Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Pra frente, Venezuela! - por Igor Fuser!


Pra frente, Venezuela! - por Igor Fuser, do Brasil de Fato, 24/12/2012


Nicolás Maduro, vice de Chávez, é de inteira confiança do presidente venezuelano e dos movimentos populares que apóiam e sustentam o chavismo.
O que mais impressiona na cobertura midiática sobre a situação venezuelana é a visão distorcida dos fatos 
Aos urubus da direita latino-americana e imperial, que profetizam um cenário de impasse político e até de guerra civil caso Hugo Chávez fique impossibilitado de assumir seu novo mandato, a melhor resposta só poderia ser emitida pelas urnas. 
Pela segunda vez em menos de três meses, o povo se manifestou sobre o futuro do país. Nas eleições estaduais de 16 de dezembro, os venezuelanos renovaram, por expressiva maioria, o apoio à Revolução Boliviariana. 
O Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv), espinha dorsal da sustentação política do governo, ganhou em 20 dos 23 estados do país. Conquistou cinco governos estaduais que estavam em mãos oposicionistas – entre eles, Zúlia e Carabobo, que se destacam entre os estados mais ricos e populosos – e não perdeu nenhum. 
No total dos votos, repetiu-se a vantagem de 11 pontos percentuais obtida por Chávez na eleição presidencial de 7 de outubro. Aos oposicionistas restou, como prêmio de consolação, a apertada reeleição de Henrique Capriles no estado de Miranda, o que dá ao rival derrotado por Chávez condições de se candidatar a uma nova tentativa na hipótese de eleições para presidente em 2013.   
O que mais impressiona na cobertura midiática sobre a situação venezuelana é a visão distorcida dos fatos. Por interesse político ou simples desinformação, vende-se a ideia de que o gigantesco processo de mudanças iniciado em 1999 está em vias de ser interrompido. 
Os venezuelanos são retratados como um bando de ingênuos, hipnotizados por um mago. Busca-se, assim, ocultar o óbvio: se votaram a favor de Chávez, repetidas vezes, é por que nele veem algum benefício. Do mesmo modo, sua eventual ausência não deixará um vazio. 
Se é verdade que a liderança pessoal do presidente exerceu um papel decisivo até agora, também é inegável o surgimento de dirigentes altamente capazes, em todos os níveis.              
A designação de Nicolás Maduro como vice-presidente e sucessor de Chávez é a melhor garantia possível contra o risco de desagregação das forças atualmente unidas em torno do comandante revolucionário. Divergência e disputa são inerentes à política, mas a inquestionável legitimidade de Maduro certamente representará um poderoso fator de coesão em dias difíceis.            
Mais importante do que isso são as sucessivas demonstrações de que o povo venezuelano tem consciência de suas conquistas e está disposto a defendê-las em quaisquer circunstâncias. Ele protagonizou, nestes últimos 14 anos, o que existe no mundo de mais próximo a uma revolução socialista. 
O poder e a riqueza, monopolizados pela elite local submissa ao imperialismo, estão se transferindo para os trabalhadores, em uma escala e velocidade extraordinárias. 
Da Venezuela de hoje, duas coisas se pode afirmar com certeza. A primeira é que o país nunca voltará a ser o que era antes da chegada de Chávez à presidência. A segunda é que, se alguém tentar que isso aconteça, o povo reagirá com toda a energia, sem vacilação.
Link:

Nenhum comentário: