Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

sábado, 9 de março de 2013

Chávez, leitor de Mészáros!


Chávez, leitor de Mészáros - Por Emir Sader, do blog da Boitempo Editorial




Hugo Chávez sempre disse que sua leitura fundamental nos anos de prisão foi Para além do capital, de seu amigo István Mészáros. O livro lhe foi levado por Jorge Giordani, que depois se transformaria no principal ministro da área econômica de Chávez, posto que mantém até hoje.
A penúltima vez em que pude estar com Hugo Chávez foi por ocasião do Fórum de São Paulo, durante a campanha eleitoral do ano passado. No ato de encerramento, no Teatro Tereza Carreño, Chávez tinha um exemplar do livro de Mészáros consigo e propôs a um idoso venezuelano, que havia recém conseguido se alfabetizar, que um dia lesse Para além do capital.
A inquietação intelectual de Hugo Chávez sempre foi impressionante. Diante da guinada conservadora de grande parte da intelectualidade venezuelana – a maior universidade do pais, a UCV, é controlada pela direita –, quando me perguntavam sobre o mais importante intelectual da Venezuela, eu dizia: Hugo Chávez.
Em qualquer conversa com ele, ele se interessava imediatamente sobre o que a gente estava dizendo, pedia leituras e outras indicações. No seu programa Alô Presidente, ele comentava que estava lendo autores como Gramsci, Rosa Luxemburgo, além de, sempre, Marx, Engels, Lenin, Trotski. Leituras que ele fazia nos constantes voos que realizava.
Eram inquietações teóricas sempre vinculadas à realidade concreta da Venezuela e da América Latina. Ele era capaz de passar de raciocínios teóricos abstratos a problemas imediatos que seu pais enfrentava. Com a perda de Hugo Chávez perdemos um dirigente de origem popular – sua fisionomia é muito popular no país – e uma cabeça inquieta, criadora, como poucas.
Sem contar da simpatia esfuziante com que ele conquistou a todos nós. Desde o começo do seu governo, desde suas primeiras vindas ao Brasil, para o Fórum Social Mundial de Porto Alegre, até sua ultima visita, quando assinou com a Dilma um acordo de intercambio aeronáutico entre os dois países.
Mesmo já nos seus últimos meses de vida, nunca se viu nenhum sinal de sofrimento no seu rosto. Sua vitalidade era impressionante, foi das pessoas mais vitais que conheci. Uma perda destas é incalculável, por mais que o que ele tenha deixado já permite dizer que seu legado é irreversível.
***
Emir Sader entrevistou István Mészáros junto com Ricardo Antunes, Carlos Nelson Coutinho, Luiz Gonzaga Beluzzo, Maria Orlanda Pinasi, Haroldo Ceravolo Cereza e Heródoto Barbeiro no Roda Viva, quando o filósofo esteve no Brasil em 2002.
Para além do capital: rumo a uma teoria da transição, de István Mészáros já está disponível em versão eletrônica (ebook) por menos da metade do preço do livro impresso na Gato Sabido.
***
As armas da crítica: antologia do pensamento de esquerda, organizado por Emir Sader e Ivana Jinkings, já está disponível por apenas R$18 na Gato Sabido,Livraria da Travessaiba e muitas outras!
***
Emir Sader nasceu em São Paulo, em 1943. Formado em Filosofia pela Universidade de São Paulo, é cientista político e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). É secretário-executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso) e coordenador-geral do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). Coordena a coleção Pauliceia, publicada pela Boitempo, e organizou ao lado de Ivana Jinkings, Carlos Eduardo Martins e Rodrigo Nobile a Latinoamericana – enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe (São Paulo, Boitempo, 2006), vencedora do 49º Prêmio Jabuti, na categoria Livro de não-ficção do ano. Colabora para o Blog da Boitempo quinzenalmente, às quartas.

Link:

Nenhum comentário: