reduziu a fome no Mundo entre 2002 e 2014, segundo a ONU. 
Afinal, é a demanda por dólares que dá aos EUA os recursos necessários para fazer guerras, gastar US$ 1,5 trilhão ao ano com armamentos e estimular o  seu desenfreado consumismo interno. 

Mas esse é um processo que irá demorar décadas, como sabem muito bem os governos chineses (sempre pragmáticos e cautelosos) e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que são excelentes estrategistas e adotam medidas, hoje, mas com base numa visão de longo prazo. 

Aliás, não podemos esquecer que o Brasil faz parte dos BRICS apenas graças a Lula e Dilma... É bom não esquecer disso. Um governo tucano, de Marina Silva ou do PMDB retiraria o Brasil do grupo imediatamente, bem como faria o país virar as costas aos governos progressistas da América Latina. E com o Brasil e a Argentina nas mãos da retrógrada Direita Neoliberal, não seria nenhum absurdo dizer que as Esquerdas Progressistas latino-americanas ficariam em péssima situação, para dizer o mínimo. 

Aliás, não podemos esquecer, também, que o receituário neoliberal não é seguido, na íntegra, por nenhum dos países membros dos BRICS. Em todos eles temos uma significativa atuação do Estado na economia e na área social. 

Inclusive, o Brasil é o mais avançado neste aspecto entre os seus membros, com políticas sociais que são copiadas, adaptadas e imitadas no mundo todo, incluindo a Venezuela de Chávez-Maduro (que adotou uma versão do Minha Casa Minha Vida, chamada 'Grande Misión Viviendas') e a Bolívia de Evo Morales, que implantou uma versão do Bolsa Família. 

Se a política de Lula-Dilma fosse, de fato, neoliberal, como dizem estes intelectuais 'esquerdistas' obtusos, não teríamos tudo o que já citei antes: PAC, Regime de Partilha do pré-sal, aumento real anual para o salário mínimo, programas sociais, estatais com maior participação na economia (BB-CEF-BNDES baixaram os juros e tiraram mercado dos bancos privados), a Petrobras seria privatizada e desnacionalizada. Aliás, Lula fez exatamente o contrário disso... Seu governo aumentou a participação do Estado na empresa de 38% para 48% do controle acionário. 
Grécia: Dívida Pública disparou após o salvamento dos bancos privados falidos e da imposição de políticas neoliberais e de arrocho por parte da Troika (BCE, UE, FMI). 
Governos neoliberais não adotam tais políticas, embora 'intelectuais' obtusos não saibam disso, coitados.

E antes mesmo de estourar a crise global de 2008, o governo Lula-Dilma já tinha iniciado um processo de diminuição do superávit primário. 

E depois da crise de 2008 isso foi acelerado. De fato, a política do superávit primário foi abandonada por Lula e Dilma no pós-crise de 2008, o que foi fortemente denunciado pela Grande Mídia e pelos economistas neoliberais da oposição reacionária e golpista. Aliás, para 2016, a previsão é de que o governo brasileiro terá déficit primário e não superávit. Mas os 'intelectuais' obtusos não ficaram sabendo disso, coitados...

E se tam medida, a de abandonar a política do superávit primário, não tivesse sido adotada, simplesmente não seria possível a criação do  MCMV, do PAC, do aumento real do salário mínimo, de programas sociais e nem seria possível adotar uma política econômica anti-cíclica, tipicamente keynesiana, para se combater os efeitos da crise global de 2008. 

Tal política implicou na desonerações da folha de pagamento, no aumento da oferta de crédito pelos bancos públicos, reduções de impostos (automóveis, linha branca, móveis, construção civil, computadores), aumentos de salários, elevação dos gastos sociais, entre outras. Segundo cálculos, o total dos estímulos adotados pelo governo Lula, de 2008 em diante, chegou a espantosos 14% do PIB, fato este que foi devidamente escondido pela Grande Mídia e pelos próprios economistas. 
As privatizações da era Itamar-Collor-FHC  também foram inteiramente abandonadas por Lula e Dilma depois de 2006, ou seja, a partir do momento em que o Brasil não renovou mais o acordo com o FMI e pagou a dívida com o mesmo (do qual ainda se tornou o credor). 
Taxa de pobreza despencou no Brasil durante os governos Lula e Dilma. 
Na verdade, ocorreu exatamente o contrário. 

No governo de ambos, o Estado brasileiro comprou empresas e passou a investir em mais setores econômicos importantes. A Petrobras investiu em etanol, petroquímica, fertilizantes e energias renováveis, além do pré-sal, é claro. Aliá,s, José Serra atacou tal política, de expansão e fortalecimento da Petrobras, no ano passado, quando apresentou projeto de lei para tirar a empresa do pré-sal e entregar o mesmo às petroleiras estrangeiras. O Banco do Brasil, por sua vez, comprou a Nossa Caixa (que era do governo de SP) e incorporou bancos estaduais que FHC tinha colocado na lista de privatizações. 

E mesmo em plena era de crise global, os direitos trabalhistas foram ampliados, vide a PEC das Domésticas, que beneficia mais de 7 milhões de trabalhadores e, principalmente, de trabalhadoras e cujo perfil econômico e social é de baixa renda. 

Durante os governos Lula e Dilma, as reservas internacionais líquidas cresceram fortemente, passando de US$ 16 bilhões (2002) para US$ 369 bilhões (2016), o PIB do Brasil tornou-se o 7o. maior do mundo (era o 13o. em 2002), tivemos a construção e entrega de 2,5 milhões de casas pelo MCMV, 40 milhões de pessoas saíram da miséria, criaram-se mais de 20 milhões de empregos com carteira assinasda, o país saiu do Mapa da Fome da ONU e se adotou o mais amplo conjunto de políticas de inclusão social e de distribuição de renda da história do país. 

O ensino superior, no qual o Governo Federal atua, foi ampliado, como 18 novas universidades federais (FHC não fez nenhuma) e 422 novas escolas técnicas federais (FHC fez 11). Foi criado o Fundeb, que ampliou consideravelmente a transferência de recursos federais para que governos de estados e municípios possam investir em Educação. Se estes não investem o dinheiro como deveria, é outra história. Mas o dinheiro é enviado.

Portanto, existe uma sólida base a partir da qual o Brasil poderá retomar o crescimento já a parte de 2016. Mas para isso o governo Dilma precisa estimular a economia e mostrar para a população que a situação do país é muito melhor do que essa que a Grande Mídia, de forma desonesta e mentirosa, procura passar para as pessoas. É preciso vencer a batalhas das expectivas, a guerra da informação. Sem isso, tudo ficará muito mais difícil. 

A luta continua!
A Grande Mídia brasileira sempre foi contra as políticas que beneficiam os trabalhadores e os mais pobres. A campanha do jornal 'O Globo' contra a criação do 13o. Salário, durante o governo Jango, é um exemplo disso. 
Links:

Nelson Barbosa traça as estratégias para fazer o Brasil voltar a crescer:

http://jornalggn.com.br/noticia/as-estrategias-de-nelson-barbosa-para-a-economia

Lula: PT irá ressurgir das cinzas:

http://www.revistaforum.com.br/2016/01/20/lula-a-blogueiros-o-pt-vai-ressurgir-das-cinzas-muito-mais-forte/

Contas externas do Brasil em Novembro de 2015: Reservas Internacionais superam dívida externa bruta em US$ 29 bilhões:

http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPEXT

Desvalorização do Real promove substituição de importações:

http://abiquifi.org.br/estudo-ja-ve-substituicao-de-importacoes-em-alguns-setores/

Exportações de veículos cresceram 97,2% em Dezembro de 2015 (sobre o mesmo mês de 2014):

http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/01/exportacao-de-veiculos-cresce-25-em-2015-diz-anfavea

Governo Federal prevê déficit primário de 0,5% do PIB em 2016:

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN0R022K20150831

Governo Federal quer aumentar oferta de crédito e investimentos na construção civil para retomar crescimento em 2016:

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN0UZ1WG
O programa Minha Casa Minha Vida já construiu e entregou 2,5 milhões de moradias para a população de baixa renda. 
Governo Federal teve queda de 5,62% na arrecadação em 2015:

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN0UZ1IF

Brasil teve superávit comercial de US$ 19,7 bilhões em 2015:

http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/01/brasil-teve-superavit-comercial-de-us-19-7-bi-em-2015

Taxa Selic é mantida em 14,25% ao ano, contra inflação de 10,7%; Juro real é de 3,55% a.a.:

http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/01/taxa-basica-de-juros-e-mantida-em-14-25
Brasil é um dos países que mais atrai investimento estrangeiro produtivo no Mundo. Somente no primeiro mandato do governo Dilma foram cerca de US$ 260 bilhões. 
Salário Mínimo sobe para R$ 880 em 2016 e Salário Mínimo sobe para R$ 880 em 2016 e acumula aumento real de 77% desde 2003, diz Dieese:

http://www.vermelho.org.br/noticia/274597-2

Benefícios previdenciários acima de 1 salário mínimo tem reajuste de 11,28% em 2016:

http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2016/01/aposentados-que-ganham-acima-do-minimo-terao-reajuste-de-1128.html

Piso Salarial Nacional dos Professores tem reajuste em 11,36% em 2016:

http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/01/14/mec-anuncia-reajuste-de-1136-no-piso-salarial-dos-professores.htm

Economia Mundial: 'Era da Estagnação' veio para ficar:


Vídeo: Íntegra da entrevista de Lula com os blogueiros:

Nenhum comentário: