Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 14 de julho de 2012

Pepe Escobar: Governo da Síria permanece unido e indestrutível!


Pepe Escobar: “A Hidra em Damasco” 
 

13/7/2012, Pepe Escobar, Asia Times Online – The Roving Eye
 
 
Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

Pepe Escobar
Kofi Annan está cada vez mais parecido com Austin Powers [1], menos os ternos vermelhos; misterioso agente internacional, que voa de capital em capital, pelo mundo, tentando impedir uma guerra terrível. O “Dr. Mal”, claro, é Bashar al-Assad, da Síria. “Mexa-se, baby”!  [2]
 
O mediador-em-chefe da ONU está agora convencido de que Irã e Iraque apoiam seu novo plano de transição política para Damasco, que, na essência, é o plano anterior, de 12 de abril remixed, por causa de uma equipe de exilados oportunistas conhecidos como Conselho Nacional Sírio (CNS) [orig. Syrian National Council (SNC)]. 
 
Há matéria [3] com detalhes deliciosos do encontro em Damasco, no início da semana, entre Annan e Assad. Como em qualquer show decente, as melhores falas aparecem antes dos créditos:
 

Annan: Por quanto tempo você acha que essa crise continuará?
Assad: Durará enquanto o regime financiá-la.
Annan: Você acha que todo o dinheiro é deles? 
Assad: Eles estão por trás de muitas coisas que acontecem em nossa região. Acham-se capazes de liderar todo o mundo árabe hoje e para sempre.
Annan: Mas tenho a impressão de que eles não têm a população necessária para tanta ambição. [Todos riem]
 
Chamem o agente Kofi Powers, para salvar o mundo? 
 
Kofi Annan
 
Não apenas Annan e Assad: todo mundo sabe que “o regime” referido é o Qatar. E por isso o CNS não aceita cumprir o cessar-fogo decidido no plano anterior de Annan – e novamente não aceitarão agora, pelo segundo plano. Todos sabem que o Qatar – e a Arábia Saudita – continuarão a armar os “rebeldes”, sejam desertores, associados ao CNS ou não, membros dos diferentes ramos do Exército-sírio-nada-Livre, ou mercenários salafistas-jihadistas outra vez alugados em alegre colaboração com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).
 
O CNS foi a Moscou, para conversar com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. [4] Os russos não se impressionaram. Nas palavras do novo chefe do CNS, Abdulbaset Sayda, “Exigimos a partida imediata de todos os representantes do atual governo, a começar pelo líder Assad (...) Qualquer tentativa de reconciliação com o atual regime dará em nada”.
 
Quer dizer: outra vez, o CNS está torpedeando Kofi Powers Annan e sua transição política, antes até de haver alguma transição. Para nem dizer que já deram jeito de alienar Moscou, cujo principal interesse é ser o principal mediador de um governo sírio de transição. Moscou redigiu uma resolução, para prorrogar a missão da ONU na Síria por mais três meses, trocando o monitoramento de uma trégua que ninguém respeita, pela negociação de uma transição política.
 
O chamado plano de seis pontos de Annan implica imediato cessar-fogo (que jamais será respeitado pelo CNS e pelo ESL); retirada, de vilas e cidades, de todo o armamento pesado e forças militares; acesso para socorro humanitário e jornalistas; e criação de um mecanismo para a transição política.
Hillary Clinton
 
Mais uma vez, até essa “transição política”, baseada em “aceitação mútua” – decidida em Genebra, dia 30 de junho – já começa plantada sobre terreno extremamente movediço. Para Washington, “aceitação mútua” significa “Assad fora”. Para Moscou, “aceitação mútua” significa que o sistema Assad é parte da negociação.
 
A oposição síria, representada pelo CNS e pelo Exército Sírio Livre (ESL) – devidamente apoiada pela secretária de Estado Hillary (“Viemos, vimos, ele morreu”) Clinton e sua gangue de “Amigos da Síria” – continua aos gritos: que se danem as negociações; queremos o poder e queremos já. Que democracia seria essa?
 
You say you want a revolution [5] 
 
A essa altura, Kofi Powers já deveria ter subido a aposta e usado alguma tática de intimidação sedosa contra aquele pessoal. Afinal, é sua reputação que está em jogo. Não acontecerá. 
 
Assim sendo, não surpreende que toda a gangue desejante – do pessoal do Pentágono, CIA e gente do Departamento de Estado, aos aliados turcos do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, incluindo aqueles “democratas” exemplares do Golfo – estejam salivando ante a possibilidade de... e o que mais seria?!... um golpe.
 
Agora, quando por todos os cantos florescem as “democraturas” (4/7/2012, redecastorphoto, Pepe Escobar: E tudo sempre pode acabar em “democratura”), o cardápio parece bem apetitoso. No Egito, o orwelliano Conselho Supremo das Forças Armadas já desferiu seu golpe, imediatamente antes das eleições presidenciais. No Iêmen, a Casa de Saud instalou o substituto preferido, no posto de Abdul Saleh, depois de uma espécie de golpe branco.
Hidra
 
Considerando que a OTAN e os “Amigos da Síria” são totalmente ineptos/incapazes para montar golpe semelhante, e considerando que as elites no topo do poder da Síria absolutamente não racharam, o quadro é semelhante ao de Hosni Mubarak: tenta-se cortar a cabeça da cobra, mesmo que, imediatamente, novas minicabeças já estejam brotando na mesma cobra, como na Hidra.
 
Fachadas de inteligência dos EUA, como a recentemente hackeada-detonada empresa Stratfor, temem que esse arranjo só beneficie Irã e Rússia, ambos com complexas redes instaladas dentro da Síria, e ambos interessados em manter o atual sistema, porque interessa aos seus projetos geopolíticos.
 
Altamente útil será manter olho vivo, acompanhando o que o clã Assad enfrenta, no plano interno. Uma “transição” liderada de dentro da Síria pode dar ainda mais poder a alguns seletos sunitas e talvez a uns poucos cristãos e curdos – mas a mudança nada terá a ver com a “revolução” com que o CNS delira. Em termos estruturais, continuará tudo mais ou menos como está.
 
Dentre os sunitas que ganham poder num cenário pós-Assad, os principais candidatos são o ministro do Interior Mohammad Ibrahim al-Shaar; o Comandante do Estado-maior do Exército Fahd Jasem al-Farij; o vice-secretário regional do Partido Baath Muhammad Said Bukhaytan; e o comandante da Guarda Republicana Manaf Tlas (o qual, sim, desertou e já está em Paris [6]).
Dr. Evil e Mini-me
 
Até agora, contudo, as deserções são praticamente irrelevantes; mas há um grupo que é preciso observar de perto. Se alguém desse grupo desertar, então, sim, o clã Assad pode começar a enfrentar problemas graves. Nesse grupo estão Jamil Hassan; Abdel-Fatah Qudsiyeh; Ali Mamlouk; e Muhammad Deeb Zaitoon. São os chefes das quatro agências de inteligência da Síria (sim, a Síria de Assad é estado policial de linha ultra dura). E, claro, Hisham Bakhtiar – chefe do Conselho de Segurança Nacional e principal conselheiro de segurança de Assad.
 
No pé em que estão as coisas hoje, o grupo governante sírio ainda parece monoliticamente indestrutível. Não sairão de lá e só serão arrancados com luta extrema. 
 
 
E a “alternativa” é a Fraternidade Muçulmana e o Conselho Nacional Sírio – cujas credenciais “revolucionárias”, para nem falar em democracia, são, para dizer o mínimo, pífias. As massas de civis apanhadas sob fogo cruzado, talvez até se interessassem pela possibilidade de golpe. Melhor que acabar governados pelos sinistros “Amigos da Síria”, o que seria substituir um Dr.Mal por um Dr. Mini-Mal [7], só que “democrático”. 
 

Notas dos tradutores
[1] Personagem de três filmes sobre um agente do Ministério da Defesa britânico, e seu arqui-inimigo-nêmesis, Dr. Evil [Dr. Mal], obcecado com apressar o fim-do-mundo-como-o-conhecemos, e cujos planos Austin sempre consegue fazer fracassar. Imagens em: “Film: Austin Powers. 

Link:
 

Nenhum comentário: