Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 13 de março de 2016

Desde 2015 que as 'Marchas dos Coxinhas' só conseguem atrair os mais ricos e os insatisfeitos com a derrota na eleição presidencial de 2014! - Marcos Doniseti!

Desde 2015 que as 'Marchas dos Coxinhas' só conseguem atrair os mais ricos e os insatisfeitos com a derrota na eleição presidencial de 2014! - Marcos Doniseti!
Dilma precisa recuperar a popularidade perdida adotando, novamente, a mesma política social-desenvolvimentista do seu primeiro mandato, que tornou possível a sua vitória na eleição presidencial de 2014. 
Governo Dilma precisa retomar o projeto Social-Desenvolvimentista, que caracterizou o seu primeiro mandato, bem como o segundo mandato de Lula. 

Amanhã, se o Datafolha fizer pesquisa hoje na Avenida Paulista sobre o perfil dos manifestantes, veremos uma manchete semelhante à de 2015, que foi essa aqui:

'Revista Fórum: Datafolha - “Elite branca era maioria na Paulista": 

http://www.revistaforum.com.br/2015/08/18/datafolha-elite-branca-era-maioria-na-paulista/

Duvido que essas manifestações de hoje tenham mudado tal cenário, de elitização dos protestos contra o governo Dilma, fenômeno que ocorre desde 2015.

Tais manifestações partem dos segmentos da população que desfrutam de melhores condições de vida (classe média tradicional) e que não aceitam a ascensão social dos mais pobres, pois estes, a partir dos governos Lula e Dilma, passaram a desfrutar dos mesmos símbolos de status que ela possui (carro zero km, casa própria, curso superior, viajar de avião, frequentar restaurantes) e que, antigamente, a diferenciava dos trabalhadores assalariados. 

E os grandes capitalistas brasileiros não desejam que os pobres cheguem à faculdade, pois daí ela não terá mais mão-de-obra barata, escrava e semi-escrava, para poder explorar e, assim, acumular ainda mais capital. 

A burguesia brasileira ficou viciada em acumular capital à custa da exploração da exploração de trabalho escravo e semi-escravo, ou seja, de mão-de-obra barata, algo que ela fez durante mais de quatrocentos anos. De fato, não é fácil abandonar velhos hábitos. 

Obs: Marx e Engels explicam... É Engels, viu, promotores tucanos de SP??? 
Esse é o perfil de quem protesta contra Dilma: Empresário não paga salários, 13o. salário e FGTS aos seus empregados e, ao mesmo tempo, pede 'Fora Dilma'??? Haja hipocrisia. 
Esse foi o grande problema das manifestações reacionárias, dos coxinhas e golpistas, desde 2015: Elas não conseguem atrair o povão, a massa trabalhadora, que ganha até 3 salários mínimos, por mais que esta esteja descontente com a situação do país (e está, sem dúvida alguma). 

No Brasil, segundo o IBGE, 79% dos trabalhadores ganham até 3 salários mínimos mensais. Outros 10% ganham de 3 até 5 salários mínimos. Somando as duas faixas, dá quase 90% dos trabalhadores brasileiros que recebem até 5 salários mínimos. 

E estas manifestações anti-Dilma atraem, majoritariamente, aquela parcela da população que ganha acima de 5 salários mínimos mensais, sendo que mais de 40% deles ganham mais de 10 salários mínimos mensais (no Brasil todo estes são apenas pouco mais de 3% da PEA). 

E estas manifestações atraem também, essencialmente, o mesmo eleitorado que votou no candidato do PSDB à Presidência e que foi derrotado por Dilma em 2014. 

Portanto, o grande problema das inúmeras #MarchasDasCoxinhas que se realizam pelo Brasil afora desde 2015 é esse: quem protesta são mais ricos e os insatisfeitos com a derrota na eleição de 2014. 

E não passa disso. 
Resumindo a Marcha dos Coxinhas...
Tais manifestações não conseguem atrair a massa trabalhadora, o povão, a turma que pega ônibus e metrô precários todos os dias para trabalhar, que sua para pagar as contas todos os meses e que luta diariamente para melhorar de vida. E que conseguiu algumas conquistar importantes a partir dos governos Lula, devido à adoção de políticas como o ProUni, Fies, Enem, Luz Para Todos, Ciência Sem Fronteiras, Lei de Cotas, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, criação de 20 milhões de empregos com carteira assinada, redução do desemprego, aumento real de salários (principalmente para o salário mínimo), entre outros. 

Então, as manifestações coxinhas acabam sendo, ao mesmo tempo, uma choradeira dos derrotados na eleição presidencial de 2014 e um protesto dos mais ricos contra as mudanças em favor dos trabalhadores e dos mais pobres que tivemos no país a partir do governo Lula, com a criação dos programas de inclusão social e de distribuição de renda que já citei aqui. 
Governo Dilma tem que reforçar as políticas de inclusão social e de distribuição de renda, como a do aumento real anual para o salário mínimo, a fim de recuperar a popularidade perdida. 
E o povão, a massa trabalhadora, percebe que as mudanças defendidas pelos reacionários e golpistas, acabarão sendo prejudiciais para ele, então os mais pobres, os assalariados, a turma que ganha até 3 salários mínimos mensais, prefere ficar de fora dos protestos. 

E vejam que o esforço para atingir este objetivo foi monumental e foi o que não faltou nas últimas semanas. 

Iniciativas como a de atacar Lula sem parar (a Rede Globo não faz outra coisa ultimamente). 

Toda essa campanha contra Lula, bem como a tentativa de prendê-lo, visavam justamente quebrar a forte conexão existente que liga o maior líder trabalhista da história do país com os mais pobres, com os setores que mais se beneficiaram com as políticas de inclusão social que Lula adotou em seu governo e às quais Dilma deu continuidade. 

O objetivo de toda essa agressiva campanha midiática-judicial contra Lula era atrair estes pobres para as novas manifestações que se realizaram por todo o país no dia de hoje. O que os golpistas era quebrar o isolamento deles em relação às camadas populares, que sempre ficaram de fora destas manifestações golpistas e reacionárias, algo que ocorre desde que elas começaram a ser realizadas, em Março de 2015.

E com este isolamento em relação às camadas populares, os reacionários e golpistas não conseguem acumular força política e social suficientes para conseguir derrubar o governo Dilma e, desta maneira, colocar em prática o seu projeto político profundamente anti-nacional e anti-popular. 

Tal iniciativa golpista visa destruir os programas sociais (Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, ProUni, Fies, entre outros) e entregar as riquezas nacionais para o capital estrangeiro (principalmente a Petrobras e o petróleo do pré-sal). 

Assim, com a adoção destas políticas, seria possível destruir a capacidade de atuação do Estado brasileiro em favor da construção de uma Nação que seja caracterizada pela justiça social, democracia, soberania, enfim, por um processo de desenvolvimento econômico que seja soberano, democrático, inclusivo e sustentável. 
Se todos os brasileiros começarem a frequentar cursos universitários, onde é que a Grande Burguesia irá encontrar força de trabalho barata, semi-escrava, para poder explorar, hein? E daí, como é que ela poderá acumular capital para poder ficar ainda mais rica do que já é? E a classe mérdia neofascista, como é que poderá se diferenciar dos assalariados, e posar de burguês, se estes começarem a desfrutar dos mesmos benefícios que ela já tem há muito tempo (casa própria, curso superior, etc)? É por isso que os movimentos neofascistas e neonazistas atraem tanto os representantes da classe média como os do Grande Capital, unindo ambas as classes em um grande movimento reacionário e que adquire características totalmente contrárias aos interesses dos trabalhadores. E é justamente por isso que eles tem tanto ódio de Lula, Dilma e do PT.
Desta maneira, a crise política deverá continuar se arrastando por mais algum tempo, sem que tenhamos um desfecho claro para este conflito, que é uma nítida luta de classes, bem como pela sobrevivência de um Estado Nacional forte e atuante. 

Mas, nas atuais circunstâncias, nem o governo Dilma consegue derrotar, definitivamente, as forças reacionárias e golpistas, e tampouco estas conseguem se fortalecer o suficiente para derrubá-la do cargo. 

E com isso a crise vai se arrastando indefinidamente. 

Dilma poderia recuperar parte da popularidade perdida, bem como da sua força política, se direcionasse as ações do governo para uma clara política social-desenvolvimentista, que foi a marca forte do seu primeiro mandato (bem como do segundo mandato de Lula) e que foi o que tornou possível a sua, difícil e apertada, vitória em 2014. 

Sem isso, uma oposição elitista e reacionária continuará tendo força para, pelo menos, manter o seu governo acuado, conseguindo inviabilizar muitas das suas iniciativas, fazendo com que a superação das crises econômica, social e política fique cada vez mais distante. 

E daí, o governo Dilma chegará fortemente desgastado e enfraquecido em 2018, tornando muito difícil uma eventual vitória de Lula ou de qualquer outro candidato com perfil claramente progressista nas eleições que serão realizadas. 

Acorda, Dilma! Vamos recuperar o projeto do Social-Desenvolvimentismo Já! 

A luta continua!
Estudantes negros foram quase 58% dos inscritos no ENEM (em 2014), que é o principal mecanismo de seleção para estudantes que pretendem obter bolsas do ProUni e ter acesso ao Fies.  

Links:

Desde 2015, elite masculina e de alta renda é maioria nos protestos dos coxinhas e reacionários:

http://guerrilheirodoanoitecer.blogspot.com.br/2015/08/elite-masculina-de-alta-renda-e-de.html

Campanha pelo Impeachment de Dilma não conseguiu atrair a massa trabalhadora: 

http://guerrilheirodoanoitecer.blogspot.com.br/2015/08/afinal-porque-campanha-pelo-impeachment.html

Revista Fórum: Elite branca era maioria na Avenida Paulista: 

http://www.revistaforum.com.br/2015/08/18/datafolha-elite-branca-era-maioria-na-paulista/

Fies e Enem: Tudo a Ver:

http://fies.org/fies-precisa-do-enem.htm

PHA: Foi uma manifestação de brancos numa Nação negra:

http://www.conversaafiada.com.br/brasil/foi-uma-manifestacao-de-brancos-numa-nacao-negra

Nenhum comentário: