Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

terça-feira, 16 de julho de 2013

Grande Mídia, em crise, tenta voltar ao poder de qualquer jeito - por Saul Leblon!

Crise da mídia eleva a tensão no país - por Saul Leblon, da Carta Maior


"Grandes jornais perdem inexoravelmente leitores no papel, mas não param de ganhá-los na Web (43 milhões de internautas leem o New York Times); (porém) quando os sites dos grandes jornais passaram a ser pagos (como o Times), a visitação despencou (de 22 milhões para 200 mil)”. 

“Libération ou Mediapart escolheram um modelo de pagamento parcial . Cabe registrar que se a imprensa da internet é, no momento pelo menos, quase gratuita, isso se deve ao fato de que ela é subvencionada pelos leitores da imprensa escrita”.

“ Antes, os meios de comunicação vendiam informação. Agora, como a TF1 faz com a Coca Cola, vendem consumidores a seus anunciantes”.

“ Quando “Slate” (grupo do Washington Post) comenta um livro ou um DVD, links ligam o texto ao site de vendas da Amazon. Para cada venda efetuada, Slate recebe 6% do total. A missão informacional é parasitada pela comunicação”. 


Os trechos foram pinçados da resenha do novo livro de Ignacio Ramonet, a 'Explosão do Jornalismo', publicada nesta pág.

O tema interessa a todos que enxergam na pluralidade da informação e no discernimento crítico que ela alimenta, a alma da democracia. 

Ramonet, um intelectual preocupado com o impasse da representação política no século 21, analisa um fenômeno que a mídia dominante conhece bem no Brasil: o declínio do jornalismo impresso e a ausência de um modelo de negócio que reproduza as mesmas taxas de lucratividade – e de hegemonia ideológica – em suporte digital.

O caso aqui se torna agudo por um par de razões.

Em edição recente, a inglesa ‘The Economist’ chamou a atenção para a velocidade exponencial da taxa de conexão brasileira à web.

A metade dos lares do país já está plugada na rede.

Somos a segunda base mais importante do Facebook no mundo. 

A mídia tradicional, segunda a revista conservadora, está perplexa diante de uma transição sem volta. 

Há muito dinheiro em jogo nessa travessia, explica Ramonet: a indústria da comunicação representa 15% do PIB mundial. 

Não só dinheiro em espécie, cabe dizer. 

Mas também a sua versão concentrada e ainda mais valiosa: o poder político que se embaralha nessa encruzilhada.

É sobretudo isso, que a ‘Economist’ não atenta, que adiciona especificidade e nitroglicerina ao caso brasileiro. 

A ponto de a deriva de um setor empresarial tornar-se uma ameaça à democracia do país.

Meia dúzia de corporações da mídia aqui pautam a vida política e tutelam a economia , como centuriões da riqueza acumulada e da autoridade corrente. 

Alguns encarnam essa ‘gendarmerie’ autoconferida há mais de um século. 

Enfrentam os tempos difíceis com as garras à mostra. 

Às trincas no alicerce político, decorrentes de três derrotas presidenciais sucessivas de seus candidatos à chefia da Nação, veio agregar-se a percepção de um esfarelamento estratégico.

Consequência da mudança estrutural irreversível na dimensão tecnológica do seu negócio. 

‘A explosão do jornalismo’, como diz Ramonet brincando com a ambiguidade, atinge o suporte convencional com tal impacto que desordena a escala e o conteúdo da linha de produção, borra o divisor entre emissor e receptor e dissolve o próprio conceito do que se emite: a informação. 

Pior: os gigantes do crepúsculo não estão mais sozinhos na luta pela adaptação ao novo meio digital. 

Há uma população nova, ágil, desassombrada, composta de pequenos veículos progressistas que contrastam a pauta dominante e disputam uma audiência antes cativa. 

Ainda não assimilada em sua importância por governos hesitantes, a emergência desses novos atores tira dos gigantes o favoritismo absoluto na nova corrida. 

O faturamento grita, a audiência tropeça.

E eles radicalizam. 

Sua estratégia no Brasil visa recuperar, por todos os meios --todos-- um pedaço do chão firme anterior.

Como a tecnologia é a variável exógena da equação, a alternativa dos 'liberais' que dominam a mídia converge para a luta pelo controle do Estado.

Vale tudo.

A partidarização sem pejo esparramou-se do editorial para o colunismo; contagiou as manchetes e já capturou o noticiário. 

Busca-se assegurar, ao menos, uma transição suave, para algum ponto seco, a salvo da inundação digital-democrática, que não cessa de subir.
Postado por Saul Leblon 

Link:

Nenhum comentário: