Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 1 de maio de 2013

1º de Maio é dia luta: greves, mortes, suor e sangue para conquistar redução da jornada de 14 para 8 horas diárias!


1º de Maio é dia luta: greves, mortes, suor e sangue para conquistar redução da jornada de 14 para 8 horas diárias


Escrito por: Expedito Solaney, secretário de Políticas Sociais da CUT - 30/04/2013



A data foi estabelecida há 124 anos pela Segunda Internacional Socialista, em congresso realizado em Paris e que reuniu os principais partidos socialistas e sindicatos de toda Europa e do mundo. 

Ao escolher o dia 1º de Maio como Dia do Trabalhador e da Trabalhadora os participantes prestaram homenagem aos operários dos Estados Unidos que três anos antes, organizaram uma grande jornada de luta por melhores condições de vida e de trabalho. 

Foram mais de 1, 5 mil greves em todo país. As greves de 1886 tinha como centro da pauta a redução da jornada de 14 para 8 horas diárias. Depois de dois dias de manifestações seis operários foram mortos. Com a continuidade da greve, a repressão aumentou e dezenas de trabalhadores foram mortos, milhares presos e sindicatos incendiados. Essa jornada de lutas resultou além das dezenas de trabalhadores mortos, em oito dirigentes sindicais condenados, cinco deles a forca, dois a prisão perpétua e um a 15 anos de prisão.

A homenagem feita pela Segunda Internacional Socialista a estes trabalhadores, foi à convocação da classe trabalhadora do mundo para uma greve geral no 1º de maio em 1890, o que se tornou uma tradição no movimento operário internacional de luta desde então. Os significados e as grandes manifestações a cada ano conferiu grandes avanços para classe trabalhadora do mundo e o estabelecimento no calendario cristão como feriado mundial.

Hoje os trabalhadores e as trabalhadoras pelo mundo continuam relembrando e celebrando esta data como muitas manifestações e greves. Com o agravamento da crise capitalista iniciada em 2008, principalmente na Europa, sem dúvidas o 1º de Maio de 2013 vai ter muita luta no velho continente. As grandes manifestações da primeira quinzena de abril na Espanha já são um indício de que as greves e as mobilizações deste ano serão fortes.

Com boa parcela da juventude desempregada, redução do valor das aposentadorias e de salários e das conquistas sociais e o estado de bem estar social cada vez encolhendo mais, a classe trabalhadora e seus filhos no velho continente se vê pagando por uma crise sem precedentes e que ela não causou. Com sua tradição de luta, apoios da CSI e centrais sindicais combativas pelo mundo o 1º de maio europeu de 2013, definitivamente, não será mais um!  

No Brasil como na América Latina é verdade que a crise chegou e tem se comportado com menor intensidade que nos EUA e na Europa. Os nossos velhos problemas de concentração de renda, desigualdades socais, miséria e fome continuam. Aqui ainda reina um capitalismo selvagem que usa trabalho escravo e o trabalho infantil e que somente agora as trabalhadoras domésticas estão prestes à equiparação de direitos aos demais trabalhadores.

A massa de trabalhadores e trabalhadoras no Brasil tem uma jornada extenuante de trabalho, chegando a 15 horas diárias em algumas capitais, somando tempo de deslocamento de casa para o trabalho. Além das condições precarias, vide numero de acidentes, terceirixação ainda convivemos com o fantasma da demissão sem justa caua, do assedio moral e sexual.

Por isto tudo que o 1º de Maio é dia de luta e celebrações, não de mega show e sorteio de dezenas de carros pagos com o dinheiro do patrão. Isto é coisa de pelego! Isto é enganar e esconder a história da classe trabalhadora! Só é possível reduzir jornada e garantir o fim do fator previdenciário se tiver manifestações, lutas e greves!

Temos também aqui no Brasil nesse 1º de Maio de 2013 motivos de sobra para lutar, fazer manifestações e greves. Apresidente Dilma Rousseff até agora não deu nenhuma satisfação a respeito da pauta entregue pela CUT e demais centrais sindicais na grande marcha ocorrida, em Brasília, dia 6 de março. A pauta é perfeitamente possível de ser atendida mas, ou a classe trabalhadora vai a luta para pressionar o governo Dilma, os governos estaduais e os patrões para atender os 11 itens reivindicados ou, não tem concessão, bondade ou atendimento para os trabalhadores.

A história nos mostra que sem sangue suor e lagrimas não tem conquistas, não tem vitórias para os trabalhadores!

É uma pauta boa para o país com a valorização do trabalho e do trabalhador: redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário, fim do fator previdenciário, reforma agrária, igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, valorização dos aposentados, aplicação de 10% do PIB para a educação, aplicação de 10% do Orçamento da União para a saúde, correção da tabela do imposto de renda, ratificação da Convenção 158 da OIT que impede a demissão imotivada, regulamentação da Convenção 151 que estabelece a negociação coletiva no serviço público e ampliação dos investimentos públicos.

A resolução da última reunião da direção executiva nacional da CUT, realizada em 25 de abril, na cidade de São Paulo, preparatória do 1º de maio em todo país, aponta para mobilizações e lutas. Não tem negociação, nem atendimento da pauta, sem luta, sem mobilizar e sem fazer greve, já ensinava os nossos companherios e companherios que tombaram nas greves e lutas de 1886. A conquista deles é perene. Está aí até hoje.

Vamos à luta!

Viva a classe trabalhadora do mundo!

Link:

Nenhum comentário: