Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A Grande Mídia brasileira, o 13o. Salário e os Direitos dos Trabalhadores! - Marcos Doniseti!

A Grande Mídia brasileira, o 13o. Salário e os Direitos dos Trabalhadores! - Marcos Doniseti!
'O Globo' fez campanha contra a criação do 13o. salário, que foi fruto de cerca de uma década de lutas, que foram lideradas pelo movimento operário comandado por trabalhistas e comunistas.

A Grande Mídia (jornais, rádio, TVs, etc) brasileira sempre foi contra a ampliação dos direitos sociais, trabalhistas e políticos dos trabalhadores e dos pobres.
No século 19, o jornal 'O Estado de S.Paulo' fez campanha contra a Lei Áurea, que aboliu a escravidão em nosso país (em 1888), dizendo que sem o trabalho dos escravos a economia do Brasil seria arruinada.
Quando o governo de Getúlio Vargas criou, já em 1931, as primeiras leis trabalhistas e, depois, implantou a CLT (Consolidação das Leis dos Trabalho), a imprensa e os grandes empresários brasileiros atacaram violentamente à Vargas, chegando a chamá-lo de 'comunista', o que era uma grande baboseira, pois Vargas sempre foi um anti-comunista.
Durante a década de 1950, o movimento sindical brasileiro passou a desfrutar de muito mais liberdade de atuação, podendo realizar greves, protestos e manifestações que reivindicavam melhores salários, melhores condições de trabalho e a ampliação de direitos.
Uma das principais lutas dos trabalhadores brasileiros durante a década de 1950 foi pela criação do chamado 'Abono de Natal' que, posteriormente, passou a ser chamado de 13o. Salário.
Leonel Brizola já avisava: Na dúvida, fiquem sempre contra as posições e ideias da Rede Globo.

Ao longo desta década, inúmeras categorias de trabalhadores foram conquistando tal direito pelo Brasil afora, por meio de inúmeras mobilizações.
Durante o governo do Presidente João Goulart, o Jango, o Congresso Nacional aprovou, e o Presidente Jango sancionou, a criação do 13o. Salário para todas as categorias de trabalhadores.
O jornal carioca 'O Globo' fez campanha agressiva contra a criação do 13o. Salário, dizendo que o mesmo seria desastroso para o Brasil.
Mas as previsões do jornal não se confirmaram.
No fim das contas, o pagamento do 13o. salário serviu para estimular a economia brasileira, ampliar o consumo interno e gerar centenas de milhares de empregos.
Somente em 2015, o pagamento do 13o. Salário injetou R$ 173 bilhões na economia brasileira, segundo o Dieese.
Obs: O jornal 'O Globo', durante a Ditadura Militar, deu origem à 'Rede Globo', por meio de inúmeros benefícios concedidos pelos militares, como a concessão de dezenas de canais de TV, empréstimos bancários em condições muito favoráveis, etc.
A criação da Rede Globo foi possível graças a um acordo, ilegal e inconstitucional, feito com uma grande empresa de Mídia dos EUA, a Time-Life, que enviou equipamentos modernos, dinheiros e pessoal qualificado para criar a Rede Globo.
Tivemos até uma CPI para investigar o acordo entre a Globo e a Time-Life, mas a Ditadura Militar abafou as investigações e tudo terminou sem qualquer punição para a Globo, mesmo com a Constituição brasileira proibindo claramente o tipo de acordo feito pela empresa.
Ótimo livro de Paulo Henrique Amorim, que conta a história da Grande Mídia brasileira, bem como das suas inúmeras manipulações jornalísticas e benefícios e privilégios que receberam do Estado durante várias décadas e que continuam até os dias atuais.

Em retribuição, a Rede Globo deu apoio total à Ditadura Militar, escondendo da população, durante muito tempo, quais eram os principais problemas econômicos e sociais do país, como a concentração de renda, a pobreza e as imensas desigualdades sociais e regionais.
A 'Rede Globo' ficou tão conhecida por suas posições contrárias aos interesses nacionais e dos trabalhadores, que o ex-governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, dizia o seguinte:
"Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem: Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor.".

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Desmontando a farsa chamada 'Déficit da Previdência Social' - Marcos Doniseti!

Desmontando a farsa chamada 'Déficit da Previdência Social' - Marcos Doniseti! 
A Seguridade Social engloba Saúde, Previdência Social e Assistência Social. E a Constituição definiu, claramente, quais são as suas fontes de financiamento.

A Grande Mídia reproduz, o tempo inteiro, um discurso no qual diz que 'a Previdência Social tem um déficit imenso e que está aumentando'. 


Mas isso é uma deslavada mentira.

Então, vamos aos fatos:

1) A Previdência Social antiga deixou de existir com a nova Constituição (de 1998). Desde que esta passou a vigorar, o que passou a existir é a Seguridade Social. 

Portanto, é errado falar em 'Previdência Social'. O que existe, no Brasil, desde 1988, é a Seguridade Social;

2) Foi por isso que, após a nova Constituição passar a vigorar em 1988, o antigo INPS foi substituído pelo INSS;

3) A Seguridade Social engloba: Saúde, Assistência Social e Previdência Social;

4) A Constituição de 1988 também definiu quais seriam as fontes de financiamento para a Seguridade Social, que são: contribuições de empresários e trabalhadores, CSLL, Cofins e renda de loterias do Estado;

5) Quando se leva em consideração todas as fontes de receita da Seguridade Social, ela tem Superávit, que foi de R$ 68 bilhões (2013) e de R$ 56 bilhões (2014);

Veja quais são as fontes de financiamento da Seguridade Social. Ela inclui Cofins, CSLL, PIS/Pasep, Loterias e contribuições de empresários e trabalhadores. 
6) Então, como é que a Grande Mídia fabrica o déficit da Previdência Social? 

Ela leva em consideração, como fonte de receita da Seguridade Social, apenas as contribuições de empresários e trabalhadores, ignorando as demais fontes de arrecadação (CSLL, Cofins, Loterias). 


Com isso, a maior parte do que a Seguridade Social arrecada não é contabilizada. 


Assim, promove-se uma descarada manipulação contábil e, com isso, inventa-se um déficit inexistente. 

7) O objetivo desta manipulação é convencer a população de que 'a Previdência Social faliu' que é preciso 'reformá-la', ou seja, dificultar o acesso da população aos direitos e benefícios que ela garante (aposentadoria, auxílio-doença, etc);

8) Daí, o próximo passo, é o de promover a privatização da Previdência Social, entregando-a para o controle do sistema financeiro privado. 

9) Afinal, vocês acham que o Temer extinguiu o Ministério da Previdência Social e o transformou em uma mera Secretaria, entregando a mesma para o controle do Henrique Meirelles, representante do sistema financeiro privado, à toa? 


10) Conseguiu juntar os pontos, agora? Vamos resumir, então:

A) Manipula-se a contabilidade da Seguridade Social, excluindo a maior parte da sua arrecadação, 


B) Fabrica-se um déficit inexistente para a Previdência Social;

C) Grande Mídia diz que 'a Previdência Social está falida' e, pronto, está mais do que  justificada a 'reforma' da mesma, bem como a sua privatização;

D) Desta maneira, o sistema financeiro privado passará a controlar a Previdência Social, garantindo um aumento brutal da sua lucratividade, às custas da perda de direitos por parte dos trabalhadores e do arrocho do valor dos benefícios previdenciários, medidas que o governo golpista de Temer/PMDB/PSDB já anunciou que irá adotar. 
Vejam quanto a Seguridade Social arrecadou e gastou no Brasil entre 2011-2015. O Superávit acumulado no período, pela Seguridade Social, foi de R$ 312 bilhões. E isso aconteceu mesmo com a extinção da CPMF, que era uma das fontes utilizadas para financiar a Seguridade Social. 

Vejam abaixo, as explicações bem didáticas, a respeito do assunto, feitas pela economista Denise Gentil (UFRJ):


Trecho da notícia/entrevista com Denise Gentil:

Brasileiros – A sua tese de doutorado diz que existe uma “farsa contábil” que transforma em déficit o superávit do sistema previdenciário. Que farsa é essa?

R - "O artigo 195 da Constituição diz que a Seguridade Social será financiada por contribuições do empregador (incidentes sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro), dos trabalhadores e do Estado. Mas o que se faz é um cálculo distorcido. 

Primeiro, isola-se a Previdência da Seguridade Social. 

Em seguida, calcula-se o resultado da Previdência levando-se em consideração apenas a contribuição de empregadores e trabalhadores, e dela se deduz os gastos com todos os benefícios. 

Por essa metodologia, houve déficit de R$ 87 bilhões de janeiro a novembro de 2015. 

Pela Constituição, a base de financiamento da Seguridade Social inclui receitas como a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e as receitas de concursos de prognóstico (resultado de sorteios, como loterias e apostas).

De quanto foi o superávit da Seguridade Social no ano passado?

R - Quando essas receitas são computadas, obtém-se superávit de, por exemplo, R$ 68 bilhões em 2013 e de R$ 56 bilhões em 2014.".

Por meio da DRU, criada no governo Itamar Franco, como um mecanismo para permitir a criação do Plano Real, o governo retira 20% dos recursos destinados à Seguridade Social e os utiliza para o pagamento da Dívida Pública. A criação da DRU deveria ter sido uma medida temporária, mas ela se tornou permanente. 
Vídeo - A farsa do 'rombo' da Previdência Social: 

Links:

A farsa chamada 'déficit da Previdência Social':

http://brasileiros.com.br/2016/02/farsa-chamada-deficit-da-previdencia/


Henrique Meirelles: Previdência Social terá 'solução consistente':

http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/06/meirelles-previdencia-tera-solucao-consistente

Sobre o Custeio (financiamento) da Seguridade Social, vejam o que diz a Constituição de 1988:


5. O CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

5.1- Forma de custeio: entes públicos (União, Estados, DF, Municípios), empregadores e trabalhadores e receitas de concursos de prognósticos.(art. 195 da CF)

A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta (contribuições) e indireta (impostos), mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e das contribuições dos empregadores, incidentes sobre a folha de salários, o faturamento (PIS e Cofins) e o lucro, dos trabalhadores, da receita de concursos de prognósticos (loteria esportiva, tele sena, mega sena, loto, loteria federal e outros) e do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei equiparar. Da arrecadação decorrente das contribuições do PIS-Pasep serve para financiar o seguro-desemprego, nos termos do art. 239 da Constituição Federal.


CSLL destina-se a financiar a Seguridade Social:


A DRU e o falso déficit da Previdência Social:

sábado, 22 de outubro de 2016

O Brasil virou um Paraguaizão! Peçam para sair, vocês fracassaram! - Marcos Doniseti!

O Brasil virou um Paraguaizão! Peçam para sair, vocês fracassaram! - Marcos Doniseti! 
PIB do Brasil despencou 5% no acumulado de 2016 (Janeiro e Agosto). Comparando Agosto/2016 com Agosto/2015, a queda é ainda maior, de 5,5%. Isso já é uma Depressão Econômica.

Vamos falar claramente: O Brasil virou um Paraguaizão, uma gigantesca Casa da Mãe Joana, uma terra de ninguém, onde muitos gritam ao mesmo tempo e ninguém se entende. 


Não é à toa que o governo e os empresários japoneses avisaram Temer de que o Brasil não irá receber um mísero centavo de investimento produtivo por muitos anos. 

Esse é o preço que estamos pagando por um Golpe de Estado que jogou a Constituição na lata de lixo, que desmoralizou as instituições, que destruiu algumas das maiores empresas do país (as construtoras, que são competitivas globalmente) e que jogou o país numa Depressão econômica: O PIB brasileiro despencou 5% entre Janeiro e Agosto deste ano e desabou 5,5% nos últimos 12 meses (período de Setembro/2015 a Agosto/2016). 

A indústria brasileira está com uma capacidade ociosa de 34%. A indústria automobilística tem capacidade para produzir 6 milhões de veículos e irá produzir apenas 2,5 milhões em 2016 (capacidade ociosa de 58%). E a indústria automobilística, sozinha, responde por 25% do PIB industrial brasileiro. 
Com as políticas de inclusão social e de distribuição de renda adotadas pelos governos Lula e Dilma, o número de passageiros de avião teve um crescimento explosivo, passando de 2,8 milhões em Dezembro de 2014 para 8,3 milhões em Dezembro de 2013 (expansão de 196,4%).

Isso significa que mesmo que ocorresse uma retomada da economia, os investimentos produtivos demorariam a voltar, pois em primeiro lugar as empresas iriam usar a sua capacidade ociosa, que é imensa. Depois, colocariam os trabalhadores para fazer horas extras. Somente depois, se o crescimento continuasse, é que os investimentos produtivos seriam feitos e novas contratações seriam efetivadas. 


E sem investimento produtivo, não há crescimento econômico. E sem crescimento econômico não temos geração de empregos, nem mais salários, tampouco mais consumo, a arrecadação de impostos não cresce e, com isso, o déficit e a dívida públicas continuam aumentando, até que isso provoque a falência do Estado brasileiro.

E não se pode esquecer que as exportações brasileiras estão diminuindo (queda de 4,8% no acumulado de 2016), o comércio varejista está desabando (queda de 7,7% em Agosto), a renda da população está diminuindo e o desemprego está crescendo rapidamente. 

A economia mundial está em crise e deverá crescer cerca de 2,7% nos próximos anos, segundo o FMI. Na verdade, se tirarmos a China e a Índia destas estatísticas, a economia mundial está com crescimento próximo de Zero. O cenário da economia mundial é, portanto, de estagnação. O comércio internacional também estagnou já há vários anos.

Não é à toa que o preço do barril de petróleo e de inúmeras outras commodities desabou desde o início da crise global (2008), o que jogou todos os países exportadores das mesmas numa grave crise (Brasil incluído, bem como Oriente Médio, América Latina e África). 
O Brasil terminou 2014 com a menor taxa de desemprego de sua história (4,3%). Depois veio o movimento golpista, que jogou o país na pior Recessão de todos os tempos e que já se transformou em uma Depressão Econômica, com o PIB brasileiro acumulando uma queda de 5,5% entre Setembro de 2015 e Agosto de 2016.

Até 'O Globo' fez uma matéria reconhecendo que não haverá crescimento econômico algum no Brasil nos próximos anos e que a solução é rezar. Isso mesmo...


Mas até o crescimento voltar (???), o desemprego, a pobreza, a miséria irão aumentar muito no país nos próximos anos, correndo o sério risco estourar uma convulsão social. 

E agora, o que os governantes atuais do país irão fazer?

Sugiro que reconheçam o seu total fracasso e que saiam de cena e devolvam o poder a quem tem o direito de governar, que é Dilma. Se bem que, neste caso, o ideal seria que a própria Dilma tomasse a iniciativa de convocar uma Constituinte e novas Eleições Gerais Já. 

Ou então, os próprios governantes deveriam convocar eleições gerais diretas já (para Presidência da República e Congresso Nacional), permitindo que o povo eleja um novo governo e um novo Parlamento, com legitimidade para governar o nosso país.

Além disso, é necessário uma nova Constituinte, que dê ao país um sistema político que funcione, bem como ampliar os poderes do Presidente da República, a fim de impedir que ele se torne um mero refém dos interesses pessoais e paroquiais dos parlamentares (Senadores e Deputados Federais). 

Afinal, se é para elegermos um Presidente da República para que ele governe o país, então ele tem que ter os poderes necessários para isso, o que não acontece atualmente. 

Outra solução seria implantar o Parlamentarismo logo de uma vez (a Constituição de 1988 já é Parlamentarista), depois de se fazer uma Reforma Política que reduza drasticamente o número de partidos com representação no Legislativo, a fim de permitir um mínimo de estabilidade política ao país e se exija que os partidos passem a governar com base em um programa de governo previamente aprovado em eleições diretas. 

E se tal partido jogasse o programa de governo no lixo, depois que chegasse ao poder, seria convocado um Referendo Revogatório para tirá-lo do poder. Afinal, quem engana a população não merece governar. 

Estelionato eleitoral tem que ser criminalizado e deve ser considerado como um fator que permita a derrubada deste governo liderado por mentirosos, enganadores e manipuladores (tal medida deveria valer independente de termos um sistema presidencialista ou parlamentarista). 

Com a manutenção do atual governo golpista, com suas políticas anti-nacionais e anti-populares, o futuro do país é trágico. A tendência é clara, no sentido de um rápido empobrecimento do país e da população para os próximos anos, com aumento brutal do desemprego, da pobreza e da miséria. 
A Dívida Pública Líquida do Brasil despencou durante os governos Lula e Dilma, caindo de 60,4% do PIB (2002) para 34,9% do PIB (2014). 
Como seria possível tirar o Brasil da crise atual??

Existem alternativas ao que o governo Temer pretende fazer para, supostamente, promover a retomada do crescimento econômico, que envolve medidas de arrocho salarial, eliminação de direitos sociais trabalhistas e previdenciários, privatizações maciças (Pré-Sal, bancos públicos, Petrobras, etc), adoção da terceirização generalizada, redução de investimentos públicos em infra estrutura e na área social? 

Claro que há alternativas. Sempre existem alternativas. 

Adotá-las ou não é uma questão política e não técnica  (econômica e financeira). 

O que poderia ser feito no Brasil, hoje, para tirar o país da crise, é o seguinte: 

1) Reforma Tributária Progressiva, tributando mais fortemente quem ganha mais e quem tem um patrimônio maior; 

2) Tributar os ganhos de capital, que ficaram isentos de pagar impostos a partir de 1995, devido à medida tomada por FHC; 

3) Usar os recursos obtidos por meio da tributação progressiva e sobre ganhos de capital para aumentar os investimentos públicos, principalmente em infra estrutura (energia, transportes, telecomunicações), a fim, de diminuir o custo de produção interna e elevar a produtividade da economia como um todo; 

4) Diminuir a tributação sobre a população de baixa renda, principalmente sobre aqueles que ganham até 3 salários mínimos mensais (79% dos brasileiros). 

Assim, o consumo interno iria se expandir, levando à retomada do crescimento econômico;

5) Fim das desonerações de impostos, usando os recursos arrecadados para se promover maiores investimentos em saúde, educação, saneamento básico, habitação e transporte coletivo, melhorando a qualidade de vida da população; 



6) Manter o dólar cotado num patamar entre R$ 3,50/R$ 3,80, a fim de estimular a substituição de importações pela produção nacional, aumentando a produção interna e gerando empregos no Brasil. 
O Salário Mínimo teve um aumento de 91,3% no seu poder de compra durante os governos Lula e Dilma, entre 2003-2016, passando de R$ 200 (2002) para R$ 880 (2016). Caso ele tivesse sido reajustado apenas pela inflação acumulada no período (de 130%), o valor atual do Salário Mínimo seria de apenas R$ 460.

7) Com a adoção desse conjunto de medidas, a economia brasileira retomaria o crescimento, gerando novos empregos, mais salários, maior consumo, criando-se um círculo virtuoso favorável ao crescimento econômico. E a arrecadação de impostos voltaria a aumentar, gerando a redução do déficit público (primário e nominal). 

E a crise terminaria. 

Mas a se julgar pelo que já foi anunciado, o governo Temer irá fazer exatamente o contrário de tudo o que precisaria ser feito para que o Brasil superasse a crise.


Fora Temer! Fora Golpistas! 

Eleições Gerais Diretas Já! Reforma Política Já! Nenhum Direito a Menos!

Links:

Economia brasileira não voltará a crescer:

http://oglobo.globo.com/economia/economia-continua-sem-forca-para-voltar-crescer-20329039

Corte de horas extras derrubou a renda dos trabalhadores:

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/261668/Corte-de-horas-extras-preservou-vagas-mas-derrubou-a-renda-dos-trabalhadores.htm



Crise econômica se agrava no governo Temer:


PIB brasileiro sofre queda de 4,6% no 1o. semestre de 2016 (em relação ao mesmo período de 2015):


Queda do PIB atinge 5,5% no acumulado de 12 meses (Setembro/2015 a Agosto/2016):

http://noticias.r7.com/economia/folha-de-vitoria/previa-do-pib-cai-091-em-agosto-20102016
As reservas internacionais líquidas brasileiras aumentaram fortemente entre 2003-2014, passando de US$ 16 bilhões (2002) para US$ 379 bilhões (2014). Atualmente, elas são de US$ 376 bilhões. 
Indústria brasileira tem capacidade ociosa de 34%:

Governo e empresários do Japão deram bronca em Temer em função de prejuízos bilionários gerados pela operação Lava Jato e por Recessão:



O terceiro ajuste - O novo passo do Golpe (Sérgio Medeiros):


Aventura golpista isola o Brasil:


Pesquisa Vox Populi de Outubro de 2016:

O Brasil se tornou, durante os governos Lula-Dilma, um dos países que mais atrai investimentos estrangeiros produtivos no Mundo. Durante o período 2003-2015, o país recebeu quase US$ 552 bilhões em IED. 
Pedidos de recuperação judicial cresceram 69% em Setembro:

http://consultor-juridico.jusbrasil.com.br/noticias/391445682/pedidos-de-recuperacao-judicial-crescem-69-em-setembro-diz-boa-vista-scpc

Vendas do comércio varejista caem 7,7% em Agosto (em relação ao mesmo mês de 2015):

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-10/vendas-no-comercio-varejista-recuam-06-em-agosto-diz-ibge

Desembolsos do BNDES despencam 34% em 2016 (entre Janeiro e Setembro):

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-10/desembolsos-do-bndes-caem-34-em-relacao-2015

Dívida Pública Bruta atinge 70,1% do PIB em Agosto de 2016:

http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/contas-publicas-registram-rombo-recorde-em-agosto-e-na-parcial-do-ano.html
Eleonora de Lucena, jornalista da 'Folha', avisou que a Burguesia brasileira estava cometendo um grave erro ao querer derrubar Dilma mesmo que à custa de se provocar uma grave crise econômica e social. Mas o alerta não foi ouvido e, agora, o país mergulha na pior crise econômica da sua história e que já se transformou em uma Depressão econômica. 
Brasil teve a maior taxa de desemprego na América Latina no 1o. semestre de 2016:

https://nacoesunidas.org/brasil-teve-maior-taxa-de-desemprego-da-america-latina-no-1o-semestre-alerta-onu/

Brasil fecha 2o. trimestre com desemprego de 11,3%:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-08/desemprego-cresce-em-todo-o-pais-e-vai-113-no-2o-trimestre-diz-ibge

Exportações brasileiras acumulam queda de 4,8% em 2016:

http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-semanal

Economia da China cresce 6,7% no 3o. trimestre de 2016:

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/economia/20161019/china-tem-crescimento-estavel-terceiro-trimestre/423930
Roberto Amaral: A destruição da Segurança Jurídica:


Procura por crédito despenca 7,9% no Brasil:


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Governo Temer: A Recessão acabou! Agora, Brasil já enfrenta uma Depressão econômica! Golpe caminha para o fracasso! - Marcos Doniseti!

Governo Temer: A Recessão acabou! Agora, Brasil já enfrenta uma Depressão econômica! Golpe caminha para o fracasso! - Marcos Doniseti! 
PIB do Brasil caiu 5% no acumulado de 2016 (entre Janeiro e Agosto). Uma queda desta já caracteriza uma Depressão econômica. E não há nenhuma perspectiva de que o Brasil vá sair desta situação tão cedo, até porque o modelo econômico neoliberal (imposto pelo governo golpista) irá aprofundar a crise. 

As Fases do Golpe!

Sérgio Medeiros escreveu um ótimo texto (publicado no GGN), no qual divide o Golpe que derrubou Dilma em três fases:

A) Provocar uma grave crise econômica, a fim de derrubar Dilma. Funcionou;

B) Golpe Presidencial derruba Dilma e entrega o comando do país para o PSDB-DEM. Não deu certo.

Esta segunda fase deu errado num aspecto importante e não previsto: O poder caiu nas mãos do PMDB e não no colo do PSDB-DEM, partidos intimamente relacionados aos interesses do capital financeiro globalizado, que é o grande e maior interessado na vitória e consolidação do Golpe e do governo golpista. 

O PMDB é um partido especialista em se agarrar ao poder, não importando quem esteja governando. E se forem os peemedebistas governando, então eles se agarram ainda mais ao poder. 

No entanto, isso gera disputas políticas crescentes dentro do consórcio golpista que domina o país atualmente. 

E tudo indica que a prisão de Eduardo Cunha está ligada a tais conflitos.
Em Janeiro de 2015, economistas das 100 maiores instituições financeiras do país previam um crescimento contínuo do PIB brasileiro para o período 2015-2018. Mas eles não contavam com um movimento golpista que jogaria o Brasil na pior crise econômica de sua história.
C) Imposição das políticas neoliberais e entreguistas: O plano original era entregar o poder para o PSDB-DEM, a fim de impor a política neoliberal e entreguista rapidamente, privatizando e desnacionalizando tudo, promovendo a adoção de uma 'terapia de choque', tal como a que foi aplicada em países como Chile (Ditadura de Pinochet) e Rússia (Boris Ieltsin).

Porém, o custo econômico e social do Golpe está sendo muito maior do que os próprios golpistas imaginavam. A Recessão se agravou de tal forma que já estamos no início de uma Depressão econômica.

E as disputas políticas entre as facções golpistas, pela ocupação do poder, são intensas. Eles se uniram apenas para derrubar Dilma.

Agora temos a disputa pela ocupação de espaços no governo, pela divisão das fatias do bolo. 

Desta maneira, os planos originais dos golpistas (que estão sofrendo prejuízos imensos com os custos econômicos do Golpe) até poderão vir a ser inviabilizados, em função da rápida piora da crise econômica e social brasileira, algo que não estava no roteiro deles. 
O Brasil terminou 2014 com a menor taxa de desemprego de sua história (4,3%). Depois veio o movimento golpista, que jogou o país na pior Recessão de todos os tempos e que já se transformou em uma Depressão Econômica, com o PIB brasileiro acumulando uma queda de 5,5% entre Setembro de 2015 e Agosto de 2016. 
A prisão de Eduardo Cunha: O alvo é o PMDB? 

Neste sentido, a prisão de Cunha por determinação de Sérgio Moro serviria, neste momento, não para justificar uma prisão de Lula, mas para colocar o PMDB e as suas principais lideranças (Temer, Renan, Sarney, Jucá e Geddel) contra a parede, a fim de fazer com que eles concordem com a entrega da Presidência da República para o PSDB, numa futura eleição indireta (via Congresso Nacional) em 2017. 

E com isso os dois principais cargos da República estaria nas mãos da aliança PSDB/DEM, já que este último já controla a Presidência da Câmara dos Deputados (Rodrigo Maia).

Em tal eleição indireta, qualquer pessoa poderia se candidatar, não sendo necessário que fosse um Deputado Federal ou um Senador, abrindo caminho para a eleição, por exemplo, de FHC ou de um governador de estado (Alckmin, por exemplo).

Isso explicaria, por exemplo, a declaração de Temer de que, se a Justiça Eleitoral (TSE) o tirasse do cargo (devido à condenação das suas contas de campanha) ele iria respeitar tal decisão, talvez com a promessa de ter os seus direitos políticos mantidos e, também, de participar num futuro governo sob o comando do PSDB/DEM.
A Renda Per Capita brasileira acumulou um crescimento expressivo durante os governos Lula-Dilma, passando de US$ 2.811 (2002) para US$ 11.670 (2014). O aumento foi de 315%.
A questão é: Mesmo que Temer aceitasse a deposição, como iriam reagir as outras lideranças políticas do PMDB (Renan, Sarney, Geddel, Jucá, Moreira Franco)? Eles irão aceitar abrir mão do poder, assim, tão facilmente?

Tudo indica que não. 

Daí, a necessidade de se prender Eduardo Cunha e de usar isso como um fator de pressão contra os principais líderes do PMDB, a fim de que eles aceitem entregar a Presidência da República ao PSDB sem criar maiores problemas.

Insatisfação popular com o governo Temer aumenta e Lula cresce nas pesquisas!

Mas temos, também, um outro sinal claro de que os golpistas estão, desde já, sofrendo um desgaste com a piora da situação econômica e social, que é a ascensão de Lula nas mais recentes pesquisas eleitorais (chegando a 34%-35% na pesquisa Vox Populi mais recente).

A saída de Dilma contribuiu para este crescimento de Lula, inclusive, porque agora a população brasileira começa a se dar conta de que a crise que o país enfrenta não era culpa exclusiva de Dilma, muito pelo contrário, tal como muitos foram convencidos a pensar (pela Grande Mídia).
O valor do PIB brasileiro aumentou consideravelmente entre 2003-2014 (governos Lula e Dilma), passando de cerca de US$ 500 bilhões (2002) para US$ 2,4 trilhões (2014). 
Afinal, Dilma foi derrubada em Maio e, desde então, a situação econômica e social do país piorou ainda mais. E o cenário para os próximos meses é de que a mesma vá se agravar consideravelmente, com um forte aumento do desemprego, da pobreza, da miséria. 

Assim, aquela história de que bastaria tirar Dilma do cargo que tudo iria melhorar está indo por água abaixo rapidamente e uma parcela cada vez maior da população está ficando cada vez mais insatisfeita.

Logo, essa insatisfação, que ocorre em função do agravamento da crise econômica e social, tem tudo para aumentar, até pelos planos do governo Temer, que incluem:

A) Eliminar direitos sociais, trabalhistas e previdenciários (80% dos brasileiros são contra as mudanças na Previdência); 

B) Privatizar as principais estatais (Petrobras, BB, CEF); 

C) Entregar o petróleo do pré-sal e aprovar a PEC 241 (que é rejeitada por 70%); 

D) Cortar drasticamente os investimentos públicos e na área social.

Com isso, esta insatisfação popular irá aumentar ainda mais, à medida que a Recessão vai se aprofundando, até porque ela já se transformou em uma Depressão econômica. 
A crise econômica mundial, que começou em 2008 e que está muito longe de terminar, diminuiu muito o ritmo de crescimento da economia chinesa, que chegou a crescer 14,2% em 2007. Atualmente, a economia chinesa cresce 6,7% ao ano.
Brasil está em Depressão Econômica!

Somente nos últimos 12 meses (período de Setembro/2015 a Agosto/2016) a queda do PIB brasileiro atingiu os 5,5%. Isso já não é uma Recessão, mas uma Depressão econômica.

A Depressão, que está cada vez mais forte e ameaça durar muito tempo, também está arrebentando as contas públicas do país, levando a um aumento cada vez maior da relação Dívida/PIB, pois o déficit público (nominal e primário) cresce ainda mais em função da forte redução da arrecadação de impostos.

E com o aumento do déficit público, que já é imenso, a Dívida Pública também ameaça sair do controle e cresce rapidamente. 

Vejam alguns dos principais indicadores econômicos do Brasil que foram divulgados recentemente:

1) Vendas do comércio varejista desabaram 7,7% em Setembro;

2) Vendas de veículos zero km despencaram 20% em Setembro;

3) Pedidos de recuperação judicial de empresas cresceram 69% em Setembro;

4) Indústria brasileira tem capacidade ociosa de 34%;
A oferta de crédito agrícola cresceu fortemente no Brasil, durante os governos Lula e Dilma, passando de R$ 107,2 bilhões (2011) para R$ 202,8 bilhões (2016). 
5) Desembolsos do BNDES despencaram 34% no acumulado de 2016 (até Setembro);

6) PIB brasileiro acumulou queda de 5,48% em 12 meses (Setembro/2015 a Agosto) 2016) e de 5% no acumulado de 2016 (Janeiro a Agosto);

7) Brasil caiu no ranking (de 4o. para 7o.) de destinos preferidos de multinacionais para investimentos;

8) Déficit Público Primário acumulou R$ 169 bilhões em 12 meses (Setembro/2015 a Agosto/2016), o equivalente a 2,77% do PIB;

9) Dívida Pública Bruta atingiu 70,1% do PIB em Agosto de 2016, contra 57,2% do PIB em Dezembro de 2014;

10) Déficit Público Nominal (inclui gastos com juros da dívida pública) chegou a R$ 587 bilhões (9,64% do PIB) no acumulado de 12 meses (Setembro de 2015 a Agosto de 2016);

11) Os gastos com juros da Dívida Pública atingiram os R$ 418 bilhões no acumulado de 12 meses (Setembro de 2015 a Agosto de 2016), o equivalente a 6,86% do PIB;
Acordos Salariais: Durante o período 2004/2015 a maioria dos acordos salariais assinados no Brasil concedeu aumentos reais de salários. 
12) Brasil teve a maior taxa de desemprego na América Latina no 1o. semestre de 2016 (12,4%);

13) Setor de Serviços cai 1,6% em Agosto; Acumulado de 2016 mostra queda de 4,7%;

14) Exportações brasileiras acumulam queda de 4,8% em 2016 (até 2a. semana de Outubro).

Caso esta trajetória não venha a ser interrompida em breve, talvez daqui a não muito tempo o Estado brasileiro poderá vir a se tornar insolvente, o que o levará a promover um gigantesco calote no pagamento da Dívida Pública.

Assim, teremos a falência do país, bem como o início de uma gigantesca convulsão social. 

Com tudo isso, este Golpe vai reunindo elementos suficientes para que se venha a se transformar em um gigantesco fracasso, o maior da história brasileira.  
A Dívida Pública Líquida despencou no Brasil a partir de 2003. Ela era de 60,4% do PIB (2002) e caiu para 34,9% do PIB em 2014. 
Golpe afasta investidores externos do Brasil e isola país dos BRICS!

O golpismo da oposição derrotada por quatro vezes seguidas na eleição presidencial (2002, 2006, 2010, 2014), somada com o Terrorismo Midiático, a operação Lava Jato e a aprovação das Pautas-Bomba pelo Congresso Nacional jogaram o Brasil na pior Recessão de sua história (fato este que foi reconhecido pelo atual presidente do Banco Central).

Tal crise derrubou a popularidade de Dilma e serviu de pretexto para derrubá-la do cargo. Mas o Golpe também gerou um crescente isolamento diplomático do Brasil no cenário mundial.

Isso ficou mais do que evidente nas recentes participações Temer na reunião do G20, na reunião dos BRICS, bem como na viagem ao Japão.

No comunicado oficial do G20, Temer sequer foi citado, sendo denominado de 'Brazilian Leader'. E na foto oficial da reunião, ele foi escanteado, sendo que quase não apareceu na mesma. Na reunião, Temer foi o único governante com que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, não se reuniu. E na foto oficial, Putin recusou-se a segurar a mão de Temer. 

E no Japão, Temer ouviu broncas duras do Primeiro-Ministro (Shinzo Abe) e de empresários japoneses em função dos prejuízos bilionários que as empresas japonesas tiveram no Brasil em função da operação Lava Jato (que paralisou grandes obras e projetos que contaram com grande participação do capital japonês, como na indústria de construção naval) e a Recessão (provocada pelo Golpe). 
O valor do salário mínimo passou de R$ 200 (2002) para R$ 880 (2016), sendo reajustado em 340%, contra uma inflação acumulada de 130%. Com isso, o poder de compra do Salário Mínimo aumentou 91,3% durante os governos Lula e Dilma. 
Somente na indústria automobilística, as empresas japonesas investiram US$ 7 bilhões no Brasil nos últimos anos. E agora, as suas linhas de produção tem uma grande capacidade ociosa, em função da grande queda que tivemos, no Brasil, nas vendas de veículos a partir de 2015, em especial, ou seja, a partir do início do movimento golpista.

Com isso, os empresários japoneses também já avisaram Temer de que o Brasil não receberá novos investimentos tão cedo.

O Golpe e a Insegurança Jurídica! Japão já avisou: Brasil não receberá novos investimentos! 

O fato de que a Constituição do país foi rasgada e jogada no lixo fez com que se criasse uma situação de total insegurança jurídica, o que afasta o capital estrangeiro do país. Não foi à toa que o Brasil caiu de 4o. para 7o. no ranking de destino preferido das multinacionais e deverá cair ainda mais à medida que a economia permaneça em depressão. 

Essa insegurança jurídica, aliada à Depressão econômica que o país enfrenta e aos gigantescos prejuízos provocadas pela operação Lava Jato (que paralisou inúmera grandes obras de infra estrutura pelo país afora) fazem com que o capitalistas estrangeiros fiquem cada vez mais arredios, reduzindo seus investimentos no país.

Não é nenhuma surpresa, assim, que o governo Temer seja duramente criticado pelo Primeiro-Ministro (Shinzo Abe) e pelos empresários japoneses em função dos prejuízos bilionários que o Golpe e a operação Lava Jato geraram para as empresas japonesas que investiram na construção naval e em grandes obras no Brasil.

A combinação de consumo e investimentos internos (públicos e privados) despencando, redução de investimentos estrangeiros e continuidade da crise econômica mundial (que reduz as exportações brasileiras) fará com que a Depressão vá se agravar ainda mais, resultando na explosão do desemprego, da pobreza e da miséria nos próximos dois anos, pelo menos.

E esse acelerado processo de empobrecimento do país e da população atingirá com força não apenas aos mais pobres, mas também à classe média, a mesma que saiu pelas ruas do país exigindo 'Fora Dilma' e que foi facilmente manipulada por uma Grande Mídia falsamente preocupada com a corrupção.
As taxas de Desemprego no Brasil e na Espanha seguiram tendências opostas a partir de 2008, ano em que começou a Crise Global. Na Espanha ela subiu de 8,4% (2007) para 24,5% (2014). Já no Brasil ela caiu de 8,1% (2007) para 5,2% (2014). 
Com isso, o risco de que o Brasil venha a sofrer um processo de convulsão social nos próximos anos não deve ser descartado.

E aí, golpistas, gostaram do que vocês fizeram com o país?


Crise econômica se agrava no governo Temer:


PIB brasileiro sofre queda de 4,6% no 1o. semestre de 2016 (em relação ao mesmo período de 2015):


Queda do PIB atinge 5,5% no acumulado de 12 meses (Setembro/2015 a Agosto/2016):

http://noticias.r7.com/economia/folha-de-vitoria/previa-do-pib-cai-091-em-agosto-20102016
As reservas internacionais líquidas brasileiras aumentaram fortemente entre 2003-2014, passando de US$ 16 bilhões (2002) para US$ 379 bilhões (2014). Atualmente, elas são de US$ 376 bilhões. 
Indústria brasileira tem capacidade ociosa de 34%:

Governo e empresários do Japão deram bronca em Temer em função de prejuízos bilionários gerados pela operação Lava Jato e por Recessão:



O terceiro ajuste - O novo passo do Golpe (Sérgio Medeiros):


Aventura golpista isola o Brasil:

http://www.ocafezinho.com/2016/10/21/aventura-golpista-isola-a-nacao/


O Brasil se tornou, durante os governos Lula-Dilma, um dos países que mais atrai investimentos estrangeiros produtivos no Mundo. Durante o período 2003-2015, o país recebeu quase US$ 552 bilhões em IED. 
Pesquisa Vox Populi de Outubro de 2016:

http://imagem.vermelho.org.br/biblioteca/relatorio_completo_pesquisa_cut_out_16_r5_vf_3102177.pdf

Pedidos de recuperação judicial cresceram 69% em Setembro:

http://consultor-juridico.jusbrasil.com.br/noticias/391445682/pedidos-de-recuperacao-judicial-crescem-69-em-setembro-diz-boa-vista-scpc

Vendas do comércio varejista caem 7,7% em Agosto (em relação ao mesmo mês de 2015):

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-10/vendas-no-comercio-varejista-recuam-06-em-agosto-diz-ibge

Desembolsos do BNDES despencam 34% em 2016 (entre Janeiro e Setembro):

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-10/desembolsos-do-bndes-caem-34-em-relacao-2015

Dívida Pública Bruta atinge 70,1% do PIB em Agosto de 2016:


http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/contas-publicas-registram-rombo-recorde-em-agosto-e-na-parcial-do-ano.html
Eleonora de Lucena, jornalista da 'Folha', avisou que a Burguesia brasileira estava cometendo um grave erro ao querer derrubar Dilma mesmo que à custa de se provocar uma grave crise econômica e social. Mas o alerta não foi ouvido e, agora, o país mergulha na pior crise econômica da sua história e que já se transformou em uma Depressão econômica. 
Brasil teve a maior taxa de desemprego na América Latina no 1o. semestre de 2016:


https://nacoesunidas.org/brasil-teve-maior-taxa-de-desemprego-da-america-latina-no-1o-semestre-alerta-onu/

Brasil fecha 2o. trimestre com desemprego de 11,3%:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-08/desemprego-cresce-em-todo-o-pais-e-vai-113-no-2o-trimestre-diz-ibge

Exportações brasileiras acumulam queda de 4,8% em 2016:

http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-semanal

Economia da China cresce 6,7% no 3o. trimestre de 2016:

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/economia/20161019/china-tem-crescimento-estavel-terceiro-trimestre/423930