Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Venezuela: muito longe da mídia técnica - por Rodrigo Vianna!


Venezuela: muito longe da mídia técnica - por Rodrigo 

Vianna, do Escrevinhador

“Vampiros! Miseráveis!”, esbraveja o homem de meia-idade que aparece na TV em mangas de camisa e com um boné vermelho. Não é um manifestante na rua.  Trata-se de um dos mais importantes líderes do chavismo. Ele fala em rede nacional. Os “vampiros” são os líderes da oposição. E o homem que fala alto na TV é Jorge Rodriguez, ex-alcaide (espécie de governador) de Caracas.

Rodriguez responde aos líderes da oposição, que transformam a doença de Chavez em mote político.  Um deputado da  oposição devolve no mesmo tom, agora usando a tribuna da TV privada: chama Nicolas Maduro (o vice que comanda o governo, na ausência do presidente) de “usurpador”.

Estou há cinco dias na Venezuela, onde acompanho para a TV Record a crise provocada pela doença de Chavez, e pela impossibilidade de o presidente (eleito para mais um mandato) tomar posse nessa quinta-feira.
Mario Silva faz o contraponto, na TV, à midia comercial
É a terceira vez que venho a Caracas. E sempre me impressiono com o grau de politização e de acirramento nos debates. Aquilo que no Brasil nós só vemos nos blogs (a pancadaria verbal e o debate duro quase sempre ficam restritos à internet), aqui na Venezuela se dá nas ruas e nas telas da TV aberta.

Caminho pelo centro de Caracas, acompanhado pelo cinegrafista Josias Erdei. Um militante chavista nos observa, e provoca: “olha aí mais dois mercenários da informação, manipulando as notícias sobre a Venezuela”. Paro pra conversar. O discurso é agressivo, mas eles são simpáticos quando percebem que somos do Brasil; “Lula, Lula, grande companheiro”… Explico minhas opiniões pessoais, e o chavista se acalma um pouco. Ainda assim, completa: “nosso companheiro Mario Silva explica muito bem como funcionam os meios de comunicação internacionais.”

À noite, vejo Mario Silva na tela da VTV (a TV estatal). É pau puro. Ele usa a tribuna na TV para criticar o noticiário dos canais privados (a “matriz informativa que tentam impor ao povo”, como dizem os chavistas). Isso é o interessante. Mario Silva é um apresentador com barba por fazer, agressivo, e que fala em socialismo às 11 da noite na TV. Ele tem um público amplíssimo. O chavismo politiza o povo.

Termina o programa de Mario Silva, e entra um rapaz mais jovem, com roupa e visual mais modernos. Na tela, ao fundo do estúdio, aparecem manchetes da imprensa internacional. O jovem apresentador, numa linguagem leve e provocadora, analisa como as redes sociais e os sites dão notícias sobre a Venezuela. Analisa, pontua, critica. É uma espécie de contra-pauta. Aquilo que no Brasil tentamos fazer nos blogs, aqui na Venezuela se faz na TV aberta, em horário nobre.

Ah, dirão alguns: a correlação de forças na Venezuela é outra. Claro. Mas a correlação é outra, também, porque o chavismo não fugiu dessa questão central: a comunicação. A mãe de todas as batalhas.
Programas como os que vejo na VTV põem a nu a produção jornalística clássica. O jornalismo deixa de ser visto pelo grande público como o detentor da “verdade”, e passa a ser compreendido como aquilo que realmente é: uma arena onde se disputam idéias, valores.

Apresentadores e programas desse tipo no Brasil fariam Merval Pereira e Otavinho, de um lado, e a turma da “mídia técnica” do governo Dilma, de outro, terem um ataque apoplético.

Mídia “técnica”, sei. O chavismo não acredita nessa bobagem.

Link:

Nenhum comentário: