Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Governo paraguaio não consegue o ansiado apoio da OEA!


Governo paraguaio não consegue o ansiado apoio da OEA - do Vermelho

O governo paraguaio, que aspirava conseguir da OEA uma resolução de apoio para aliviar seu isolamento internacional, não conseguiu nada na recém-finalizada reunião desse organismo.

As esperanças do Executivo que assumiu o poder depois da destituição do presidente Fernando Lugo se baseavam na possível aprovação do relatório apresentado por José Miguel Insulza, secretário geral do organismo regional, documento que negava o golpe à democracia ocorrido no Paraguai.

Sancionado por Mercosul e Unasul, os dois grandes blocos integracionistas sul-americanos, e ameaçado de castigos similares no Parlamento Latino-Americano e da Associação Latinoamericana de Integração, ao Paraguai era importante um claro apoio da Organização de Estados Americanos.

No entanto, o relatório de Insulza não foi aprovado e nem sequer pôde conseguir que as nações presentes aceitassem "tomar nota" do mesmo, um termo protocolar similar a uma aceitação moderada ou de cortesia de seu conteúdo, no qual se aceitava como algo normal o julgamento político a Lugo.

Insulza também não conseguiu que o plenário apoiasse como algo institucional seu compromisso com o governo paraguaio de enviar, com meses de antecipação, a Assunção uma comissão observadora do processo eleitoral que culmina com as eleições gerais de 2013.

O fracasso desta última tentativa fez que a dita missão só possa se considerar como enviada a título pessoal por Insulza, pois nem sequer se conseguiu consenso para a converter em uma verdadeira representação da OEA.

Claro que o governo atual paraguaio apresentou como uma vitória de sua diplomacia não ter sido sancionado por essa organização como sucedeu nas anteriormente mencionadas, mas lhe foi impossível qualificar o resultado da reunião como um reconhecimento a sua legalidade.

O secretário geral da opositora Frente Guaçú, Ricardo Canese, foi duro no julgamento do ocorrido, pois destacou a celebração como mostra do desespero governamental por uma condenação internacional, que se mantém.

Fonte: Prensa Latina

Link:

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=191968&id_secao=7

Nenhum comentário: