Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

O ajuste econômico já foi feito! Agora é hora de voltar a crescer! - Marcos Doniseti!

O ajuste econômico já foi feito! Agora é hora de voltar a crescer! - Marcos Doniseti!
Obras na usina hidrelétrica de Belo Monte. Investimentos em infra-estrutura irão contribuir para a retomada do crescimento econômico.
A principal parte do ajuste econômico brasileiro, que é o das contas externas, já foi feito. 

Agora, as prioridades do governo federal devem ser:

1) Derrotar o Golpe contra Dilma no Congresso Nacional de forma definitiva. 

Isso permitirá que o país volte a desfrutar de um mínimo de estabilidade política, o que será fundamental para que se retome o crescimento econômico;

2) Mostrar para a população que a situação econômica e financeira do país é muito melhor do que a Grande Mídia e a oposição reacionária e golpista dizem. 

Exemplos: 

Temos o 7o. maior PIB mundial (de US$ 2,3 trilhões em 2014), reservas internacionais de US$ 369 bilhões (que superam a dívida externa total, que é de US$ 340 bilhões), superávit comercial de quase US$ 20 bilhões em 2015 e somos o 5o. país que mais recebe investimentos externos produtivos no Mundo (US$ 70 bilhões/ano);

3) Estimular os investimentos produtivos e o consumo novamente.

É preciso aumentar os investimentos públicos na área social e na infra-estrutura (com o programa de concessões em ferrovias, portos, rodovias e hidrovias, metrôs, saneamento básico), aumentar a oferta de crédito para investimentos e consumo; elevar o orçamento da saúde e da educação; lançar o Minha Casa Minha Vida 3;

4) Reduzir a taxa Selic.

A inflação será bem menor em 2016 e deverá ficar próxima do teto da meta, em torno de 6,5%, contra uma taxa de 10,5% em 2015. Com isso, os juros (Selic) poderão ser reduzidos, estimulando o crescimento econômico;
O Brasil fechou 2015 com um superávit comercial de quase US$ 20 bilhões. A retomada dos elevados superávits comerciais irá contribuir para a retomada do crescimento econômico brasileiro. Para 2016 a previsão varia de um superávit de US$ 35 bilhões a US$ 50 bilhões. 
5) Ajuste das tarifas públicas já foi realizado. 

O preço dos combustíveis e de energia elétrica já foram reajustados em 2015, o que contribui para a recapitalização das também já foi feito, o que elevou a inflação em 2015. Mas em 2016 essa pressão inflacionária praticamente deixará de existir ou será muito menor do que foi em 2015. 

Estas tarifas foram reajustadas abaixo da inflação por vários anos seguidos (implicando em redução do seu valor real, como ocorreu no caso dos combustíveis) ou até foram reduzidas nominalmente (caso das tarifas de energia elétrica). 

Tal política de tarifas de serviços públicos, generosa com os consumidores, é possível de ser praticada em momentos de bonança econômica, mas em épocas de crise ela se torna inviável.

Porém não se pode esquecer que as tarifas reduzidas (de energia elétrica e de combustíveis) beneficiaram a população como um todo, que usou os recursos economizados para consumir, o que estimulou a economia;

6) Assinatura da MP que prevê o 'Acordo de Leniência'.

A aprovação desta MP, pela Presidenta Dilma, permitirá que as empreiteiras envolvidas na operação Lava Jato voltem a assinar contratos com o poder público, fazendo com que inúmeras obras públicas que foram paralisadas em função da operação Lava Jato (o que desemprego centenas de milhares de trabalhadores) possam ser retomadas. 

Exemplo disso são as obras da refinaria Abreu e Lima, que estão sendo reiniciadas; 
Exportações industriais brasileiras tiveram um crescimento expressivo nos últimos tempos, devido à desvalorização do Real. 
7) Ajuste das contas externas já está em andamento. Para isso, é necessário manter o dólar no patamar atual, entre R$ 3,80 e R$ 4,10, pelo menos. 

Essa desvalorização do Real permitirá o aumento das exportações, principalmente de produtos industrializados (o que já está acontecendo), e o início de um processo de substituição de importações (que também já está em pleno andamento);

Com essa cotação do dólar, a indústria brasileira recupera a sua competitividade interna e externa, que foi para o beleléu desde o lançamento do Plano Real, que supervalorizou a moeda nacional. 

Tal política cambial equivocada foi mantida pelos governos Itamar, FHC, Lula e Dilma (no primeiro mandato).

Isso irá permitir a recuperação, pela indústria brasileira, de mercados externos que foram perdidos para produtores de países concorrentes, principalmente para a China, pois a desvalorização da moeda nacional aumenta a rentabilidade das exportações. E isso também irá gerar um processo de substituição de importações. 

Os dois processos resultarão no aumento da produção industrial. 

E isso será fundamental para que tenhamos a retomada do crescimento econômico, visto que a queda da produção industrial foi um dos principais fatores que puxou a economia brasileira para baixo nos últimos anos. A perda de competitividade da indústria brasileira foi tão grande que o déficit comercial do setor passou de US$ 105 bilhões em 2013. Agora, com a desvalorização do Real, esse déficit já está sendo substancialmente reduzido.
O Salário Mínimo foi reajustado em 11,67% em 2016, subindo para R$ 880. É o maior poder de compra desde 1979. 
Os gastos de turistas brasileiros no exterior também irão contribuir para esse ajuste das contas externas, pois os mesmos despencaram de US$ 25 bilhões/ano para o patamar de US$ 6 bilhões/ano (foram de apenas US$ 505 milhões em Novembro de 2015). 

Isso reduzirá substancialmente (como também já está ocorrendo) o déficit externo brasileiro, que passou de US$ 100 bilhões em 2013 e que deverá ficar em torno de US$ 40 bilhões em 2016 (foi de US$ 2,9 bilhões em Novembro, o que dá menos de US$ 36 bilhões em termos anuais).

E a balança comercial, que se tornou deficitária na época da supervalorização do Real (1995-2000 e em 2013), agora voltou a ser superavitária. Em 2015, o superávit comercial ficou em quase US$ 19,7 bilhões, sendo o maior desde 2011. E para 2016 a previsão é de um superávit comercial ainda maior. As estimativas vão de US$ 35 bilhões a US$ 50 bilhões;

8) Manutenção e preservação das políticas de inclusão social (MCMV, Bolsa Família, continuidade da política de aumento real para o Salário Mínimo, etc) também irão contribuir para a recuperação da economia, pois as mesmas servem como um colchão que ameniza os efeitos da crise econômica e ajuda a sustentar o consumo dos trabalhadores e dos mais pobres. 
Reservas internacionais líquidas brasileiras cresceram de US$ 16,3 bilhões (2002) para US$ 379 bilhões (2014). Atualmente, elas estão em US$ 369 bilhões. Elas superam a dívida externa total do país, que é de US$ 340 bilhões. 
Derrota do Golpe contra Dilma, inflação e juros em queda, campanha de informação sobre a real situação do país para a população, cotação do dólar que beneficia a indústria e os exportadores, aumento dos investimentos produtivos (plano de concessões, MCMV 3), preservação das políticas sociais, aumento real do salário mínimo, déficit externo despencando, ajuste das tarifas públicas, maior competitividade externa (da indústria, em especial).

Tudo isso fará com que o Brasil inicie um novo ciclo de crescimento econômico (tal como aquele que tivemos entre 2004-2013), já a partir do segundo semestre deste ano. E com isso as políticas de inclusão social e de distribuição de renda poderão ser mantidas e aprofundadas.

Que assim seja. 

Links:

Marcio Pochmann: Economia voltará a crescer já em 2016:

http://www.revistaforum.com.br/2016/01/05/pochmann-preve-inicio-da-recuperacao-economica-ja-em-2016/

Superávit comercial passa de US$ 19,6 bilhões em 2015:

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2016/01/balanca-comercial-tem-superavit-de-us-19-6-bilhoes-em-2015-o-maior-desde-2011-8569.html

Contas externas brasileiras em Novembro de 2015:

http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPEXT

Aumento real do salário mínimo chega a 77% desde 2003 e injeta R$ 57 bilhões na economia:

http://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2015/12/aumento-real-do-minimo-chega-a-77-desde-2002-e-injeta-r-57-bi-na-economia-8046.html

Economia chinesa desacelera, moeda se desvaloriza e bolsas de valores do país despencam:

http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2016/01/moeda-chinesa-cai-ao-nivel-mais-baixo-frente-ao-dolar-desde-2011-2885.html
Programa Minha Casa Minha Vida contribui para melhorar a vida da população de menor renda e, ao mesmo tempo, estimular o crescimento econômico e gera centenas de milhares de novos empregos. E dizer que o PSDB e a oposição golpista desejam destruir os programas sociais, tal como já defendeu o economista tucano Gustavo Franco (ex-presidente do Banco Central no governo FHC).
Déficit comercial da indústria brasilera foi de US$ 105 bilhões em 2013:

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,industria-tem-em-2013-deficit-comercial-de-us-105-bilhoes-o-maior-da-historia-imp-,1118176

Deficit comercial da indústria eletroeletrônica cai 16% entre Janeiro e Julho de 2015:

http://convergecom.com.br/tiinside/14/08/2015/deficit-comercial-do-setor-eletroeletronico-cai-16-nos-primeiros-sete-meses-do-ano/

Indústria brasileira substitui importações pela produção nacional:

http://ggnnoticias.com.br/noticia/industria-substitui-importacao-por-produto-nacional-com-real-desvalorizado

Desvalorização do Real estimula produção da indústria nacional: 

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2015/09/desvalorizacao-cambial-estimula-criacao-de-empregos-na-industria-326.html

Desvalorização do Real aumenta rentabilidade das exportações:

http://dana.com.br/canaldana/2015/09/14/cambio-eleva-rentabilidade-de-exportacoes-da-industria/

Movimentos sociais estão otimistas com a retomada do crescimento econômico:

http://www.vermelho.org.br/noticia/274752-8

Brasil dá sinais de vitalidade no comércio internacional:

http://www.vermelho.org.br/noticia/274753-2

O novo salário mínimo e o fim da 'Era Levy':

http://www.vermelho.org.br/noticia/274745-2


Dilma prepara 'novo PAC' para estimular a construção civil:


Nenhum comentário: