Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Brexit e Trump: Globalização Neoliberal entra em crise terminal nos países que a iniciaram! - Marcos Doniseti!

Brexit e Trump: Globalização Neoliberal entra em crise terminal nos países que a iniciaram! - Marcos Doniseti!
Trump ataca o livre-comércio e defende a saída dos EUA do NAFTA, o que contraria os interesse do Grande Capital Financeiro Globalizado.  
A saída do Reino Unido da União Europeia e a vitória de Trump ameaçam enterrar as políticas neoliberais e globalizantes que Thatcher e Reagan iniciaram.

Sobre a vitória de Trump: Afinal, porque ele venceu?

Se o U.S. Senator Bernie Sanders tivesse sido o candidato dos Democratas, ele ganharia fácil.

A maioria da população dos EUA queria mudança de rota.

O Partido Democrata não soube fazer a 'leitura', a análise correta do momento atual. A ambição desmedida dos Clinton e da Plutocracia Capitalista Globalizada ianque falaram mais forte e ela foi escolhida pela liderança do partido para ser a candidata.
Hillary perdeu a eleição pelo fato de representar 'tudo aquilo que está aí' e Trump venceu justamente por representar exatamente o contrário.

Assim, venceu o ‘Outsider’, aquele sujeito que, embora não tenha origem popular, era visto pela população como sendo o único com capacidade e vontade de dar uma chacoalhada no apodrecido e anti-popular sistema político e econômico dos EUA.

Na verdade, a elite reacionária dos EUA estava apoiando, maciçamente, a Hillary. Wall Street, indústria armamentista, Grande Mídia, estavam todos do lado dela. Trump é um Outsider, embora sua origem não seja popular, muito pelo contrário. Mas ele é um dissidente da Plutocracia ianque globalizada, um oportunista que percebeu que se falasse e fizesse aquilo que outros jamais fariam ou expressariam em público (ou por não concordarem ou, então, por falta de coragem), ele poderia se dar bem.

E funcionou.
Friedrich Hayek e Milton Friedman, defensores das políticas neoliberais que aumentaram a concentração de renda, as desigualdades sociais, a pobreza e a miséria em todo o mundo. E isso aconteceu mesmo nos EUA, depois que o governo Reagan passou a adotá-las, no que foi seguido pelos governos seguintes, incluindo o de Obama.
Independente do rumo que Trump der ao seu governo, a sua vitória representa uma clara derrota da Plutocracia Capitalista Globalizada Neoliberal (PCGN).

Trump ganhou porque se apresentou como sendo contrário à mesma, atacando o NAFTA e os acordos de livre-comércio, bem como criticando durante o processo desindustrialização e a perda de padrão de vida dos trabalhadores industriais e da classe média, fenômenos estes que não nenhuma novidade para qualquer pessoa relativamente bem informada sobre os EUA.

Agora, se o Trump cumprirá com tudo o que disse em campanha ou se irá fazer inúmeras concessões aos interesses da ‘PCGN’, abrindo mão de adotar o que prometeu, aí vamos ter que aguardar. Porém, inegavelmente, foi o discurso anti-globalização e anti-neoliberal de Trump que o levou à vitória, isso foi, sim.

Aliás, a saída do Reino Unido da União Europeia se deu pelo mesmo motivo.

Foram os segmentos da população (trabalhadores industriais, classe média baixa, pequenos proprietários, idosos, pobres, pensionistas) que mais foram prejudicados pelas políticas neoliberais globalizantes impostas pela União Europeia e pelos sucessivos governos dos EUA (desde o início da ‘Era Reagan-Thatcher’) que votaram pela saída do Reino Unido da União Europeia e pela vitória de Trump.

Atualmente, ocorre um processo generalizado de rejeição às políticas neoliberais nos EUA e na União Europeia.
'A Doutrina do Choque': Livro de Naomi Klein explica como os Grandes Capitalistas se aproveitam das crises (sendo que muitas delas são fabricadas) para impor uma agenda retrógrada, que elimina direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, promove privatizações generalizadas e implanta políticas neoliberais e de arrocho que são imensamente prejudiciais para os trabalhadores assalariados, para os mais pobres e, também, para a classe média. Na UE e nos EUA tais políticas estão empobrecendo e encolhendo a classe média, o que está gerando uma crescente insatisfação popular, como se percebe pelo Brexit e pela candidatura de Donald Trump. 
Na Itália, as eleições municipais deste ano tiveram como vitorioso um partido (Movimento 5 Estrelas) que ataca duramente as políticas neoliberais da União Europeia, exigindo que elas sejam enterradas. Na Espanha, tivemos o surgimento do Podemos e, na Grécia, do Syriza. No Reino Unido, o novo líder do Partido Trabalhista (Jeremy Corbyn) defende um retorno às políticas social-democratas keynesianas e do Welfare State (Estado de Bem-Estar Social).

Até mesmo a nova líder do Partido Conservador britânico (o mesmo de Thatcher), Theresa May, defende uma maior intervenção do Estado na economia e na área social, criticando o aumento da concentração de renda e das desigualdades sociais provocadas pelas políticas neoliberais globalizantes das últimas décadas.

Na França, Marine Le Pen, da Frente Nacional, lidera as pesquisas para a eleição presidencial francesa, que acontecerá em 2017 e o principal motivo para isso é que ela faz duras críticas às políticas neoliberais impostas pela União Europeia, tal como também o fazem outros fortes movimentos de Esquerda Progressista e de Extrema-Direita de inúmeros países europeus (Àustria, Holanda, entre outros).

Mas como a Mídia Global é intimamente ligada aos interesses da Plutocracia (PCGN), ela esconde tudo isso, preferindo dar mais atenção para os discursos racistas, misóginos e xenófobos de segmentos minoritários (de Extrema-Direita) sem se preocupar em analisar com mais profundidade as razões desse imenso descontentamento popular que temos, atualmente, na UE e nos EUA.

Até mesmo o principal jornal dos EUA (The New York Times) reconheceu que a Mídia dos EUA não soube captar o sentimento de frustração e de raiva existentes no país e que levaram à vitória de Trump.
Beppe Grillo é um humorista italiano que fundou o 'Movimento 5 Estrelas'. Sua popularidade cresceu muito, principalmente devido à insatisfação crescente dos italianos com as políticas neoliberais e de arrocho, as quais ele e o seu movimento são contrários. Para ele, o projeto de integração da UE faliu. Seu movimento-partido 'M5S' venceu as eleições municipais italianas realizadas neste ano. 
Mas fica a dúvida se isso foi fruto de um erro de avaliação por parte da Grande Mídia ou se tal forma de agir foi intencional, a fim de esconder esse enorme sentimento de insatisfação popular em relação às políticas globalizantes neoliberais que a  própria Grande Mídia globalizada defende com unhas e dentes.

Na verdade, com o Brexit e a vitória de Trump estamos assistindo à debacle da Globalização Neoliberal, que começou justamente no Reino Unido e nos EUA, com as eleições de Thatcher (1979) e de Reagan (1980).

O fato concreto, e que a Grande Mídia faz de tudo para esconder da população, no mundo inteiro, é que as políticas de irrestrito livre-mercado estão desmoronando no mundo desenvolvido.

Aliás, tudo isso acontece ao mesmo tempo em que os patéticos neoliberais entreguistas latino-americanos defendem a adoção destas mesmas políticas como a solução dos problemas econômicos e sociais que os países da América Latina passaram a enfrentar a partir do estouro da crise econômica global (neoliberal...) de 2007/2009, a partir da crise das hipotecas sub-prime, da quebra do Lehman Brothers e da falência de todo o sistema financeiro privado dos EUA e da União Europeia em 2008/2009.

Inclusive, muitos direitistas tupiniquins, que são um bando de analfabetos políticos, pensam que Trump é um liberal.

Errado!
O ótimo e essencial livro de Guy Standing explica o processo de formação do Precariado a partir da expansão do processo de Globalização Neoliberal, que se iniciou no final dos anos 1970. 
O discurso de Trump é totalmente protecionista, defendendo a retirada dos EUA do 
NAFTA e o fim dos acordos de livre-comércio. Ele também defende a volta, para os EUA, de indústrias que se transferiram para outros países (México, China, Indonésia, Vietnã, etc).

Aliás, Trump se elegeu porque soube explorar muito bem o descontentamento da classe média e da classe trabalhadora industrial, que encolheram e empobreceram muito nos EUA (e na União Europeia também) nas últimas décadas, desde que as políticas thatcheristas passaram a ser adotadas.

Portanto, não foi à toa que ele derrotou Hillary justamente nos estados que mais sofreram com a desindustrialização e o livre-comércio global: Ohio, Michigan, Pensilvânia, Wisconsin.

Então, a política apoiada por Trump é exatamente o inverso daquela que é defendida pelos neoliberais entreguistas latino-americanos e que, no Brasil, estão sendo muito bem representados pelo atual governo golpista e ilegítimo de Michel Temer. E a Argentina, com o governo Macri, vai na mesma (equivocada) direção.

A vitória de Trump, depois que Hillary tornou-se a candidata Democrata, era mais do que previsível, pois a candidatura dela representava tudo o que a imensa maioria da população dos EUA mais repudia atualmente.

Então, essa derrota para Trump somente aconteceu devido ao brutal erro cometido pelo Partido Democrata e pela Plutocracia Capitalista Globalizada, de impor a candidatura de Hillary e rejeitar a de Bernie Sanders, que é um defensor da adoção de políticas keynesianas de caráter social-democrata.

Os Plutocratas quiseram tudo e acabaram ficando sem nada.

Será que Trump fará tudo o que prometeu?

Isso é algo pelo qual precisamos esperar.

Mas o programa econômico de Trump, se ele for aplicado, irá enterrar, sim, o processo de Globalização Neoliberal.

Afinal, Trump é protecionista, quer tirar os EUA do NAFTA e é contra os acordos de Livre-Comércio. E ele quer levar adiante um processo de ‘reindustrialização’ dos EUA, algo que Obama prometeu e não cumpriu.

Aliás, uma das razões principais da vitória de Trump foi justamente o fato do Partido Democrata ter virado as costas ao seu eleitorado tradicional (classe trabalhadora industrial e a classe média média e baixa), adotando as mesmas políticas neoliberais que foram adotadas a partir do governo Reagan. E com isso, um grande número de eleitores democratas sequer apareceu para votar e uma parte votou em Trump.

E se o Trump não colocar o que prometeu em prática, daqui a quatro anos ele será escorraçado pelo povo, que elegerá um outro líder, que faça tais mudanças.

A questão principal de tudo isso, na verdade, não é sequer a vitória do Trump, mas o sentimento muito forte de insatisfação popular, de raiva mesmo, que existe nos EUA atualmente (o que também ocorre o mesmo na União Europeia) e que foi o grande responsável pela sua vitória.
Jeremy Corbyn tornou-se o líder do Partido Trabalhista britânico em Setembro de 2015. Suas propostas vão no sentido de taxas os capitalistas para ter os recursos necessários a fim de aumentar a intervenção do Estado na economia e na área social. Sua plataforma é muito semelhante à de Bernie Sanders e, agora, está sendo adotada até pela nova Primeira-Ministra do Reino, Theresa May, do Partido Conservador, o mesmo de Thatcher. 
A Plutocracia Capitalista Globalizada Neoliberal ficou, sim, com os pelos arrepiados com essa vitória, pois o Trump é um dissidente, um 'Outsider' oportunista que viu a chance de se eleger usando de um discurso que expressava a raiva da população e que não a desperdiçou. O cavalo passou encilhado à sua frente e ele não hesitou em montá-lo, ao contrário do Partido Democrata. 

Quem fez tudo errado, de fato, foi o Partido Democrata, que deveria ter escolhido o Bernie Sanders como o seu candidato. Se o tivessem feito, hoje o mundo todo estaria comemorando a vitória de um político sério, equilibrado, tolerante, democrático e progressista para governar os EUA nos próximos quatro anos. 

Os Democratas e a Plutocracia Capitalista erraram feio e pagaram caro por isso.

Bem feito. 

Mas será que aprenderam a lição que a população lhes aplicou? Espero que 
sim.

Senão...
Bernie Sanders conquistou um significativo apoio do eleitorado do Partido Democrata na disputa pela candidatura presidencial. Mesmo com a vitória de Hillary Clinton, graças ao apoio maciço da máquina do Partido Democrata, suas propostas (de caráter social-democrata e keynesiano) ganharam bastante apelo popular. Muitos dos seus eleitores recusaram-se a votar em Hillary, que obteve uma votação muito inferior à de Obama em 2008 e em 2012, levando à sua derrota. 
Links:

O que esperar do governo Trump?

http://www.dw.com/pt-br/o-que-o-brasil-deve-esperar-de-donald-trump/a-36318284

'The New York Times' reconhece: Mídia perdeu contato com a realidade da população:

http://www.conversaafiada.com.br/politica/la-e-aqui-a-imprensa-perdeu-o-pulso-do-pais

Michael Moore já sabia desde Julho: Trump era o favorito para vencer a eleição: 

http://www.conversaafiada.com.br/politica/trump-michael-moore-ja-sabia

Fernando Brito: A vitória de Trump expõe a crua face dos EUA:

http://www.tijolaco.com.br/blog/trump-face-exposta/

Patrícia Campos Mello: Porque os eleitores de Trump não são estúpidos:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/patriciacamposmello/2016/11/1830749-os-eleitores-de-trump-nao-sao-estupidos-nos-e-que-somos-surdos.shtml

W.Sorrentino: Trump - o 'Exit' dos EUA:

http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=8134&id_coluna=129

Paulo Nogueira: Vitória de Trump sela o fim da Globalização:

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-vitoria-de-trump-sela-o-fim-da-globalizacao-por-paulo-nogueira/

Será que Trump irá enterrar a Globalização Neoliberal? Se fizer o que promete, sim! 

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2016/07/sera-que-donald-trump-ira-enterrar.html

Theresa May, nova Primeira-Ministra do Reino Unido, joga o Neoliberalismo na lata de lixo!

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2016/08/theresa-may-nova-primeira-ministra-do.html

Um comentário:

Maribel dias kroth disse...

DE TODAS AS POSTAGENS SOBRE A VITORIA DE TRUMP, COM CERTEZA ESSA FOI A MELHOR, ESTA HAVENDO DESENCONTROS DE OPINIÕES BEM INSTIGADORAS E INCOMPREENSÍVEL, PORQUE PERCEBO UMA DECEPÇÃO DE MUITOS PELA VITORIA DE TRUMP, MAS ME INDIGNA SABER QUE MUITOS DA ESQUERDA APOIAM HILLARY QUE GOVERNARIA PARA AS ELITES E JULGAMENTOS DISTORCIDOS SOBRE A CAPACIDADE OU NÃO DO CANDIDATO ELEITO, MAS EU TORCI POR TRUMP POR ELE APOIAR A RUSSIA CONTRA A GUERRA FRIA ENTRE RUSSIA E ESTADOS UNIDOS!