Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

domingo, 16 de junho de 2013

O governo Haddad, a Grande Mídia, os protestos da Geração Facebook e a cidade de São Paulo! - por Marcos Doniseti!

O governo Haddad, a Grande Mídia, os protestos da Geração Facebook e a cidade de São Paulo! - por Marcos Doniseti!

Juventude cansou de apenas ouvir promessas e, agora, saiu às ruas do país para exigir respeito aos seus direitos. Assim é que se constrói uma sociedade democrática, justa, igualitária, onde todos podem viver com dignidade. E é isso que este blogueiro defende.
Matéria do 'Estadão' (ver link abaixo) mostra que o sistema de transporte coletivo municipal piorou de forma brutal durante os governos Serra-Kassab. 

O número de veículos em circulação diminuiu, enquanto o número de usuários cresceu espantosos 80% em 8 anos.

Mas somente agora, no governo Haddad, a imprensa cumpre com o seu papel de informar a população a respeito do fato.

A pergunta que se faz: Qual é o motivo disso? 

Proteção política para lideranças, como a de Serra, que até recebeu apoio (em Editorial) do 'Estadão' nas últimas eleições?

Expliquem-se, 'Folha', 'Globo', 'Veja' e 'Estadão'!


Essas informações da matéria do 'Estadão' mostram, claramente, que os governos do PSDB-DEM-PSD (Alckmin, Serra e Kassab) são os grandes responsáveis pelo caos que existe, já há um bom tempo, no sistema de transporte coletivo da capital paulista (trem, metrô e ônibus).

Porém, a população já não tem mais paciência para esperar por soluções e quer uma melhoria imediata da qualidade do serviço prestado, que além de muito ruim, também é caro.

Neste sentido, o novo prefeito da capital paulista, Fernando Haddad, tem que tomar a iniciativa e convocar os mais variados segmentos da sociedade paulistana a fim de procurar soluções para essa situação, que é ruim para todos.

Isso é péssimo para a população, é claro, que é transportada como sardinha em lata dentro dos meios de transporte da cidade, pelos quais paga caro e que vive cansada e estressada em função disso.

E isso também é ruim para as empresas, pois os seus funcionários (e que também são seres humanos, viu, seus capitalistas de m...!) produzem menos e trabalham cansados, pois os mesmos perdem muitas horas do seu dia apenas na ingrata missão de se locomover pela cidade em ônibus, trens e metrô superlotados.

Logo, a adoção de um projeto concreto que melhorasse substancialmente a qualidade do sistema de transporte coletivo da capital paulista seria bom para todos, sem dúvida alguma.

E é isso que Fernando Haddad, na condição de prefeito, tem a obrigação de apresentar para a população da maior cidade brasileira e para a qual governa.

As pessoas sabem que esse problema, extremamente grave, não será resolvido da noite para o dia, mas elas exigem soluções e medidas concretas que apontem para uma melhoria substancial da qualidade do serviço de transporte coletivo e do trânsito da capital paulista.

E é isso que Haddad tem que fazer e mostrar para a sociedade.

Mas isso não deve ser feito através de mera propaganda na TV, como era a prática do governo Kassab, que vendia no rádio e na TV uma cidade que não existia, uma verdadeira ilha da fantasia. 

E o governo Alckmin vai pelo mesmo caminho. 

Quem vê as suas propagandas no rádio e na TV a respeito dos trens e do metrô paulistanos e, depois, vai usar o serviço (que sofre com falhas diárias) sabe do que eu estou falando. O metrô da TV alckmista funciona sempre de forma maravilhosa, nunca está lotado e os usuários jamais perdem horas diariamente em função de falhas no serviço. É tudo lindo e maravilhoso!

Mas isso é uma mentira e a população não aceita mais ser enganada por essa propaganda cínica, desonesta, hipócrita e mentirosa.

Recentemente fui até o centro da cidade de São Paulo e usei o metrô. Quando eu quis voltar, o metrô estava parado e não havia previsão de quando o mesmo iria voltar a funcionar. Assim, perdi várias horas do meu dia em função disso.

E é claro que essa é a realidade que milhões de pessoas de pessoas que usam os trens e o metrô da capital paulista enfrentam diariamente e já há muitos anos.

Agora, se estas são as políticas de Alckmin e eram também as de Kassab, o atual prefeito paulistano não tem o direito de agir de maneira semelhante.

Fernando Haddad foi eleito para modificar essa realidade, adotando novas políticas, implantando uma outra maneira de governar, tratando a população com respeito e não para fazer o mesmo que Serra e Kassab faziam e que Alckmin também faz. Estes são políticos necrosados, velhos (nas práticas políticas e nas ideias, não na idade, ok?) e ultrapassados, que não tem mais nada a oferecer para a população e para a sociedade. 

Haddad se apresentou como o Novo, ou seja, aquele que é diferente e inovador, durante a campanha eleitoral. Agora, ele tem que mostrar que isso não era mera propaganda eleitoreira e agir tal como se apresentou perante o eleitorado paulistano em 2012. 

Do contrário, ele se transformará em um 'novo Pitta', em um 'novo Kassab', ou seja, ficará igual àqueles aos quais combateu. 

E se for necessário aumentar os subsídios municipais para que a melhoria da qualidade do serviço municipal de transporte coletivo seja alcançado, então que isso seja feito (mantendo-se o valor da tarifa congelado e investindo na melhoria do serviço), mas que se faça isso após discutir com todos os segmentos sociais da capital sobre qual a maneira que isso será financiado, pois é claro que, como dizem os economistas, 'não existe almoço grátis'.

Alguém sempre paga a conta, sem dúvida alguma.

Mas se essa política for implantada como resultado de uma ampla discussão, séria e transparente, entre o governo Haddad e todos os setores representativos da sociedade, penso que as pessoas não irão se recusar a colaborar. 

Mas elas irão, com todo o direito, cobrar resultados, é claro, e estes terão que aparecer.

Uma política democrática, de diálogo franco, aberto e transparente com a população e com a sociedade, é o caminho para se resolver não apenas o grave problema do péssimo transporte coletivo municipal, mas também o da saúde, educação, moradia, saneamento básico, cultura, esporte, lazer...

Como disse Saul Leblon em seu texto (ver link abaixo): A solução é MAIS DEMOCRACIA!

A única coisa que Haddad não pode fazer, e não tem o direito de fazê-lo, é se fingir de surdo ou mesmo acreditar que os protestos visam, apenas e tão somente, sabotá-lo.

Devem existir, com certeza, segmentos do movimento de protesto que adorariam sabotar e inviabilizar o governo de Haddad, sem dúvida alguma. Não é segredo para ninguém que acompanha a política brasileira que partidos como o PSOL, PSTU e PCO tem um ódio mortal do PT, pois os seus líderes e integrantes foram, em grande parte, expulsos do PT. 

Mas isso, agora, não é relevante. O mais importante é que Haddad governe em benefício da população que sofre com a péssima qualidade dos serviços públicos municipais. 

Além disso, a melhor maneira de combater os eventuais sabotadores não é com repressão, que é de responsabilidade do governo estadual, que comanda as Polícias Civil e Militar, ou fazer de conta que nada de importante está acontecendo.

Obs: A PM nem deveria existir, pois a mesma foi uma criação da abjeta e repugnante Ditadura Militar, que usava a PM como força auxiliar das Forças Armadas no trabalho sujo de repressão, fazendo prisões ilegais, sequestrando, torturando, assassinando e desaparecendo com os corpos das vítimas.

A melhor forma de agir contra qualquer tentativa de sabotagem ao seu governo, venha de onde vier, é dialogando com todos os segmentos da sociedade organizada, incluindo, é claro, o Movimento Passe Livre, que deu início às manifestações.

E a partir deste diálogo, deve-se reorganizar e reestruturar totalmente o sistema de transporte coletivo municipal com a finalidade de melhorar substancialmente a qualidade do serviço oferecido à população e fazendo com que o mesmo se torne acessível a todos, sem exceção. 

A prioridade do serviço de transporte coletivo, e também dos demais serviços públicos municipais (e pelos quais a população paga caro) deve ser as pessoas e não os lucros das empresas. A economia deve ser colocada a serviço do ser humano e não o contrário.

Desta maneira, tenho certeza de que, se esse for o caminho escolhido pelo governo Haddad, a população da capital paulista irá colaborar, fazendo a sua parte e saberá reconhecer o seu esforço e o seu trabalho.

E a adoção desta nova política pelo governo de Haddad obrigará, antes do que se imagina, o governo do estado de São Paulo a fazer o mesmo com o sistema de transporte coletivo que é de sua responsabilidade (trens, metrô e ônibus intermunicipais – EMTU), levando a que o mesmo tenha que abandonar a sua política meramente repressiva, que lembra alguns dos piores momentos da Ditadura Militar e que nada tem a oferecer para a população trabalhadora de São Paulo.

E esse caminho, de adotar um diálogo amplo e democrático com todos os segmentos sociais, também deve ser seguido na busca de soluções para os problemas, de grande gravidade, da saúde, educação, moradia, saneamento básico, cultura, esportes, lazer.

Resumindo: 'É a Democracia, estúpido!'.

Que assim seja.


Obs: Haddad não deve usar isso como desculpa para não fazer nada (até porque ele não tem esse direito), mas a pergunta que se faz, agora, ao se fazer a leitura desta excelente matéria do site do 'Estadão' a respeito da sensível piora da qualidade do sistema de transporte coletivo da capital paulista nos último anos, é a seguinte:

A Grande Mídia (Folha, Globo, Estadão, Veja) não sabia de nada?

Ela ignorava que isso estava acontecendo?

Afinal, nestes oito anos de governo Serra-Kassab, em nenhum momento essa Grande Mídia reacionária e golpista se preocupou em fazer um trabalho jornalístico minimamente sério para mostrar à população o quanto o sistema de transporte coletivo da maior e mais rica cidade brasileira, com 11,5 milhões de habitantes e que responde por grande parte do PIB nacional, havia se deteriorado.

Porque somente agora, no governo Haddad e após uma semana de protestos que reúnem milhares de pessoas nas ruas da capital paulista, é que a Grande Mídia paulista decidiu fazer uma matéria realmente séria e mostrar o que acontece no sistema de transporte coletivo municipal?

Explique-se, Grande Mídia!!


Links:

Frota de ônibus encolhe, mas número de passageiros aumentou 80% em 8 anos:

Nenhum comentário: