Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 20 de outubro de 2012

PHA - A reconstrução da indústria naval brasileira pelo governo Lula!


PHA: A INDÚSTRIA NAVAL É
UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - do Conversa Afiada


João Cândido, o primeiro navio encomendado pela Transpetro e que deu início  à reconstrução da Indústria Naval brasileira, durante o governo Lula.


Já imaginou 100 bilhões de barris de petróleo à disposição do pessoal da Privataria?

Daqui a três anos, a indústria naval brasileira vai empregar o mesmo que a indústria automobilística: 100 mil trabalhadores.

Para cada emprego que a indústria naval cria diretamente, outros cinco sao criados na indústria de “navipeças”.

O Brasil precisa de 50 plataformas de exploração de petróleo.

50 sondas.

500 embarcações e 130 petroleiros.

É uma lista de compras equivalente a US $ 200 bilhões.

O Brasil já tem aqui 52 estaleiros – e tem dez em construção.

Empregam 60 mil pessoas.

Tudo isso se deve a um comício do candidato Lula da Silva ao então estaleiro Verolme em Angra dos Reis, na campanha de 2002, em que derrotou o Cerra, fragorosamente.

Fernando Henrique e sua Petrobrax quebraram a indústria naval brasileira.

Empregava 2 mil pessoas.

A Petrobrax de Francisco Gros acabara de anunciar que ia comprar uma plataforma em Cingapura, 10% mais barata que a produzida aqui, pelos tupiniquins.

Lula avisou ali que a primeira coisa que faria seria rasgar o contrato de compra do Gros, um herói do neo-libelismo (*) tucano, e transferir a encomenda a um produtor nacional, com trabalhadores “tupiniquins”.

Depois, veio a descoberta do pré-sal.

O setor de óleo e gás hoje representa 10% do PIB brasileiro.

Daqui a pouco tempo chegará a 20% do PIB.

E a Petrobras, desde que Dilma Rousseff e Graça Forster trabalhavam juntas no Ministério de Minas, adotou a política que Alexander Hamilton impôs à jovem nação americana, no inicio do século XIX: tem que comprar produto nacional, com trabalador e empresário “tupiniquins”.

Todas  essas reflexões surgem de interessantes entrevistas que o amigo navegante pode assistir, hoje, às 22h15, na RecordNews, depois do programa do Heródoto Barbeiro.

Augusto Mendonça, presidente da Abenav, Associação das empresas do setor Naval, e Eugenia de Melo, superintendente da área de petróleo e Gás da Caixa Econômica são os entrevistados.

Mendonça diz que a indústria nacional tem condições de competir, mano-a-mano, em preço e qualidade, com Cingapura em produtos off-shore.

Com a Noruega, em barcos de apoio à exploração.

Mas, apanha da Coreia e da China, ainda, na produção de navios.

Cada um estaleiro deles produz 1 navio por semana.

No Brasil, um por ano.

Mas, chegaremos lá.

Porque dinheiro não vai faltar.

Tem o Fundo de Marinha Mercante, com dinheiro dos impostos de fretes.

Tem o dinheiro do BNDES, do Banco do Brasil e, desde 2010, da Caixa.

A Caixa financia em toda a cadeia de produção da indústria naval.

Ate porque a Caixa pensa no desenvolvimento regional, na geração de renda.

O operário metalúrgico de uma indústria financiada pela Caixa pode ser o comprador de um imóvel finaciado pela Caixa.

Dos 50 projetos da carteira da Caixa, 80% são projetos liderados pela Petrobras.

E, como diz o Mendonça, o petróleo está lá embaixo.

À nossa espera.

(E não da Chevron, como estaria se, em 2002, outro tivesse sido o eleito.)

São reservas de 100 bilhões de barris.

Como as de um pais do Oriente Médio.

(Já imaginou isso na mão dos tucanos ? Do pessoal da Privataria ?)

Paulo Henrique Amorim


(*) “Neolibelê” é uma singela homenagem deste ansioso 
blogueiro aos neoliberais brasileiros. Ao mesmo tempo, um 
reconhecimento sincero ao papel que a “Libelu” trotskista 
desempenhou na formação de quadros conservadores (e 
golpistas) de inigualável tenacidade. A Urubóloga Miriam 
Leitão é o maior expoente brasileiro da Teologia Neolibelê. 

Link:

Nenhum comentário: