Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 13 de março de 2016

Porque Sérgio Moro é o instrumento do Grande Capital Financeiro Globalizado para destruir o Estado Nacional e inviabilizar o desenvolvimento do país! - Marcos Doniseti!

Porque Sérgio Moro é o instrumento do Grande Capital Financeiro Globalizado para destruir o Estado Nacional e inviabilizar o desenvolvimento do país! - Marcos Doniseti!
EUA querem tomar a Petrobras, uma das empresas mais eficientes do mundo, e o petróleo do pré-sal, que é de altíssima qualidade. E a operação Lava Jato foi feita justamente para isso. 
Extrema-Direita já tem dois candidatos a Presidente em 2018: Moro e Bolsonaro!

Afinal, qual é o papel de Sérgio Moro no Brasil? Simples: Desmontar o Estado Nacional, inviabilizando qualquer política autônoma de desenvolvimento econômico, social, industrial e tecnológica soberana. 

Com isso, as empresas públicas serão privatizadas e desnacionalizadas, as riquezas nacionais serão entregues às petroleiras e ao sistema financeiro ocidental, as políticas de inclusão social e de distribuição de renda implantadas pelos governos Lula e Dilma.

Discurso de Moro é simples: O Estado e as empresas brasileiras, de capital nacional, são corruptos. Logo, eles precisam ser destruídos. E todas as riquezas do país deverão ser entregues ao capital estrangeiro global que, este sim, é honesto, limpo, organizado, eficiente, competitivo, que nunca corrompeu e enganou ninguém, representando o que de mais atual e moderno existe no mundo.

Resumindo: Sérgio Moro é o Maurício Macri brasileiro.

Nas manifestações realizadas em São Paulo, no dia de hoje, dois dos principais líderes do PSDB, Alckmin e Aécio, foram hostilizados pelos manifestantes que se concentravam na Avenida Paulista. Com isso, eles nem conseguiram discursar para os manifestantes. Entre outras coisas, eles foram chamados de 'ladrões de merenda' e 'oportunistas'.

Desta maneira, os tucanos devem estar muito assustados com o monstro que ajudaram a criar. Eles embalaram o NeoFascismo, na vã esperança de destroçar Dilma-Lula-PT e, assim, ter condições de voltar ao poder. Mas, agora, o Neofascismo se voltou contra eles, tal como Aécio e Alckmin puderam comprovar na manifestação que ocorreu na Avenida Paulista, da qual foram escorraçados aos gritos de 'ladrões de merenda', 'oportunistas' e por aí afora. 

Isso mostra que o PSDB dificilmente terá condições de ter um candidato em condições de vencer a eleição presidencial de 2018, tal como sonham os tucanos desde a derrota para Lula em 2002. 

Com toda essa campanha feita pela Grande Mídia e pelo PSDB/Oposição Reacionária contra a classe política como um todo, na cabeça de grande parte da população todos os políticos são vistos como ladrões. E é por isso que Alckmin e Aécio foram hostilizados na Avenida Paulista.
Logo, está aberto o caminho para a ascensão de um Salvador da Pátria messiânico e neofascista no Brasil: Um Mussolini ou um Hitler.

Os dois únicos nomes que, parece, ter algum apoio mais significativo entre os manifestantes são os de Jair Bolsonaro e o de Sérgio Moro. Eles tem todas as condições de se apresentarem como candidatos que representarão a extrema-direita tupiniquim em 2018. 
Afinal, quem será o Mussolini brasileiro? 
Sérgio Moro é o candidato ideal para que o Grande Capital Financeiro Globalizado possa se apropriar (roubar) todas as riquezas do país, desmontando o Estado brasileiro. Tal política faz parte do PNAC (Projeto para um Novo Século Americano) e visa destruir os Estados Nacionais organizados de países em desenvolvimento que não se submetem aos interesses dos EUA, como é o caso do governo Dilma e foi, também, o de Lula. 
Aposto mais no Sérgio Moro e por vários motivos, que são: 

1) Ele é um 'não-político', embora a sua ação como juiz seja extremamente política; 

2) Ele tem apoio total da Rede Globo, que até já lhe deu um prêmio por sua atuação;

3) Ele é visto por muitos como alguém que combate a corrupção, embora ele poupe claramente os não-petistas desta política, principalmente os tucanos. Várias delações já foram feitas contra líderes tucanos no âmbito da operação Lava Jato, mas o juiz Sérgio Moro adotou a política do 'não vem ao caso' para estas delações.

Por sua vez, Jair Bolsonaro não tem nenhum destes trunfos. Com isso, Sérgio Moro tem tudo para ser transformado em um 'Mussolini justiceiro tupiniquim'.

E o melhor de tudo: Ele é fácil de controlar, pois não tem nenhum movimento político e social organizado lhe dando sustentação. Moro é como o Fernando Collor de 1989, que foi candidato pelo nanico PRN, e que, na época, também foi apoiado pela Grande Mídia, pela burguesia nacional e pelo Grande Capital internacional.

Logo, Moro tem tudo para ser o Collor de 2018. E o Tio Sam + Rede Globo + Wall Street estarão por trás, lhe dando todo o apoio necessário. A sua política em relação ao país está mais do que evidente nas suas ações como juiz, que despreza totalmente as empresas de capital nacional e a ação do Estado, seja na economia, seja na área social. A operação Lava Jato, inclusive, mostrou todo o seu caráter destrutivo ao derrubar o PIB brasileiro em 2,5% e provocar o desemprego de 1 milhão de trabalhadores brasileiros apenas em 2015.

Portanto, um eventual governo de Sérgio Moro será inteira e totalmente neoliberal, adotando uma política de total desmonte do Estado, e será voltado a atender integralmente aos interesses do Grande Capital Financeiro Globalizado, que está doido para se apossar das grandes empresas e riquezas do país, tais como o pré-sal, a Petrobras, o Banco do Brasil, a CEF, as grandes empreiteiras do país e por aí vai... 

Os países ricos precisam, desesperadamente, se apossar das riquezas dos países emergentes e passar a explorar, de forma muito mais brutal do que atualmente, a força de trabalho dos mesmos, para que possam superar a crise econômica na qual mergulharam a partir de 2008. A crise econômica global, iniciada em 2008, está muito longe de terminar. 

Embora a taxa de desemprego tenha caído nos EUA e na Alemanha, por exemplo, a imensa maioria dos novos empregos gerados são de baixos salários, sendo que muitos pagam apenas o salário mínimo, que não é muito elevado em nenhum dos dois países. Tanto isso é verdade que o pré-candidato do Partido Democrata, Bernie Sanders, defende dobrar o salário mínimo do país, elevando o mesmo de US$ 7,50/hora para US$ 15/hora.

E muitos dos bancos europeus passam por uma série crise atualmente, incluindo o Deutsche Bank e os bancos italianos. A situação dos bancos europeus é considerada pior do que na crise de 2008. E vejam que isso está acontecendo mesmo com o BCE adotando uma política de juros de 0% ao ano e injetando 60 bilhões de Euros, mensalmente, na economia europeia por meio da política de estímulo monetário (agora ele acabou de elevar esse valor para 80 bilhões mensalmente).
Esta política, que é defendida por Sérgio Moro, possui um nítido caráter neoliberal, entreguista e desnacionalizante e já foi adotada em vários momentos da história brasileira (governo Dutra, Castello Branco e Collor-FHC, em especial) e nunca funcionou. 

Inclusive, a operação Lava Jato contribuiu decisivamente para a forte queda do PIB brasileiro em 2015. Segundo estimativas da Consultoria Tendências a operação, sozinha, derrubou o PIB brasileiro em 2,5% apenas no ano passado. Logo, quase 2/3 da queda de 3,8% do PIB que tivemos em 2015 deveu-se à operação Lava Jato, que desmantelou várias das grandes empreiteiras nacionais e paralisou inúmeras e importantes obras de infra-estrutura por todo o país. Tais ações do juiz Sérgio Moro provocaram o desemprego de 1 milhão de trabalhadores no ano passado.
Livro de Moniz Bandeira, lançado em 2013, é fundamental para se compreender a atual estratégia de dominação global por parte dos EUA e dos seus aliados. E o PNAC definiu tal estratégia, que está sendo implantada no mundo todo. A destruição de Estado Nacionais fortes e organizados que não se submetem aos interesses ianques é um elemento essencial do PNAC. Líbia, Síria, Iraque já foram algumas das vítimas da mesma. Agora, as garras do Império Neonazista dos EUA se voltaram para a América Latina. 
Tal política é uma receita de tragédia certa para o Brasil e o seu povo, tal como Mussolini também foi para a Itália. E para consertar o estrago depois, levará décadas. Se é que será possível consertar alguma coisa... Pobre país, que está indo ladeira abaixo devido a uma burguesia reacionária e de mentalidade escravocrata que se vendeu baratinho para o Grande Capital Financeiro Globalizado a fim de inviabilizar um governo de Centro-Esquerda Reformista e Nacionalista moderado, como foram os de Lula e é o de Dilma. E tal burguesia anti-nacional e anti-popular somente fez isso porque Lula e Dilma decidiram que o Estado brasileiro deveria controlar a maior riqueza já descoberta neste país (o petróleo do pré-sal) e também porque eles decidiram ampliar a participação dos mais pobres no bolo da riqueza nacional, começando a construir um país onde todos poderiam ter uma vida mais digna e não apenas uma meia-dúzia de gatos pingados. Estávamos dando apenas os primeiros passos de uma longa caminhada, é verdade, mas pelo menos o país estava no rumo certo, se desenvolvendo economicamente e promovendo a justiça social, sendo que isso era feito dentro de um clima de total respeito às regras do jogo democrático. Mas setores poderosos das elites retrógradas tupiniquins (Grande Mídia, Sistema Financeiro, Latifúndio Agro-Exportador) decidiram, claramente, por ordens vindas de fora (EUA, é claro) e por necessidade de sobrevivência (Grande Mídia, que está apavorada com a expansão da Internet, que tornará irrelevantes a TV e a mídia impressa nos próximos anos) ou por mera ganância, para aumentar a exploração da força de trabalho (setor industrial, de serviços e agro-exportador), romper com a Democracia e com a ideia de construção de um Estado Nacional desenvolvido e soberano. 
O Brasil aparece neste mapa como um dos países que sofreram intervenções dos EUA no Pós-Guerra. É claro que isso é uma referência ao Golpe de Estado de 1964, que derrubou o governo democrático de Jango. Tal golpe foi planejado, organizado e financiado pelos EUA. O governo de Jango tentava implantar, no país, as 'Reformas de Base' (agrária, tributária, urbana, financeira, universitária). Tal como as políticas de inclusão social dos governos Lula e Dilma, elas também defendiam uma melhoria nas condições de vida dos mais pobres por meio de um processo de redução das desigualdades sociais. 
Esta ruptura das burguesias capitalistas brasileiras com a ideia de Democracia e de respeito ao Estado Democrático de Direito explicam, em grande parte, os motivos pelos quais elas passaram a se utilizar de aparatos judiciais, midiáticos, investigativos, repressores e policiais para derrubar o governo Dilma e aniquilar Lula, o PT e as principais organizações das Esquerdas brasileiras. 

E também uma classe política cada vez mais assustada com as investigações e campanha agressivas feitas pela Grande Mídia-Justiça-PF-MPF contra ela. O ódio aos políticos como um todo é generalizado no Brasil atualmente. 

E tais investigações poderão levar uma boa parte da classe política (pelo menos aquela ligada ao PT, em especial) para a prisão. Isso ajuda a explicar porque o PMDB já fala em abandonar o governo Dilma, que jamais fez coisa alguma para impedir que tais investigações fossem levadas adiante, em nome de um 'Republicanismo' que acabou se revelando bastante ingênuo, pois deixou que inúmeros atos ilegais por parte de policiais federais acontecessem. E estes jamais foram punidos em função disso.

Tal política fez com que o ovo da serpente do Fascismo chocasse, novamente, no país. E agora o monstro do Neofascismo está à solta. E os tucanos já começaram a sofrer os efeitos do mesmo, tal como Aécio e Alckmin puderam constatar, hoje, na Avenida Paulista.

Quem irá conter o mesmo?
Se estivesse vivo, hoje, Adolf Hitler iria adorar os jornais e a Grande Mídia brasileira, que ajudaram a criar toda uma nova geração de neofascistas. E muitos deles participaram dos protestos de hoje pelo país. 
Fala aí, FHC... Afinal, você não foi um dos 'brilhantes estrategistas' que defendeu esse caminho e que levou o país a esta situação?

Resolve o problema aí, resolve.

A tragédia nos espera.


Mussolini vem aí: Explode a rejeição a todos os principais líderes políticos do país:


Até 'Rede Globo' é alvo de protestos no Rio de Janeiro:


Aécio e Alckmin são hostilizados na Avenida Paulista:


A Anti-Política foi para as ruas:


Aécio e Alckmin são hostilizados na Avenida Paulista:


Vídeo - Manifestantes protestam contra Aécio e Alckmin na Avenida Paulista:

Se todos os brasileiros começarem a frequentar cursos universitários, onde é que a Grande Burguesia irá encontrar força de trabalho barata, semi-escrava, para poder explorar, hein? E daí, como é que ela poderá acumular capital para poder ficar ainda mais rica do que já é? E a classe mérdia neofascista, como é que poderá se diferenciar dos assalariados, e posar de burguês, se estes começarem a desfrutar dos mesmos benefícios que ela já tem há muito tempo (casa própria, curso superior, etc)? É por isso que os movimentos neofascistas e neonazistas atraem tanto os representantes da classe média como os do Grande Capital, unindo ambas as classes em um grande movimento reacionário e que adquire características totalmente contrárias aos interesses dos trabalhadores. E é justamente por isso que eles tem tanto ódio de Lula, Dilma e do PT.

Moro e Militares são heróis da classe média neofascista na Av. Paulista:


Os EUA e o PNAC:


Moniz Bandeira, o Império Ianque e o PNAC:


Moro agradece o apoio das manifestações reacionárias de todo o país:

Líbia: Antes e Depois de sofrer uma intervenção militar da OTAN, que foi liderada pelos EUA, Grã-Bretanha e França. Hoje, o país está virtualmente sem governo e seu território se dividiu entre vários clás e grupos terroristas, incluindo o Estado Islâmico/Daesh. Destruição de países como Líbia, Síria, Iraque pelo Ocidente Imperialista levou à crise atual de refugiados na Europa. 
Os EUA, o PNAC e a conquista do Grande Médio Oriente pelo Ocidente Imperialista:


Operação Lava Jato derrubou PIB brasileiro em 2,5% do PIB:


Rodrigo Vianna - A ordem democrática se rompe:

Um comentário:

ozeas augusto canuto Canuto disse...

O GOLPE ESTA EM CURSO. AS EXTRANHAS POSIÇÕES DE PROMOTORES PÚBLICOS AVIDOS POR ENTREVISTAS NA TELINHA, JUÍZES QUE ANTES DE CONHECEREM OS PROCESSOS ANTECIPAM A SENTENÇA. A CONTAMINAÇÃO DO SUPREMOS TRIBUNAL FEDERAL ACEITANDO A PRISÃO EM JUÍZO DE 2ª INSTÂNCIA JOGANDO POR TERRA A PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA ESTAMPADA NA NOSSA CONSTITUIÇÃO.
ja a grande criadora do big brother compartilha com jornalões e revistinhas (MAURICIO DE SOUZA QUE NÃO SE PREOCUPE NÃO FALO DE SEUS FILHOS CASCÃO, MONICA E CEBOLINHA)SEGUEM UMA COERÊNCIA QUE CARACTERIZA SUAS EXISTÊNCIAS E HERANÇA HISTÓRICA. PARA ESTES REPRESENTANTES DA FAMÍLIA PAULISTA 400 ANOS É UM ABSURDO UM PROFISSIONAL DA COLHER DE PEDREIRO CHEGAR PARA TRABALHAR DE CARRO, EMPREGADA DOMÉSTICA ENTÃO NEM PENSAR. ASSIM ESPERAM RETROCEDER O PAÍS MANTER A MISÉRIA PARA QUE POSSAM CONTAR COM MÃO DE OBRA QUE TRABALHE PARA CONSEGUIR ALGUMAS MIGALHAS.
EM QUALQUER SITUAÇÃO O TEMPO E SENHOR DA RAZÃO, TEMPO REI.

SANTOS 14 DE MARÇO DE 2016.

OZEAS AUGUSTO CANUTO.