Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Mensalão tucano comprou a Veja?- por Altamiro Borges!

Mensalão tucano comprou a Veja?- por Altamiro Borges, do seu blog



A revista CartaCapital desta semana não coloca em suspeição apenas o ministro Gilmar Mendes, do STF. 
 
Ela envolve outros figurões como beneficiários do esquema de caixa dois montado pelo publicitário Marcos Valério para a campanha da releição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas Gerais, em 1998.  
 
Segundo a matéria, o tucano declarou na época ter gasto R$ 8 milhões. Documentos indicam, porém, que o valor superou R$ 104,3 milhões. "Há um abismo entre a contabilidade oficial e a paralela", conclui a revista.

Deste montante, R$ 185 mil teriam ido parar nas mãos de Gilmar Mendes. Um pacote com os documentos de quase 30 páginas, que contam com a lista em ordem alfabética e os comprovantes bancários, foi entregue na última quinta-feira à Polícia Federal de Minas Gerais, à delegada Josélia Braga da Cruz. 
 
Os pagamentos teriam sido feitos pela empresa SMP&B Comunicação, de Marcos Valério, por meio do Banco de Crédito Nacional e do Banco Rural, cujos diretores são réus do chamado "mensalão do PT", processo que começa a ser julgado em 2 de agosto no Supremo Tribunal Federal, inclusive por Gilmar Mendes. 
Abril recebeu recursos do valerioduto?
Mas o "relatório de movimentação financeira da campanha à reeleição do governador Eduardo Brandão de Azeredo", publicado pela CartaCapital, vai além ao listar outros nomes. Nele se encontra uma declaração de Marcos Valério, que se coloca, no papel registrado em cartório, como principal coordenador financeiro do caixa dois de Eduardo Azeredo. A lista do famoso "valerioduto" inclui a Editora Abril, como destinatária de R$ 49,3 mil, e o Grupo Abril, que teria abocanhado outros R$ 49,5 mil. 

Ambas são do empresário Roberto Civita, o chefão da Veja. Será por este motivo que a revista faz tanto estardalhaço sobre o "mensalão do PT", mas evita tratar do "mensalão tucano"?
 
Link:
 

Nenhum comentário: