Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 27 de outubro de 2012

Vitória de Haddad enfraquece, mas não destrói com forças conservadoras de SP! - por Marcos Doniseti!

Vitória de Haddad enfraquece, mas não destrói com forças conservadoras de SP! - por Marcos Doniseti!
Grande Mídia e oposição conservadora não darão trégua alguma à Haddad!
Sucesso do governo de Haddad pode ameaçar hegemonia política tucana no estado de São Paulo!
Haddad derrota Serra em 2010, essencialmente, pelo mesmo motivo que Marta derrotou Maluf no ano 2000:
Ambos os candidatos do PT enfrentaram políticos conservadores muito enfraquecidos e bastante desgastados devido ao fato de que eles estavam umbilicalmente ligados a governos bastante impopulares na capital (Pitta, no caso de Maluf; Kassab, no caso de Serra).
Kassab foi o Pitta de Serra e por isso este está sendo derrotado. Da mesma forma que o desastre que foi o governo de Pitta levou Maluf a ser derrotado por Marta na eleição de 2004, o fracasso do governo Kassab está fazendo com que Haddad consiga derrotar Serra, agora, em 2012.
Portanto, a vitória de Haddad não aumenta e nem diminui a hegemonia política conservadora em São Paulo, que é histórica, vindo desde tempos imemoriais. 
Entendo que somente se poderá afirmar que esse domínio conservador foi quebrado se Alckmin for derrotado na eleição para o governo do estado daqui a dois anos.
Logo, a derrota de Serra abala e enfraquece, mesmo que momentaneamente, as forças conservadoras paulistas, sim, mas daí a dizer que estas estão definitivamente enterradas é um grave equívoco. 
Se for essa a leitura que as forças progressistas estão fazendo da vitória de Haddad, então o risco de que Alckmin se reeleja em 2014 aumenta bastante. E até mesmo um possível retorno da Direita ao governo da capital paulista não poderá ser descartado caso se considere que a Direita paulista foi destruída. Não foi. Está muito longe disso acontecer. 
Não se esqueçam: Depois do governo de Erundina, tivemos 8 anos de governos conservadores na cidade (Maluf e Pitta) e o mesmo aconteceu após o governo de Marta (com Serra e Kassab sucedendo à petista).

Aliás, caso as pesquisas Ibope e Datafolha estejam corretas, até mesmo a diferença em favor de Haddad é igual àquela com que Marta derrotou Maluf em 2004 (Marta 58,5% X 41,1% Maluf). 
Não podemos nos iludir: As forças conservadoras paulistas não irão dar trégua ao futuro governo de Haddad. Este terá que ter um forte apoio do governo federal, recebendo muitas verbas do mesmo para que ele possa colocar em prática tudo o que falou durante a campanha, como a construção de três hospitais, de 150 kms de corredores de ônibus e a de 55 mil moradias do Minha Casa Minha Vida. 
Qualquer erro ou falha será impiedosamente jogada no colo dele.
A Grande Mídia, em especial, vai fazer de tudo para desgastá-lo e enfraquecê-lo, principalmente nos dois primeiros anos da administração, que sempre são os mais difíceis, pois é preciso reorganizar a administração, mexer no Orçamento (modificando as prioridades de governo), botar a máquina para funcionar novamente. E as obras e realizações, geralmente, demoram um pouco para começar a aparecer (uns dois anos pelo menos).
A Direita sabe, e muito bem, que um governo bem sucedido de Haddad na capital paulista poderá representar o começo do fim da sua hegemonia não apenas na maior cidade do país, mas também no estado mais rico do Brasil. 
Assim, Haddad terá que fazer um governo com muitas realizações e que venha a ser muito bem avaliados pelos paulistanos para poder se firmar politicamente no estado de São Paulo.
Além disso, ele terá que comandar um governo com um apoio político e social bastante amplo, na mesma linha do que aconteceu com o governo Lula e, agora, acontece com o governo de Dilma, que montaram amplas coalizões de governo, com cerca 10 a 11 partidos políticos fazendo parte de ambos. 
Neste aspecto, os movimentos políticos e sociais de extração popular, bem como os blogueiros progressistas, terão um importante papel na defesa da gestão de Haddad, a fim de refutar os ataques virulentos de que o mesmo será vítima, tanto por parte da oposição, como da Grande Mídia. E estes ataques irão acontecer, por melhor que seja o governo de Haddad. 
Afinal, estamos tratando com uma oposição conservadora e com uma Grande Mídia que ataca Lula e Dilma com extrema violência, mesmo com ambos tendo altíssimos níveis de popularidade. 
Então, as forças progressistas que se preparem, pois a guerra pelo domínio político da capital paulista e do governo do estado de São Paulo está apenas começando.
A Luta Continua!

Nenhum comentário: