Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Por que FHC pode salvar Serra? 'É a luta de classes, estúpido'! - por Marcos Doniseti!

Por que FHC pode salvar Serra? 'É a luta de classes, estúpido'! - por Marcos Doniseti!

Quais as razões que levaram a campanha de Haddad a antecipar a entrada de Dilma e de Marta e a de Serra pedir a ajuda de FHC? 

Por que a candidatura de Russomano cresceu tanto e se consolidou, tendo praticamente garantida uma vaga no 2o. turno?




A força e a crescente consolidação do candidato do PRB, Celso Russomano, que passou de 18% para 25% na pesquisa espontânea do Datafolha, é o que explica, a meu ver, a antecipação da entrada de aliados políticos de Haddad e de Serra na campanha à prefeitura de São Paulo

No caso de Serra, este pediu a ajuda do ex-presidente FHC, que já gravou peças de apoio ao candidato tucano, que se encontra em queda nas pesquisas, tendo caído de 30% para 21% das intenções de voto (no Datafolha; já o Ibope apontou 20% X 16% para Serra e Haddad, respectivamente) e que já está, segundo o Ibope e o Datafolha, empatado tecnicamente com o candidato Fernando Haddad.

Já li inúmeras manifestações de ironia nas redes sociais e nos blogs progressistas a respeito da entrada de FHC na campanha de Serra, com todos dizendo que isso significa o fim da candidatura de Serra.

Pois eu discordo disso. E por um motivo bem simples:

Quando se analisa as pesquisas em detalhes, descobre-se que Serra está perdendo votos para Russomano mesmo em bairros de classe média mais abastada nos quais os candidatos do PSDB sempre obtém uma votação avassaladora, ultrapassando os 80% dos votos válidos em muitos casos.

Independente de se gostar ou não de FHC (ou melhor, das políticas que ele adotou e às quais eu reprovo, pois provocaram um forte aumento do desemprego e estagnação econômica e social durante o seu governo) não se pode negar que o ex-presidente possui, sim, um certo prestígio entre as camadas de maior poder aquisitivo da população, principalmente em São Paulo.

Existe uma clara divisão classista em todas as eleições realizadas na capital paulista. Nos bairros mais ricos, o PSDB e os partidos e candidatos conservadores chegam a obter até 80% dos votos válidos. Em algumas regiões, chegam a ultrapassar este patamar.

E o fato concreto é que Russomano conseguiu penetrar em segmentos deste eleitorado que passou a detestar Serra, mesmo sendo tucano-conservador e sempre votando nos candidatos do partido, devido ao péssimo segundo mandato de Kassab.

A situação da cidade piorou tanto no segundo governo Kassab que este se tornou o prefeito de capital mais impopular do Brasil, atingindo 48% de ruim-péssimo segundo a mais recente pesquisa Datafolha.

E por mais que tente, Serra não tem como se desvencilhar deste fato, afinal Kassab era o seu vice e ele o apoiou quando o então prefeito do DEM se candidatou à reeleição.

Desta maneira, tornou-se inevitável que a impopularidade respingasse de Kassab respingasse em Serra.

Aliás, a mais recente pesquisa Datafolha de intenção de voto para a prefeitura da capital paulista e a de avaliação do governo de Kassab mostram claramente essa conexão. 

Senão, vejamos:

A intenção de voto em Serra é de 20% no Ibope e de 21% no Datafolha. E são justamente 20% dos paulistanos os que consideram o governo Kassab como sendo ótimo-bom (sim, eles existemm, por mais incrível que possa parecer) segundo o Datafolha.

E quanto à rejeição, os percentuais de Serra também são muito próximos: Enquanto Serra tem 42% de rejeição, o governo Kassab é considerado como sendo ruim-péssimo por 48% dos paulistanos.

Isso comprova que ocorreu uma transferência da impopularidade de Kassab para a candidatura de Serra. Em função disso é que o candidato tucano perdeu  muiuto apoio entre aquele eleitorado de classe média mais conservador que sempre votou maciçamente nos candidatos do PSDB e de outros partidos conservadores em todas as eleições.

Russomano conseguiu uma sensível penetração junto a este eleitorado e é para combater isso que Serra pediu a ajuda de FHC. De acordo com a pesquisa Datafolha desta semana, 21% dos eleitores do PSDB votam em Russomano e apenas 63% escolhem Serra.

Portanto, é para esse eleitorado conservador dos bairros e regiões mais ricos da capital paulista que o ex-presidente FHC irá discursar a fim de ajudar a levar Serra para o segundo turno.

Se isso irá funcionar ou não, são 'outros 500'.

Afinal, a imagem de Serra e de seu pupilo, o prefeito Kassab, está muito desgastada junto à população paulistana, que está cansada e com raiva do abandono a que a cidade foi relegada por ambos. Serra saiu para se eleger governador, enquanto que Kassab abandonou a cidade para percorrer o Brasil inteiro a fim de criar o PSD. 

Serra e Kassab abandonaram a cidade e, agora, pagam muito caro por isso. 

Assim, FHC terá que ser muito convincente para recuperar os votos que Serra perdeu para Russomano entre o eleitorado mais conservador e de classe média mais abastada.

Quanto à campanha de Haddad, este também se deparou com uma grande simpatia do eleitorado petista e da periferia paulistana pela candidatura de Russomano. E este fato é que torna mais difícil para ele continuar subindo nas pesquisas. Segundo o Datafolha, Haddad subiu 6 p.p. na primeira semana de horário eleitoral (passou de 8% para 14%), mas cresceu apenas 2 p.p. na segunda semana (subindo de 14% para 16%), o que mostra um processo de desaceleração do seu crescimento e que se deu, justamente, em função do crescimento de Russomano, que ocorreu até mesmo entre os simpatizantes do PT, que são 24% dos eleitores na capital paulista.

Segundo a pesquisa Datafolha mais recente, Haddad tem o voto de apenas 37% dos eleitores petistas, contra 33% de Russomano, caracterizando um empate técnico entre os dois candidatos num segmento do eleitorado que deveria ser amplamente favorável ao petista.

Isso explica porque Haddad decidiu reforçar a sua campanha junto a esse eleitorado da vasta e populosa periferia paulistana, na qual se concentra a força da candidatura de Russomano.

Se a campanha Haddad não conseguir atrair uma fatia maior desse eleitorado, ele corre o sério risco de ficar de fora do segundo turno.



Foi para evitar essa possibilidade que a campanha de Haddad antecipou a entrada da senadora Marta Suplicy na mesma, visto que ela é extremamente popular junto à população dessa imensa região da populosa periferia de São Paulo.

Em seu governo, Marta priorizou obras e programas que beneficiaram fortemente essa população, como foi o caso do Bilhete Único, do Renda Mínima e dos CEUs, tornando-se muito popular neste segmento do eleitorado paulistano. 

E as propostas de Haddad no sentido de criar o Bilhete Único Mensal, de construir mais 20 CEUs e mais 150 kms de corredores exclusivos de ônibus vão justamente no sentido de atender às crescentes demandas da população paulistana de extração popular por serviços públicos de qualidade.

Segundo a mais recente pesquisa do Datafolha, de 3 e 4 de Setembro, o candidato do PRB tem 42% das intenções de voto entre os eleitores com renda familiar de 2 a 5 salários mínimos, contra apenas 17% de Serra e os mesmos 17% de Haddad. 

Já entre os eleitores com renda familiar de 5 a 10 salários mínimos, Russomano cai para 30%, contra 21% de Serra, 20% de Haddad e 10% para Chalita.

A divisão dos votos no quesito escolaridade também mostra essa forte penetração da candidatura de Russomano nas camadas mais populares, com ele conquistando 41% das intenções de voto entre os eleitores que tem o Ensino Fundamental e chegando a 37% entre os eleitores com Ensino Médio.

Já no eleitorado com curso superior, o candidato do PRB cai para 23%, contra 25% de Serra, 16% de Haddad e 11% de Chalita.

Assim, Russomano conseguiu atrair, para a sua candidatura, a chamada 'classe C', que foi criada pelas políticas de distribuição de renda e de geração de empregos formais adotadas pelo governo Lula. Esta 'classe C' tem  uma renda e escolaridade crescentes e agora, é claro, anseia por desfrutar de condições de vida cada vez melhores.

As pesquisas e estudos mais recentes feitos sobre essa 'classe C' (esta é uma classe sócio-econômica e não uma classe social, ok?) mostram que a mesma deseja ter acesso a serviços públicos de melhor qualidade, em especial na saúde, transportes coletivos, moradia e educação.

E são justamente este os setores da administração que são mais mal avaliados pelos paulistanos com relação à atuação do governo Kassab.

O fato concreto é que Russomano disparou na preferência deste eleitorado e, por isso, cresceu tanto nas pesquisas, mostrando que não é nenhum 'cavalo paraguaio', tal como muitos diziam antes de começar a campanha eleitoral no rádio e na TV.

Agora, quais são os motivos dessa força de Russomano entre esse segmento popular do eleitorado, a chamada 'classe C'? 

A meu ver, isso se deve à vários fatores:

Russomano não é nenhum novato em disputas eleitorais, sendo que já se candidatou várias vezes para disputas à prefeitura, governo do estado e deputado federal. Na primeira vez em que se candidatou, em 1999, para deputado federal, ele foi o mais votado por São Paulo, com pouco mais de 233 mil votos.

Russomano também tem muita presença de mídia e já há muitos anos, sendo bastante conhecido do eleitorado, tendo começado a sua carreira na TV em 1986. Experência à frente das telas de TV, ele tem de sobra, portanto. E isso ajuda muito nas eleições disputadas atualmente, pois as mesmas são decididas, em grande parte, pelo acesso dos candidatos ao rádio e à TV.

Assim, mesmo tendo pouco tempo no horário eleitoral no rádio e na TV, Russomano sabe fazer bom uso do mesmo.

E até pouco antes da campanha no rádio e na TV começar  ele apresentava um programa na Rede Record sobre defesa dos direitos dos consumidores e que já havia exibido em outras emissoras anteriormente.

Logo,. já há muitos anos já que ele construiu essa imagem, e que é muito sólida entre os eleitores das camadas populares de São Paulo, de um defensor dos consumidores, principalmente daqueles que melhoraram de vida durante o governo Lula, ou seja, da chamada 'classe C'.

Assim, com essa imagem forte que ele construiu por muitos anos, Russomano atingiu e conquistou justamente, o tipo de eleitor que, agora, declara a intenção de votar nele para prefeito de São Paulo: um eleitorado de extração popular, que professa valores conservadores, com muitos sendo evangélicos, que passou a consumir cada vez mais produtos baratos, mas de qualidade, e que, agora, pressiona, também, para que os serviços públicos melhorem substancialmente.

Esta é uma camada da população que passou a ter emprego com carteira assinada, seu salário e sua renda cresceram e que, assim, ingressou no mercado consumidor.

Porém, esta 'classe C', que Russomano conquistou, não quer apenas comprar bens de consumo e serviços melhores e acessíveis, como TVs de LCD ou assinar TV paga. Ela também deseja escola, saúde, transportes, saneamento básico e moradia de qualidade.

E como Russomano passou a ser visto, por esta camada da população, como um defensor dos seus interesses, ela acredita que ele é o nome mais indicado para melhorar, também, a qualidade dos serviços públicos da cidade, que pioraram bastante nos últimos anos, durante a catastrófica gestão de Gilberto Kassab e do PSDB no governo do estado.

Para se constatar isso, basta ver o que aconteceu com o metrô de São Paulo, que já foi um dos melhores e mais modernos do mundo e que hoje é o pior, sendo o mais superlotado do mundo.O sistema de transporte coletivo municipals (ônibus e micro-ônibus) também piorou bastante nos últimos anos.

Assim, Russomano se transformou não apenas no defensor dos consumidores que desejam comprar um aparelho de TV de LCD de qualidade ou uma cozinha planejada, mas também no defensor dos consumidores de serviços públicos, que anseiam por ter acesso à uma saúde, educação e transportes públicos de qualidade, sem esquecer da moradia e do saneamento básico, que também são áreas muito problemáticas na capital paulista. 

E foi justamente nestes aspectos  mais importantes para essa população que os governos de Serra, Kassab, e também o de Alckmin, deixaram muito a desejar.

Não se pode, também, esquecer que embora Russomano não tenha um partido muito forte para apoiá-lo, que é o PRB (que possui apenas 9 deputados federais), o mesmo tem bastante dinheiro e apoio de mídia para bancar a sua candidatura à prefeitura de São Paulo, devido ao fato de que o PRB é o partido controlado pela Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo, e que também é a proprietária da Rede Record. Inclusive, os pastores da IURD é que comandam a campanha de Russomano.


O discurso conservador de Russomano na questão dos valores e de comportamento (basta ver a sua declaração de que deveria existir 'uma igreja em cada quarteirão') também agradam em cheio a esse eleitorado popular-conservador, com forte influência evangélica, e que é bastante numeroso na capital paulista, principalmente nas regiões periféricas. 

Então, a fragilidade do partido de Russomano acaba sendo compensada, com folga, pela força monetária, midiática e religiosa de sua candidatura.

Dias atrás eu li, no jornal 'Diário de S.Paulo', que a Igreja Universal irá injetar R$ 40 milhões na candidatura de Russomano nas últimas semanas para fortalecer a candidatura de Russomano. Não foi à toa, portanto, que a sua campanha anunciou a contratação de 2 mil novos cabos eleitorais que irão se espalhar por toda a capital paulista.

Portanto, até este momento da campanha, Russomano é o franco favorito para vencer a eleição, fato este que é comprovado pelo fato de que, se o segundo turno acontecesse agora, ele derrotaria Serra (58% X 30%) e Haddad (56% X 30%) com bastante folga. 

Assim, o que veremos, nas próximas semanas, é uma luta de vida ou morte entre Serra e Haddad pela outra vaga no segundo turno, quando tentarão reverter o quadro que, atualmente, é amplamente favorável à Russomano.

Por enquanto, Haddad e Serra estão tentando recuperar ou atrair eleitores que imaginavam ser 'seus' (os da classe média conservadora no caso de Serra; e os da classe C e simpatizantes do PT que vivem na vasta periferia paulistana no caso de Haddad). 

Caso essa estratégia não dê certo, é muito provável que, na reta final do primeiro turno, os dois candidatos partam para críticias mútuas, mas sem exagerar, pois daí poderão acabar beneficiando à Russomano.

O risco é que, caso se digladiem diretamente, e de forma muito agressiva, o que ainda não aconteceu nesta campanha, os candidatos do PT e do PSDB acabem por se enfraquecer mutuamente e, assim, abram caminho para a vitória de Russomano ainda no primeiro turno.


Links:

Pesquisa Datafolha:

http://datafolha.folha.uol.com.br/po/ver_po.php?session=1228

Pesquisa Datafolha em detalhes:

http://datafolha.folha.uol.com.br/folha/datafolha/tabs/int_voto_pref_sp_03092012.pdf

Haddad reforça campanha na periferia de SP:

http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2012/09/06/pt-vitamina-netinho-por-empenho-de-comunista-na-periferia-contra-russomanno/

Lula e Dilma vêem quadro eleitoral incômodo para Haddad:

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,dilma-e-lula-veem-quadro-eleitoral-incomodo-para-haddad-,926542,0.htm

PRB possui apenas 9 deputados federais:

http://www.camara.gov.br/Internet/Deputado/bancada.asp

Russomano defende 'uma igreja em cada quarteirão':

http://eleicoes.uol.com.br/2012/noticias/2012/08/22/gostaria-que-tivesse-uma-igreja-em-cada-quarteirao-diz-russomanno.htm

Marta participa da campanha de Haddad:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1144553-haddad-comemora-entrada-de-marta-na-campanha.shtml

Haddad diz que Russomano não conhece as finanças municipais:

http://www.estadao.com.br/noticias/politica,haddad-afirma-que-russomanno-desconhece-as-financas-municipais,925811,0.htm

Marta grava apoio à Haddad:

http://g1.globo.com/sao-paulo/eleicoes/2012/noticia/2012/09/marta-suplicy-aparece-pela-1-vez-na-campanha-de-tv-de-haddad-em-sp.html

Metrô de SP é o mais lotado do mundo:

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/04/23/metro-de-sao-paulo-ainda-e-o-mais-lotado-do-mundo.htm

Campanha de Russomano é comandada por pastores da IURD:

 http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=193101&id_secao=1

Nenhum comentário: