Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Força e fraqueza do partido da mídia - por Emir Sader!


Força e fraqueza do partido da mídia - por Emir Sader, da Carta Maior




Muito tempo depois que a mídia alternativa já havia caracterizado a velha mídia como o partido da direita e a executiva da Folha confessasse que eles assumiam esse papel pela fraqueza dos partidos da oposição, o campo politico foi ficando cada vez mais configurado esse papel de partido político. Qualquer conjuntura política só pode ser compreendida levando em conta esse papel. 

Que vantagens e que desvantagens tem um partido-mídia? Valendo-se da brutal concentração monopolista da mídia brasileira, que articula jornais, revistas, rádios, TV abertas e a cabo, além de páginas de internet, possui um poder de definir as agendas centrais do país e suas interpretações.

No período político atual, a questão central para o partido-mídia é a desqualificação do Estado, de sua capacidade reguladora, indutora do crescimento e dos seus correlatos – partidos, política, parlamentos, com a apologia – implícita ou explícita – do mercado, como alocador de recursos.

Essa foi a tese central do neoliberalismo, na qual se apoiou a direita para reatualizar-se, modernizar-se, conquistar espaços e forças políticas e ideológicas nas décadas passadas. Foi essa tese que promoveu a ascensão das lideranças de Reagan, Thatcher, Felipe Gonzalez, Mitterrand, Menem, FHC, entre outros, derrotando a esquerda no debate, no momento do fim da URSS e da passagem de um mundo bipolar a um mundo unipolar.

A desqualificação da economia planificada e centralizada, do socialismo, das organizações populares, da ideia de que as soluções para os problemas das sociedades não vem de alternativas coletivas, mas da concorrência individual, de uns contra outros, no mercado – foram corolários dessa visão de mundo, centrada no consumir e não no cidadão, na mercantilização e não nos direitos.

A opção do tema da corrupção vai exatamente nessa direção: denunciar, ao mesmo tempo, o Estado, os governos, os políticos, os partidos, a esquerda, as lideranças populares, a prioridade das políticas sociais. E, automaticamente, anistiar ou exaltar o mercado, as empresas, os empresários, os consumidores.

A vantagem do partido-mídia é poder falar todo o tempo, todos os dias, várias vezes ao dia, por escrito, oralmente e pelas imagens. Ocupa todos os espaços que pode. Os jornais tem tiragens cada vez menores, mas dão a pauta para os outros órgãos – rádios, tvs, multiplicando sua audiência.

Porem, os efeitos imediatos são ilusórios. Se conseguem acionar o imaginário de uma certa camada da população, esta é cada vez menor, de idade cada vez maior, de extração cada vez menos popular. Tanto assim que conseguem pífios resultados eleitorais. Conseguem queimar as imagens dos políticos em geral – não sendo poupados nem os que o partido-mídia apoia -, mas não conseguem traduzir isso em votos.

Políticos petistas, por exemplo, podem ser afetados, mas o Lula e a Dilma – que personificam governos que deram certo, que aparecem para a população como os responsáveis pelas transformações positivas que o Brasil vive, não são tocados por essas campanhas – como as pesquisas da semana passada revelaram.

Essa a principal limitação do partido-mídia, a ponto que a Globo, que tem sua principal base de operações no Rio – com jornais, revistas, rádios, TVs aberta e a cabo, internet – há tempos que não consegue eleger nem prefeito da cidade, nem governador do Estado, nem sequer senadores.

O partido-mídia tem assim capacidade de provocar desgastes políticos, mas não pode se tornar partido politico com capacidade de organizar bloco de forças hegemônicas, de conquistar capacidade de disputar governo.
Daí a decepção que provoca nos seus promotores as intensas campanhas que desenvolvem, que aumentam a “indignação” nos que já são adeptos das suas teses, sem conquistar novas adesões. 

É o que aconteceu com a recente campanha contra o Lula e a Dilma. Depois de intensas denúncias, fizeram pesquisas – Ibope e Datafolha -, confiantes que poderiam colher resultados que demonstrassem sua capacidade de convencer a opinião pública.

Os resultados foram decepcionantes para eles. Os políticos continuam com sua imagem deteriorada, mas todos os políticos, não apenas os denunciados. Porém, Lula e Dilma se situam acima de tudo isso, como os únicos grandes líderes políticos do país, favoritos destacados para ganhar as próximas eleições.
Postado por Emir Sader

Link:

Nenhum comentário: