Frases para não se esquecer!

"O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem ameaçar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso dos seus direitos legítimos e democráticos.". - Presidente João Goulart, em 11/03/1964.

Joseph Pulitzer: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

"O sigilo não oferecerá nunca mais guarida ao desrespeito aos direitos humanos no Brasil"

(Presidenta Dilma Rousseff, ao sancionar a criação da Comissão da Verdade)

Emiliano Zapata: “Mais vale, homens do Sul, morrer de pé que viver de joelhos!”

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Dilma diz que política de desonerações é medida permanente!

Dilma diz que política de desonerações é medida permanente

18/12/2013 - 12h58
Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil
Brasília - A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (18) que vai manter as desonerações na folha de pagamento de alguns setores da economia. Ao comentar as intervenções do governo, a presidenta citou o exemplo dos Estados Unidos, que compraram US$ 85 bilhões em ativos.
“Para que a gente avaliasse junto com as empresas quanto tempo ficaria [a política de desoneração], não demos um prazo, tende a ser permanente. Nós não estamos pensando em alterar a desoneração da folha”, declarou.
A desoneração da folha é utilizada para aquecer a economia e ajudar a indústria diante da crise econômica internacional. Desse modo, o governo reduz a alíquota do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para que o empresário obtenha maior faturamento.
“Nós não fizemos uma intervenção do porte dos US$ 85 bilhões no mercado monetário, até porque não temos US$ 85 bilhões para jogar no mercado monetário”, comparou, em referência à compra de ativos do país norte-americano, que injeta esse valor mensalmente na economia.
Apesar da manutenção da medida, a presidenta disse que o governo brasileiro não gosta de tomar esse tipo de atitude. “Nós não temos nenhuma predileção por fazer a política anticíclica, até porque ela é custosa. Quanto mais cedo nós sairmos disso, melhor para o país”, acrescentou.
A presidenta disse, no entanto, que em alguns setores a desoneração não deve continuar. “Eu acredito que hoje muitas das desonerações feitas no passado não são necessárias e portanto não deverão ser feitas”.
Dilma conversou com os jornalistas durante café da manhã que promoveu de manhã no Palácio do Planalto.
Edição: Graça Adjuto
Link:

Nenhum comentário: